O parlamento somali está considerando um projeto de lei que permitiria o casamento infantil quando os órgãos sexuais de uma menina amadurecessem.

O novo projeto de lei sobre crimes relacionados a relações sexuais permitiria o casamento forçado, desde que a família desse seu consentimento.

Isso marca uma dramática reformulação de anos de esforços para dar mais proteção às mulheres em um dos países mais conservadores do mundo.

O projeto de lei “representaria um grande retrocesso na luta contra a violência sexual na Somália e em todo o mundo”, disse o representante especial das Nações Unidas para a violência sexual em conflito.

Pramila Patten disse que deveria ser retirado ‘imediatamente’ em um comunicado na terça-feira, acrescentando que também enfraquece as proteções para vítimas de violência sexual.

Já mais de 45 por cento das mulheres jovens na Somália eram casadas ou “em união” antes dos 18 anos, de acordo com uma análise das Nações Unidas em 2014-15.

A Somália em 2013 concordou com a ONU para melhorar suas leis de violência sexual e, após cinco anos de trabalho, um projeto de lei sobre crimes sexuais foi aprovado pelo Conselho de Ministros e enviado ao parlamento.

Mas no ano passado o presidente da Câmara do Povo enviou o projeto de volta ‘em um processo que pode ter se desviado da lei estabelecida’, pedindo ‘emendas substantivas’, disse o representante especial da ONU.

O novo projeto de lei ‘arrisca legitimar o casamento infantil, entre outras práticas alarmantes, e deve ser impedido de ser aprovado’, disse a chefe de direitos humanos da ONU, Michelle Bachelet, esta semana.

Ela advertiu que sua aprovação iria ‘enviar um sinal preocupante para outros estados da região’.

Milhares de pessoas na Somália estão circulando uma petição contra o projeto de lei, incluindo Ilwad Elman com a organização Elman Peace, com sede em Mogadíscio.

Enquanto a Somália se preparava para marcar o Dia Internacional da Juventude na quarta-feira, Elman twittou esta semana: ‘Não quero ver nenhum oficial somali participando online para comemorar … quando você está tentando roubar a infância delas AGORA MESMO com a relação sexual lei de legalização do casamento infantil. ‘

A missão da ONU à Somália, em uma declaração separada, classificou o novo projeto de lei como ‘profundamente falho’ e pediu ao parlamento que reintroduzisse o original.

O projeto original ‘será vital para prevenir e criminalizar todos os crimes sexuais’, disse o representante da Somália para o Fundo de População da ONU, Anders Thomsen.

‘Grande momento para os parlamentares decidirem os valores futuros da Somália’, tuitou o embaixador britânico na Somália, Ben Fender.

O novo projeto contencioso surge em um momento em que grupos de direitos das mulheres temem abertamente que a pandemia do coronavírus e as restrições de viagens relacionadas na Somália tenham piorado a violência contra as mulheres e a mutilação genital feminina.

Quase todas as mulheres e meninas somalis foram submetidas a essa prática.

Cerca de 68 por cento de mais de 300 prestadores de serviços em todo o país relataram um aumento na violência de gênero, incluindo estupro, desde o início da pandemia, disse o UNFPA em um relatório no mês passado.

Quase um terço dos entrevistados, incluindo mais de 750 membros da comunidade, disseram acreditar que os casamentos infantis aumentaram em parte devido às pressões econômicas e em parte porque as escolas foram interrompidas.

E, em alguns casos, as unidades de saúde foram fechadas, limitando o acesso aos cuidados.

Acontece que, severas inundações continuam a deslocar milhares de pessoas na Somália.

O governo nos últimos dias emitiu novos avisos às comunidades que vivem ao longo dos rios Jubba e Shabelle.

Segundo o relatório, as chuvas nas terras altas da vizinha Etiópia podem causar enchentes em cidades como Jowhar e Beledweyne.

Moradores disseram que várias pessoas foram levadas embora.

A Organização das Nações Unidas disse que pelo menos quatro pessoas deslocadas morreram. Mais de 100.000 pessoas tiveram que abandonar suas casas desde o final de junho.

O presidente Mohamed Abdullahi Mohamed apelou por ajuda emergencial para a cidade de Afgoye, fora da capital, Mogadíscio.

Afgoye viu algumas das piores enchentes, com partes da cidade varridas e milhares de famílias sem energia.

Com informações de TIME / ABC News / Outlook_Índia

Foto de Terry C. Mitchell / Wikimedia ( Domínio Público)

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.