A principal autoridade comercial da Coreia do Sul está desistindo de sua candidatura para se tornar a próxima diretora-geral da Organização Mundial do Comércio, tornando provável que o cargo vá para a ex-ministra das finanças nigeriana Ngozi Okonjo-Iweala. Ela se tornaria a primeira mulher a liderar a organização.

O Ministério do Comércio, Indústria e Energia da Coréia do Sul disse em um comunicado na sexta-feira que sua ministra do Comércio, Yoo Myung-hee, em breve dirá à OMC que ela está retirando sua candidatura.

Leia também: Nova vida para a Grande Muralha Verde, a parede de 8 mil km de árvores para salvar a África

No entanto, “a candidata nigeriana não será automaticamente nomeada’, advertiu à AFP um diplomata europeu em Genebra, já que “a eleição exige um consenso que, na prática, significa a adesão dos Estados Unidos”.

O processo para designar o sucessor do brasileiro Roberto Azevêdo estava paralisado desde outubro, quando os embaixadores da OMC privilegiaram a candidatura da nigeriana, uma opção que contava com a oposição dos Estados Unidos de Donald Trump.

O responsável pela OMC costuma ser escolhido por consenso, o que paralisou o processo.

Embora o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, já tenha tomado medidas para restaurar o apoio às instituições multilaterais, espera-se que ele proceda com cautela ao assinar novos acordos comerciais.

Em um discurso ao Departamento de Estado na quinta-feira, Biden prometeu colocar a diplomacia de volta no centro da política externa dos EUA, mas também teve o cuidado de enfatizar que a política externa deve beneficiar os americanos de classe média.

Leia também: A aldeia africana onde cada casa é uma obra de arte

Okonjo-Iweala ainda não reivindicou vitória e disse que espera primeiro o fim do processo de seleção, destacando que “a OMC deve concentrar sua atenção na pandemia de covid-19 e na recuperação econômica global”, segundo seu porta-voz.

O ministério sul-coreano disse que Yoo discutiu sua candidatura com funcionários dos Estados Unidos e de outros países membros da OMC antes de decidir retirar-se devido a considerações “abrangentes”.

A OMC com sede em Genebra, que foi criada em 1995 a partir do antigo Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio, nunca teve uma mulher ou africana como líder.

Informações de CNN

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.