Saúde e doença são atualmente vistas como um equilíbrio complexo que surge da interação entre corpo e mente, entre corpo e pensamentos. Pouco a pouco, estamos indo além das visões reducionistas que subestimam a importância da influência do mundo subjetivo em nosso corpo e, consequentemente, em doenças e curas.

A medicina convencional está gradualmente se conscientizando das limitações de sua abordagem. O século XX foi marcado por um paradigma em que predominou a idéia de máquina-corpo. Desse ponto de vista, o organismo era como um dispositivo composto de diferentes partes e a doença era uma disfunção de uma dessas partes, funcional e estrutural.

“Se você não agir da maneira que pensa, acabará pensando da maneira que age. “- Blaise Pascal-

No entanto, graças aos avanços da tecnologia, foi possível verificar que a dimensão interna exerce forte influência, direta ou indireta, sobre o estado de saúde de todas as pessoas. Além disso, essa influência é ainda mais acentuada no estado de saúde percebido. É por esse motivo que se diz que os pensamentos – com sua influência – deixam as pessoas doentes e matam, mas também curam.

Medicina farmacológica e medicina de pensamentos

Bruce Lipton é Doutor em Biologia Celular e autor de vários livros. Ele entrou profundamente no tema da saúde, doença e influência dos pensamentos nesses processos. Suas descobertas e raciocínio são realmente interessantes.

Lipton indica que a medicina farmacológica é praticamente um fracasso. Isso se deve ao fato de que todos os medicamentos químicos produzem efeitos iguais ou até piores que a própria doença. Ele ainda afirma que muitas dessas drogas, a longo prazo, levam à morte.

Ele também afirmou que o ambiente natural da célula é sangue e que, por sua vez, as alterações no sangue são determinadas pelo sistema nervoso. Ao mesmo tempo, o sistema nervoso é o ambiente natural para pensamentos e sentimentos. Portanto, do ponto de vista de Lipton, são os pensamentos e sentimentos que deixam você doente por último e, portanto, também têm a oportunidade de ajudar na cura.

O poder dos pensamentos sobre o corpo

Bruce Lipton não está sozinho em dar enorme poder aos pensamentos no processo de doença e cura. Existem muitos outros pesquisadores, e mesmo os médicos mais experientes em farmácias sabem que se alguém tem algum tipo de doença, é mais provável que se cure se permanecer em um ambiente envolvido, cercado de carinho e confiança .

Não é uma coisa esotérica, nem um efeito do além. Explicar o poder dos pensamentos também é uma questão de química. Quando uma pessoa se depara com uma presença agradável ou se beneficia de um estímulo positivo, seu cérebro secreta dopamina , ocitocina e uma série de substâncias que proporcionam uma boa saúde às células. O mesmo acontece quando o estímulo é negativo, causando medo, raiva ou qualquer outra emoção destrutiva.

O corpo desenvolve uma tarefa titânica todos os dias: produzindo centenas de bilhões de novas células para substituir as que morrem. Também deve se defender dos milhares de elementos patogênicos que ameaçam a saúde. Se seu corpo sentir que precisa combater todos os dias estímulos ambientais extremamente negativos, ele investirá toda sua energia e deixará de lado as outras funções de crescimento e proteção. A conseqüência é que você fica doente mais rápido.

Entre sugestão e energia

O efeito placebo foi estudado em diferentes circunstâncias e os resultados mostram sua influência na percepção do corpo. De fato, muitos dos medicamentos no mercado têm efeitos ligeiramente melhores do que um placebo. Esses placebos são uma prova irrefutável de que a influência dos pensamentos – no caso do efeito placebo: expectativas – pode ser muito poderosa: você acredita que eles irão tratá-lo e a intensidade dos sintomas diminui.

A física quântica destacou a importância da energia , que é a melhor composição da matéria. Tudo é, e somos todos, em nossa forma física mais primitiva, energia. É por isso que os novos medicamentos são mais orientados para o equilíbrio energético do que para a modificação química do corpo. Eles assumem que os processos da doença estão ligados devido a desequilíbrios energéticos.

Esses desequilíbrios, muitas vezes, são causados ​​pela programação de pensamentos negativos, que carregamos em nós desde a infância. Você pode estar conscientemente convencido de que precisa pensar de maneira diferente e, no entanto, algo profundo impede você de fazê-lo. Portanto, não são os pensamentos conscientes que precisam ser mudados, mas toda essa programação inconsciente que temos conosco desde nossos primeiros anos. É a maneira de promover mudanças que promove a saúde mental e, portanto, a saúde física.

Nota da edição: com este artigo, não queremos de forma alguma diminuir a importância da farmacologia ao enfrentar doenças tão devastadoras quanto o câncer. De fato, podemos dizer que atualmente é essencial. O que queremos enfatizar é que a saúde mental e o bem-estar psicológico são dois elementos de influência no tratamento que o paciente pode modular para melhorar ou piorar seu prognóstico.

Adaptado de Adaptado de Nos Pensées – Créditos da imagem: Marcel Caram

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.