O início da aviação elétrica está chegando, mas vai demorar muitos mais anos antes que o ambientalista médio possa voar sem culpa em um jato de longo curso totalmente elétrico.

Enquanto isso, cientistas estão tentando tornar os aviões comerciais que já temos mais sustentáveis, e uma das melhores maneiras de fazer isso é trocando o combustível que eles consomem.

Em vez de cuspir dióxido de carbono (CO 2 ) na atmosfera, pesquisadores da Universidade de Oxford e da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, descobriram uma maneira de os aviões capturarem esse gás do ar e queimá-lo como combustível.

Em vez de criar uma nova frota de aviões elétricos, o que exigiria grandes saltos na tecnologia de armazenamento de bateria, esta nova abordagem permitiria ao mundo reduzir sua pegada de carbono de voar muito mais cedo. Ou seja, se provar que funciona em uma escala maior.

No laboratório, os pesquisadores foram capazes de capturar e converter CO 2 gasoso diretamente em combustível de aviação usando um catalisador barato à base de ferro.

A quantidade de combustível líquido produzida ainda é muito pequena para alimentar um avião real, mas se os combustíveis fósseis puderem ser capturados do ar em um volume alto o suficiente, convertidos em energia com eficiência grande o suficiente e então reemitidos, um avião poderia teoricamente voar neutro em carbono.

“Este processo catalítico fornece uma rota atraente não apenas para mitigar as emissões de dióxido de carbono, mas também para produzir combustível para aviação renovável e sustentável”, escrevem os autores .

“A reciclagem de dióxido de carbono como fonte de carbono para combustíveis e produtos químicos de alto valor oferece um potencial considerável para as indústrias de aviação e petroquímica.”

Normalmente, quando os combustíveis fósseis queimam, os hidrocarbonetos que eles contêm são transformados em dióxido de carbono e água, liberando energia. O novo sistema basicamente reverte esse processo natural.

Ao adicionar calor ao sistema, os engenheiros conseguiram combinar dióxido de carbono com hidrogênio, separado da água, para produzir alguns gramas de combustível líquido que, segundo os autores, poderiam funcionar em um motor a jato.

O catalisador responsável por essa impressionante reação química é composto por ferro, manganês e potássio, elementos abundantes da Terra, mais fáceis e baratos de preparar do que muitos candidatos semelhantes. O catalisador também se combina facilmente com o hidrogênio e mostra alta seletividade para uma variedade de hidrocarbonetos de combustível de aviação.

O resultado é um pouco de combustível, além de vários petroquímicos que só podem ser obtidos a partir de combustíveis fósseis.

O novo sistema não é o primeiro, nem será o último a converter nossas emissões de carbono em biocombustível desejável. No Canadá, os cientistas têm desenvolvido um enorme complexo industrial para capturar CO 2 como as árvores de uma floresta o fariam, usando-o para formar combustível de hidrocarboneto.

Mas embora alguns estudos tenham mostrado que é possível converter o CO 2 atmosférico em combustível líquido , é extremamente desafiador e caro produzir mais do que uma pequena quantidade.

O novo sistema parece promissor, mas se é prático ou não é outra questão.

“Isso parece diferente e pode funcionar”, disse à Wired Joshua Heyne, um engenheiro independente que não esteve envolvido no estudo .

“O aumento de escala é sempre um problema, e há novas surpresas quando você vai para escalas maiores. Mas em termos de uma solução de longo prazo, a ideia de uma economia circular de carbono é definitivamente algo que pode ser o futuro”.

Alguns, como Heyne, estão esperançosos, enquanto outros veem ‘voar no ar’ como mero exagero . No ano passado, quando uma empresa na Europa anunciou que estava trabalhando em uma maneira de capturar CO 2 do ar para alimentar futuros aviões, os críticos apontaram que o combustível produzido a cada dia permitiria apenas cinco minutos de vôo.

Produções tão pequenas não são uma solução para a crise climática, e alguns ambientalistas argumentam que nossa única opção viável é voar menos. Principalmente porque a realidade de uma economia circular de carbono ainda está longe e a crise das mudanças climáticas já está sobre nós.

No final, tudo depende da rapidez com que podemos expandir essa tecnologia promissora e, na verdade, isso pode não acontecer com a rapidez necessária.

Os engenheiros querem, em última instância, conectar seu novo sistema a emissores de carbono estabelecidos, como usinas de energia a carvão, e isso, é claro, exigiria a produção contínua de combustível fóssil. Também é muito caro e pode não ser atraente para as empresas, mesmo que funcione.

Ainda assim, com a mudança climática se acelerando e a aviação apenas aumentando nos próximos anos, a equipe de engenheiros argumenta que a conversão e utilização de CO 2 como “uma parte integrante e importante do controle de gases de efeito estufa e do desenvolvimento sustentável”.

Outros biocombustíveis sustentáveis ​​que dependem de plantas requerem vastas áreas de cultivo e não resolvem nossas emissões ao mesmo tempo.

“Esta, então, é a visão para a rota para alcançar emissões líquidas de carbono zero da aviação”, concluem eles , “um fulcro de um futuro setor de aviação global de carbono zero”.

Veremos.

O estudo foi publicado na Nature Communications / Créditos da imagem: Pixabay

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.