Artigo de Jennifer Delgado Suárez – Rincón de la Psicología

A mente intuitiva é um dom sagrado e a mente racional é um servo fiel. Criamos uma sociedade que honra o servo e esquece o presente “. Essas são as palavras de Albert Einstein, que conhecia perfeitamente o poder e a importância da intuição. Infelizmente, a intuição foi praticamente relegada a um nível esotérico, sacrificado no altar da racionalidade. No entanto, somos todos pessoas intuitivas, apenas alguns aprenderam a prestar atenção às mensagens de sua intuição, enquanto outros os ignoram.

O que é intuição?

Antonio Damásio, médico e neurologista, explica o que é a intuição por meio de sua teoria dos marcadores somáticos. Na prática, a intuição seria um mecanismo de pré-seleção que ocorre abaixo do nosso limiar de consciência e é responsável por examinar todas as opções, decidindo quais são os possíveis caminhos entre os quais podemos escolher conscientemente.

A intuição é um procedimento que nos permite inconscientemente valorizar e descartar alternativas, fundamentalmente baseadas em nossas experiências passadas e em nossas emoções. É por isso que é expresso principalmente através de sensações corporais, algumas pessoas indicam que o sentem no estômago ou no peito. Essa é também a razão pela qual estamos inclinados a uma opção e não a outra, mas não somos capazes de explicar a razão, é apenas um sentimento ou um palpite.

O que diferencia as pessoas intuitivas?

1 – Elas ouvem sua voz interior. Pessoas intuitivas têm uma conexão especial com seu inconsciente, de modo que são capazes de ouvir a voz interior que os outros ignoram. Ao prestar atenção a esses palpites ou intuições, elas têm “afinado” cada vez mais esse canal de comunicação, para que possam decifrar melhor as mensagens que sua intuição lhes envia.

2 – Elas passam tempo na solidão. Pessoas intuitivas geralmente valorizam a solidão e aproveitam o tempo que gastam consigo mesmas. Durante esses momentos, aproveitam a oportunidade para se conectar com as emoções e realizar um exercício profundo de introspecção ou simplesmente acalmar a mente, essencial para que a intuição se manifeste.

3 – Elas escutam seu corpo. As pessoas intuitivas têm uma conexão especial com o corpo, de modo que são capazes de captar os sinais que a intuição envia através de sensações como um “nó na garganta”, “borboletas no estômago” ou qualquer outra sensação física que lhe envie esse segundo cérebro. Essas pessoas sentem que algo está errado em seu corpo, têm reações viscerais que sabem interpretar e usar a seu favor ao tomar decisões.

4 – Elas são excelentes observadoras. Pessoas intuitivas são geralmente muito atentas, prestam atenção aos detalhes que outras pessoas não percebem. De fato, uma das armas secretas da intuição é precisamente a capacidade de capturar muitos detalhes, compreendê-los e prever o que pode acontecer. Dessa maneira, elas também descobrem padrões ou coincidências que outros não percebem, mas que mais tarde se tornam a base para tomar outras decisões em suas vidas.

5 – Elas prestam atenção aos seus sonhos. Os sonhos são o canal de comunicação favorito do inconsciente. Em muitas ocasiões, a mente inconsciente escolhe as fantasias dos sonhos para nos enviar uma mensagem que pode nos ajudar a tomar melhores decisões. Pessoas intuitivas prestam atenção ao conteúdo de seus sonhos e tentam descobrir. Obviamente, nem todos os sonhos são mensagens do inconsciente, pessoas intuitivas também são capazes de diferenciá-los.

6 – Elas se conectam emocionalmente com o outro. A empatia é uma das armas secretas da intuição. Pessoas intuitivas são capazes de se conectar com outras pessoas em um nível superior, permitindo-lhes ajudá-las ou perceber que estão passando por um momento ruim.

7 – Elas deixam de lado as emoções “negativas”. Apesar do fato de que a intuição pode gerar sensações desagradáveis, pessoas intuitivas são capazes de gerenciá-las e não permanecem bloqueadas nelas. De fato, elas sabem que emoções como frustração, raiva ou ressentimento obscurecem a intuição. Isso significa que geralmente elas estão muito conscientes de suas emoções e sabem como gerenciá-las com sabedoria.

8 – Elas sabem como fluir. Pessoas intuitivas desenvolvem grande confiança, o que as ajuda a enfrentar as adversidades com uma atitude mais relaxada.
Elas confiam não apenas em suas habilidades para enfrentar obstáculos, mas também em sua vida. Essas pessoas sabem que tudo chega e tudo passa, então aprendem a fluir sem dificuldade, não se apegam a situações, nem positivas nem negativas. Essa sabedoria lhes dá grande tranquilidade e serenidade diante dos contratempos.

9 – Elas mostram grande flexibilidade cognitiva. Pessoas intuitivas não têm um pensamento rígido, são capazes de mudar de ideia rapidamente quando têm um palpite. Isso significa que elas nem se apegam às suas decisões, especialmente quando sentem que estão seguindo o caminho errado. Essa flexibilidade cognitiva lhes permite corrigir o plano e obter melhores resultados.

10 – Elas procuram as respostas lá dentro. Pessoas intuitivas não se isolam do mundo, levam em consideração as circunstâncias e sabem quando o vento sopra a seu favor e quando é contra, mas sempre têm a tendência de procurar dentro de si mesmas para encontrar as respostas. Isso significa que, ao tomar decisões, elas levam em consideração suas expectativas, esperanças e necessidades. Assim, eles alcançam um equilíbrio que lhes permite tomar as melhores decisões.

3 problemas que as pessoas intuitivas enfrentam

Desenvolver muito a intuição também pode ter seus “efeitos adversos”, especialmente em um mundo onde a lógica é superestimada e as emoções são ignoradas.

1 – Não podendo explicar por que elas tomaram uma decisão importante. Pessoas intuitivas geralmente não conseguem explicar racionalmente por que tomaram uma decisão que não faz sentido para os outros. Em muitos casos, a ausência de argumentos lógicos pode levar a discussões e problemas, especialmente quando outras pessoas não as entendem.

2 – Prever finais desastrosos que ninguém mais imagina. Pessoas intuitivas podem prever finais desastrosos, seja em um relacionamento ou em um negócio. Muitas vezes, essa certeza é difícil de suportar, pois nem sempre podem compartilhá-la com outras pessoas ou não prestam atenção a elas. O fato de capturar pequenos detalhes que outros não percebem lhes dá essa habilidade especial, que nem sempre é bem-vinda.

3 – Captar os pensamentos e emoções negativos dos outros. Pessoas intuitivas não leem mentes, mas esse sexto sentido geralmente lhes permite captar pequenos sinais extra-verbais que as ajudam a formar uma idéia do que as outras pessoas estão sentindo ou pensando. Às vezes, perceber que outras pessoas estão fingindo sem poder revelar isso pode ser extremamente frustrante ou irritante.

É conveniente tomar decisões, deixando-se intuir?

“Quando tomamos pequenas decisões, é sempre vantajoso analisar os prós e os contras. No entanto, em questões vitais, como a escolha de um parceiro ou profissão, a decisão deve vir do inconsciente, de um local oculto dentro de nós. Nas decisões realmente importantes da vida, devemos deixar que as necessidades profundas de nossa natureza governem.”

Essas foram as palavras de Sigmund Freud, que se referia àquele sentimento de certo ou errado, de prazer ou rejeição visceral, que sentimos profundamente dentro de nós e que às vezes ignoramos ouvir apenas a razão.

Em Psicologia, existe o que é conhecido como Inteligência Intuitiva , que seria nossa capacidade de resolver problemas, deixando-nos guiar pela intuição. De fato, em uma série de estudos realizados com enfermeiros, médicos e empresários com muitos anos de experiência, verificou-se que sua primeira intuição quase nunca falhava.

Obviamente, a intuição não é um mecanismo infalível, mas pode ser muito útil quando precisamos tomar decisões em uma situação em que não temos muita informação ou é muito caótica. De qualquer forma, é sempre bom saber o que você tem a dizer antes de decidir sobre uma ou outra opção. Portanto, o mais conveniente é aprender a ouvi-lo.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.