Traduzido do site La Mente è Maravigliosa

Pessoas muito inteligentes nem sempre são as que tomam as melhores
decisões. Um alto coeficiente intelectual não garante sucesso ou certeza de
felicidade . Em muitos casos, essas pessoas ficam presas no emaranhado de
suas preocupações, no abismo da ansiedade existencial, naquele desconforto
que consome reservas de otimismo.

Há uma tendência geral de ver os gênios da arte, da matemática ou da ciência
como criaturas taciturnas, pessoas de algum modo particular e muito ligadas
às suas peculiaridades. Entre essas pessoas são Hemingway, Emily
Dickinson, Virginia Woolf, Edgar Allan Poe, ou mesmo a mesma Amadeus
Mozart … Todas as mentes brilhantes, criativas e excepcional que trouxram sua
angústia para a beira do precipício que prenunciava a tragédia.

“A inteligência de um indivíduo é medida pela quantidade de incerteza que ele
é capaz de suportar”

-Immanuel Kant-

Mas o que é verdade em tudo isso? Existe uma relação direta entre um QI alto
e depressão? Em primeiro lugar, é necessário salientar que uma inteligência
elevada não contribui para o desenvolvimento de qualquer tipo de transtorno
mental .

Há, no entanto, um risco e uma predisposição para a preocupação excessiva ,
a autocrítica, para ter uma percepção muito falsa do mundo tendendo à
negatividade . Todos os fatores que em muitos casos criam as condições
necessárias para dar origem a um quadro depressivo. Claramente há
exceções, isso deve ser dito. Em nossa sociedade, temos pessoas brilhantes
que sabem aproveitar ao máximo seu potencial, investindo não apenas em sua
qualidade de vida, mas também em sua própria sociedade.

No entanto, existem numerosos estudos, análises e publicações que revelam
essa tendência singular. Especialmente em pessoas que têm um QI acima de
170.

A personalidade das pessoas mais inteligentes

“O cérebro criativo” é um livro muito útil para entender como a mente e o
cérebro das pessoas mais inteligentes e criativas trabalham. Nele, o
neurocientista Nancy Andreasen desempenha uma análise meticulosa o que
mostra que há uma tendência bastante significativa dos gênios de nossa
sociedade para desenvolver várias doenças: em particular, distúrbios
bipolares, depressão, ataques de ansiedade, ataques de pânico.

O próprio Aristóteles, em seu tempo, já sustentava que a inteligência anda de
mãos dadas com a melancolia. Genes como Sir Isaac Newton, Arthur
Schopenhauer ou Charles Darwin experimentaram períodos de neurose e
psicose. Virginia Woolf, Ernest Hemingway e Vincent Van Gogh acabaram
fazendo o último ato de tirar suas próprias vidas.

São pessoas famosas, mas em nossa sociedade sempre existiram gênios
silenciosos, incompreendidos e solitários que viveram em seu universo
pessoal, profundamente desconectados de uma realidade que para eles era
muito caótica, sem sentido e decepcionante.

Estudos sobre pessoas muito inteligentes

Sigmund Freud, juntamente com sua filha Anna Freud, estudou o
desenvolvimento de um grupo de crianças com QI acima de 130. Este estudo
revelou que quase 60% das crianças acabaram desenvolvendo um maior
transtorno depressivo.

Os estudos de Lewis Terman, pioneiro da psicologia educacional no início do
século 20, também são bem conhecidos. Nos anos 60, um longo estudo
começou em crianças com altas habilidades que tinham um QI maior que 170,
que participaram de um dos mais famosos experimentos da história da
psicologia. Essas crianças foram chamadas de “terminiti” e foi apenas no início
dos anos 90 que foram tiradas conclusões importantes.

Inteligência: uma carga muito pesada

Os “terminitis”, a crianças de Lewis Terman que são adultos de idade
avançada hoje, confirmaram que a alta inteligência está ligada a uma menor
satisfação vital. Embora alguns deles tenham ganhado fama e uma posição de
destaque na sociedade, muitos tentaram cometer suicídio em mais de uma
ocasião ou caíram em vícios como o alcoolismo.

Outro aspecto significativo que emerge desse grupo de pessoas, que também
pode ser visto em pessoas com altas habilidades intelectuais, é que elas são
muito sensíveis aos problemas do mundo. Eles não se preocupam apenas com
a desigualdade, a fome ou a guerra. Pessoas muito inteligentes sentem-se
desagradáveis ao comportamento egoísta, irracional ou livre de lógica.

Lastro emocional e pontos cegos em pessoas muito inteligentes

Especialistas nos dizem que pessoas muito inteligentes às vezes sofrem com o
que poderia ser chamado de transtorno de personalidade dissociativa. Isso
significa que elas vêem suas vidas de fora, como um narrador que usa uma voz
de terceira pessoa para ver sua realidade com objetividade meticulosa, mas
sem se sentir totalmente envolvida nela.

Essa abordagem faz com que elas frequentemente tenham “pontos cegos”, um
conceito intimamente relacionado à Inteligência Emocional que Daniel
Goleman desenvolveu em um livro interessante com o mesmo título. Trata-se de
auto-engano, sérios erros em nossa percepção quando temos que escolher o
que focar e o que evitar para não assumir a responsabilidade por isso.

Assim, o que muitas pessoas inteligentes fazem é concentrar-se
exclusivamente na falta de seu ambiente, nesta humanidade desafinada, nesse
mundo estrangeiro e egoísta por natureza, no qual é impossível encaixá-lo. Elas
muitas vezes não têm as habilidades emocionais apropriadas para se
relativizar, para se encaixarem melhor, para encontrar a calma nessa floresta
externa e nessa disparidade que tanto os confunde.

Outra coisa que podemos indubitavelmente inferir sobre pessoas muito
inteligentes é que elas freqüentemente apresentam fortes deficiências no
campo emocional. Isso, por sua vez, nos leva a outra conclusão: ao realizar
testes psicométricos, outro fator deve ser adicionado ao QI sempre
superestimado.

Referimos-nos à “sabedoria”, este conhecimento vital para desenvolver uma
autêntica satisfação diária, para moldar um bom conceito de self, boa auto-
estima e todas aquelas habilidades adequadas para investir em coexistência e
construir uma felicidade real, simples mas tangível.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.