Há pessoas que querem estar certas sempre. Elas querem vencer a todo custo. E mesmo que você desmonte os argumentos delas um a um, elas não torcerão seu braço. É como se a vida estivesse nela. E de certa forma é assim porque construíram sua identidade em torno dessa necessidade convincente de estar certa e impor sua opinião aos outros.

A necessidade de estar certo esconde uma profunda insegurança

As pessoas que sempre querem ter razão geralmente adotam uma linguagem corporal tributária através da qual projetam uma imagem de segurança e superioridade. Também é comum que elas usem linguagem arrogante, na qual fecham todas as rotas de fuga, de modo que a única opinião válida seja a delas.

Esses tipos acham que dominam todos assuntos com maestria, e que, se eles não sabem determinada coisa, os outros tampouco devem saber.
Eles estão sempre prontos para explicar onde você errou. E mesmo se você for um especialista em um campo do conhecimento, eles saberão mais do que você e se farão de surdos às suas propostas e opiniões.

Nesse perfil, as pessoas que sempre querem ter razão se comportam como grandes narcisistas. São pessoas arrogantes que se sentem superiores. Elas têm uma percepção exagerada do seu “eu” alimentado por um ego excessivo.

No entanto, por trás do desejo de estar sempre certo, há algo muito mais profundo do que um ego excessivo.

Um estudo realizado na Universidade Villanova revelou que o ímpeto de grandeza, sem o componente de vulnerabilidade, não está relacionada ao desejo de impor opinião pessoal. De fato, embora os narcisistas sejam mais vulneráveis, aqueles com baixa autoestima, não sejam tão propensos a se gabar, eles precisam validar sua imagem por meio de estratégias defensivas.

Portanto, o desejo de estar certo não é apenas uma tática para impressionar os outros e demonstrar seu alegado conhecimento, inteligência e / ou experiência, mas é uma estratégia para se validar. As pessoas que querem estar certas realmente precisam se convencer do que valem a pena.

Essa tentativa de se impor aos outros advém do sentimento de fragilidade do “eu”, que se esforça para manter uma percepção de si mesmo como alguém excepcional. Ele responderia à necessidade de se impressionar e validar seu autoconceito.

Querer estar sempre certo emanaria, portanto, de um núcleo de vulnerabilidade do narcisismo, que se torna mais intenso e desadaptativo quanto mais adiante a vida da pessoa. É por isso que, mesmo que o mundo desmorone ao redor deles, seus argumentos percam peso e a evidência vá contra eles, eles continuarão afirmando que estão certos.

Como você lida com pessoas que sempre querem estar certas?

Quando você amadurece, percebe que ter paz é mais importante do que estar certo. Quando você está ciente de sua força e do que é capaz, não precisa demonstrar nada a ninguém, nem a si mesmo. Esse nível de autoconhecimento lhe dá perspectiva. Oferece a você a distância psicológica essencial para saber quais batalhas valem a pena lutar e quais são melhores para deixar de lado.

A maturidade também confere a sabedoria de entender que nem sempre podemos mudar as pessoas. Cada um deve seguir seu caminho. Aprenda com seus erros. Caia e levante-se. Essa jornada faz parte da jornada de sua vida e, mesmo que você tenha as melhores intenções, nem sempre é possível convencer uma pessoa obcecada por estar certa em se tornar alguém com uma mente aberta e um pensamento flexível.

Isso significa que, na grande maioria dos casos, você não precisa discutir com uma pessoa que sempre quer estar certa. Talvez você deva se perguntar quanto está interessado em dar sua opinião e que valor isso pode trazer. Nos casos mais extremos, você pode até se perguntar o quanto está interessado em manter um relacionamento com essa pessoa.

Claro, às vezes não há escolha a não ser aceitar o desafio, especialmente quando essa pessoa quer impor sua maneira de ver o mundo ou suas decisões absurdas e caprichosas podem acabar machucando você.

Nesse caso, em vez de declarar abertamente a guerra, a coisa mais inteligente a fazer é incentivá-lo a pensar. E você pode fazer isso através de perguntas que oferecem uma alternativa à linha de pensamento deles, como “Como você chegou a essa conclusão?” ou “Você já pensou em …?”

Felizmente, essas perguntas repensarão sua opinião e você pode considerar outra opção sem se sentir atacado demais para ficar na defensiva.

Adaptado de Rincon de la psicología / Créditos da imagem: Edu Lauton

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.