“Este é um dos problemas mais urgentes para o homem civilizado. Ele criou a civilização para se dar segurança. Segurança para quê? Por tédio? Seu principal problema parece ser que a maioria dos seres humanos precisa de uma certa quantidade de desafio, de estímulo externo, para impedi-los de mergulhar no olhar vazio e na consciência vazia do idiota. ”( Colin Wilson, New Pathways in Psychology )

Durante a maior parte da história da humanidade, o lazer era um luxo raro. Labutando do amanhecer ao anoitecer apenas para sobreviver era a sina de quase todos os homens, mulheres e crianças até algumas centenas de anos atrás.

O geólogo inglês Sir Charles Lyell escreveu que, na década de 1840, a América era um “país onde todos, ricos ou pobres, trabalhavam de manhã à noite, sem nunca se entregar a férias”. Com a Revolução Industrial no final do século 19 e a rápida intensificação da divisão do trabalho que a acompanhava, ocorreu uma “Revolução do Lazer”. Esse período de rápido desenvolvimento industrial não só levou muita gente das fazendas às grandes cidades em busca de trabalho, mas as horas regimentadas associadas ao trabalho industrial deixaram as massas – pela primeira vez na era moderna – com tempo livre programado para direcionar suas atividades. próprias atividades.

Bem mais de 100 anos se passaram desde essa revolução do lazer, e os frutos da civilização se tornaram mais abundantes, e o lazer, mais abundante. Talvez mais do que em qualquer ponto da história da civilização, hoje o indivíduo médio está livre da luta diária pela sobrevivência. Mas com essa nova liberdade, uma questão crucial confronta cada um de nós: para o que somos livres? Em outras palavras, como vamos usar o tempo que temos que não é dedicado às necessidades da vida?

Poucos contemplam essa questão. Em vez disso, assim como em muitas questões importantes sobre como viver, a maioria das pessoas afunda na conformidade e pressupõe implicitamente que seu tempo livre é melhor gasto descansando, relaxando e consumindo passivamente. E como resultado, tais vidas assumem um molde comum e seguem um curso análogo ao descrito pelo filósofo do século 20, Richard Taylor.

“A maioria das pessoas é, no sentido mais comum, muito limitada. Elas passam o tempo, dia após dia, em atividades ociosas e passivas, apenas olhando para as coisas – em jogos, televisão, qualquer coisa. Ou preenchem as horas conversando, principalmente sobre nada de significante – de idas e vindas, de quem está fazendo o que, do tempo, das coisas esquecidas quase tão logo são mencionadas. Elas não têm aspirações para si mesmas além de passarem outro dia fazendo mais ou menos o que fizeram ontem. Elas atravessam o estágio da vida, deixando tudo como estava quando entraram, não conseguindo nada, aspirando a nada, nunca tendo um pensamento profundo ou mesmo original … Isso é o que é comum, usual, típico, de fato normal. Relativamente poucos se elevam acima de uma existência tão árdua. ”(Richard Taylor, Restoring Pride)

Alguns podem argumentar que não há nada de errado com este tipo de existência “normal”. A vida moderna pode ser alta e estressante, e com problemas de saúde mental em ascensão, talvez o que seja necessário seja mais tempo gasto descansando e relaxando. O prolífico escritor inglês do século XX, Colin Wilson, no entanto, discordou desse sentimento. Demasiada inatividade, em vez de promover a saúde mental, tende a gerar infelicidade e uma infinidade de problemas psicológicos.

chegou a essa conclusão no começo de sua vida. Em sua autobiografia “Sonhando com algum propósito”, ele observa que, na adolescência, lutava com crises de depressão e simpatizava com a “sabedoria” contida no livro de Eclesiastes: “Vaidade das vaidades, tudo é vaidade”. Wilson, no entanto, tinha uma mente astuta e estava decidido a descobrir por que ele sempre se sentia tão sombrio. Ele começou a observar que suas crises de depressão eram tipicamente precedidas por períodos prolongados de passividade. Quando ele não ocupava seus dias com tarefas interessantes, desafios e problemas para resolver, ele descobriu que o humor depressivo logo o inundaria, embaçaria suas percepções e faria com que ele se tornasse um pessimista da condição humana. A mente ociosa é a oficina do diabo. Ou como Wilson escreve:

“Tédio, passividade, estagnação: estes são o começo da doença mental, que se propaga como a espuma em um lago estagnado.” (Colin Wilson, New Pathways in Psychology)

Se a descoberta de Wilson da conexão entre passividade e doença mental tiver mérito, então nos confrontaremos com as seguintes opções. Podemos desperdiçar nosso lazer em atividades ociosas, deixar intocados nossos potenciais inexplorados e nos tornar propensos a doenças mentais. Ou podemos nos esforçar para passar a maior parte do nosso tempo livre criando, explorando, aprendendo, fazendo – desafiando nossas capacidades e aprimorando nossos talentos. Enquanto a última opção envolve perseverança, luta e o sacrifício de prazeres e conforto de curto prazo, vale a pena o pagamento – saúde mental e crescimento pessoal -.

“O indivíduo mentalmente saudável”, escreve Wilson. “É ele quem habitualmente pede níveis razoavelmente profundos de reservas vitais. Um indivíduo cuja mente pode ficar adormecida – de modo que apenas a superfície é perturbada – começa a sofrer de “problemas de circulação”. Neurose é a sensação de estar separado de seus próprios poderes. ”(Colin Wilson, New Pathways in Psychology)

Mas e se a descoberta de Wilson da conexão entre passividade e depressão não for aplicável a todos, mas apenas a uma minoria que, como Wilson, possui um desejo criativo extraordinariamente forte? Talvez para algumas pessoas a passividade não gere o sofrimento que causou a Wilson. Isso significaria que a luta para gastar nosso tempo livre envolvido em atividades criativas é um desperdício de tempo e energia?

Em seu livro Restoring Pride, Richard Taylor fornece um argumento convincente sobre por que a luta para produzir e criar vale sempre o esforço, pois, como ele explica, aumenta nossas possibilidades de sermos capazes de alcançar o raro estado de orgulho. Taylor define o orgulho como “o amor justificado de si mesmo” e observa que, embora muitas pessoas afirmem amar a si mesmas, na maioria das vezes, seu “amor próprio” não é orgulho, mas narcisismo ou um escudo arrogante para proteger sua insegurança e autopercepção subjacentes. ódio. Para ser verdadeiramente orgulhoso, Taylor explica, é preciso “ter o tipo de amor que é justificado pelo tipo de pessoa que você é.” (Richard Taylor, Restoring Pride) Ou seja, você deve cultivar uma habilidade extraordinária em um domínio específico e assim alcançar excelência pessoal do tipo que o diferencia dos outros.

A ideia de que algumas pessoas são superiores a outras ofende o gosto moderno, pois, como aponta Taylor, muitos confundem direitos iguais com igual valor. Só porque todo indivíduo tem direitos naturais e deve ser tratado igualmente perante a lei, isso não significa que cada indivíduo possua o mesmo valor. Para os gregos antigos isso era evidente. Eles reconheciam que, embora a maioria dedique sua vida a adaptar-se ao rebanho, um parente menor cultiva uma virtude ou habilidade incomum, produz uma obra de valor excepcional ou segue um caminho na busca da grandeza pessoal, independentemente dos aplausos ou opiniões de outros. E, como Taylor observa, são esses últimos indivíduos – os superiores – que só podem se amar de uma maneira que não se baseia em falsos pretextos.

Portanto, na próxima vez em que nos encontrarmos com o lazer e a liberdade de dirigir nossas próprias atividades, em vez de buscar o controle remoto, engajar-nos em atividades passivas na internet ou socializar sobre assuntos superficiais, devemos nos perguntar se o conforto e o prazer que estas atividades fornecem vale a pena o custo. Pois mesmo que a nossa passividade não plante dentro de nós as sementes do pessimismo e da depressão, então certamente está diminuindo o nosso valor como ser humano, e minimizando as nossas chances de sermos capazes de alcançar o amor próprio que acompanha o orgulho genuíno. Ou como Taylor explica:

“Algumas pessoas, sem dúvida, nascem e destinam-se a ser comuns, a viver suas vidas sem nenhum propósito significativo, mas isso é relativamente raro … A maioria das pessoas tem o poder de ser criativas, e algumas têm um poder divino. como grau … Mas muitas pessoas – talvez até mesmo a maioria – estão contentes com os prazeres e satisfações passageiras do lado animal de nossa natureza.

De fato, muitas pessoas irão contabilizar suas vidas para serem bem-sucedidas se passarem por elas apenas com o mínimo de dor, com agradáveis ​​divergências de momento a momento e do dia-a-dia, e a aprovação geral das pessoas ao seu redor. E isto, apesar de muitas vezes possuírem dentro de si a capacidade de fazer algo que talvez nenhum outro ser humano jamais tenha feito. Simplesmente fazer o que os outros fizeram é muitas vezes seguro e confortável; mas fazer algo verdadeiramente original, e fazê-lo bem, quer seja apreciado pelos outros ou não – é disso que ser humano realmente é, e é só o que justifica o amor-próprio que é o orgulho. ”(Richard Taylor, Restaurando o orgulho)

 

Esse artigo foi transcrito e traduzido a partir do vídeo (Em Inglês) Why Passivity Breeds Mediocrity and Mental Illness

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.