Sabemos que os gostos musicais começam a se cristalizar aos 13 ou 14 anos. Quando chegamos aos 20 anos, esses gostos ficam presos no lugar com bastante firmeza.

De fato, estudos descobriram que, quando completamos 33 anos , a maioria de nós parou de ouvir novas músicas. Enquanto isso, as músicas populares lançadas quando você está no início da adolescência provavelmente permanecerão bastante populares entre a sua faixa etária pelo resto da vida.

Poderia haver uma explicação biológica para isso. Há evidências de que a capacidade do cérebro de fazer distinções sutis entre diferentes acordes, ritmos e melodias piora com a idade. Portanto, para as pessoas mais velhas, as músicas mais novas e menos familiares podem “soar iguais”.

Mas acredito que existem algumas razões mais simples para a aversão das pessoas mais velhas à música mais nova. Uma das leis mais pesquisadas da psicologia social é algo chamado “mero efeito de exposição”. Em poucas palavras, significa que quanto mais estamos expostos a algo, mais tendemos a gostar.

sso acontece com pessoas que conhecemos, os anúncios que vemos e, sim, as músicas que ouvimos.

Quando você é adolescente, provavelmente passa bastante tempo ouvindo música ou assistindo a vídeos musicais. Suas músicas e artistas favoritos tornam-se familiares, confortando partes de sua rotina.

Para muitas pessoas com mais de 30 anos, as obrigações de trabalho e família aumentam, então há menos tempo para descobrir novas músicas. Em vez disso, muitos simplesmente ouvirão favoritos antigos e familiares daquele período de suas vidas, quando tiverem mais tempo livre.

Claro, aqueles anos da adolescência não eram necessariamente despreocupados. Eles são famosos por serem confusos, e é por isso que tantos programas de TV e filmes giram em torno da turbulência do ensino médio.

Pesquisas em psicologia mostraram que as emoções que experimentamos na adolescência parecem mais intensas do que aquelas que surgem mais tarde. Também sabemos que emoções intensas estão associadas a memórias e preferências mais fortes. Tudo isso pode explicar por que as músicas que ouvimos durante esse período se tornam tão memoráveis ​​e amadas.

Portanto, não há nada de errado com seus pais porque eles não gostam da sua música. De certa forma, tudo faz parte da ordem natural das coisas.


Fonte: The Conversation

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.