Todas as espécies de animais que vivem em grupo têm a capacidade de serem sensíveis à dor ou sofrimento de seus pares. A solidariedade faz parte de seu código genético porque, na maioria dos casos, é uma garantia para a sobrevivência da espécie. Como é que algumas pessoas são insensíveis à dor dos outros? Como eles se mantém insensiveis emocionalmente ao que acontece ao seu redor? O que faz alguém insensível?

Existem várias respostas possíveis para essas perguntas. As causas por trás da insensibilidade vão desde a existência de patologias graves até um estado de extrema vulnerabilidade. Há também caminhos suficientes que levam à insensibilidade, e estes incluem muitas manifestações diferentes.

Em geral, a insensibilidade não significa nada. Ou seja, a menos que haja uma doença mental muito limitante, as pessoas não são completamente insensíveis. O grau varia, assim como o objetivo e as circunstâncias. Em outras palavras, pode acontecer que alguém seja completamente insensível ao sofrimento de alguns. Mas, ao mesmo tempo, em determinado momento, ele pode ser muito sensível à dor dos outros. No entanto, a situação poderia reverter.

Causas e manifestações de insensibilidade

Se você mora em uma rua movimentada, é provável que você ouça barulho constante. A menos que você viva em uma casa muito isolada. E se você não está acostumado, qualquer um desses sons pode incomodá-lo um pouco. Depois de um tempo, exatamente o oposto pode acontecer. Na verdade, você não percebe mais os sons. Na verdade, você pode até ficar um pouco em pânico quando há um completo silêncio. Em suma, você se torna insensível ao ruído.

Algo semelhante, mas não exatamente o mesmo, acontece no mundo das emoções. Pessoas que sofreram muito sofrimento emocional geralmente são mais empáticas e sensíveis à dor dos outros. Mas o efeito oposto pode ocorrer. Especialmente se a dor excedeu certos limites ou se ocorreu no contexto de extrema vulnerabilidade. Essas pessoas se tornam insensíveis.

O mais preocupante é que o fenômeno oposto também pode ocorrer. Isso significa que as pessoas que sofreram pouco ou nenhum sofrimento também podem se tornar insensíveis. Eles não podem atribuir significado emocional ou valor ao sofrimento dos outros. Sua habilidade empática não se desenvolveu e eles mostram um tipo de ignorância afetiva. Essa ignorância impede que demonstrem solidariedade em relação ao sofrimento ou alegria dos outros. Porque a insensibilidade produzida não afeta apenas a resposta às emoções negativas.

Uma pessoa que é insensível ao sofrimento dos outros pode expressar sua insensibilidade de maneiras diferentes. Isso não significa apenas que alguém permaneça indiferente ao estado de emergência de outra pessoa ou a seu pedido de ajuda. Também inclui qualquer comportamento em que outra pessoa é abordada como um organismo, ferramenta ou ferramenta sem ser uma meta ao mesmo tempo.

Quando você é sensível e insensível ao mesmo tempo

As vezes pode ser comum  que uma pessoa seja sensível e insensível ao mesmo tempo. Também acontece frequentemente que as fases de insensibilidade ocorram em pessoas que geralmente são empáticas e sensíveis. Deve haver muitos fatores juntos para que isso aconteça. Se alguém experimenta um grande pesar, esse alguém provavelmente não terá muita energia emocional. Nesse momento, ele não será capaz de dar aos outros ou ter empatia com o sofrimento de seus pares.

Algumas pessoas têm medo de dores emocionais. Sem estar ciente disso, elas desenvolvem estratégias, mecanismos ou maneiras de se tornar insensíveis. Isso acontece, por exemplo, no caso dos vícios.

O consumo de drogas psicoativas aumenta a parede de insensibilidade ao sofrimento dos outros. É como uma bolha que serve como isolante. Construir e nutrir um caráter muito rígido também é uma estratégia para se tornar insensível. Na verdade, é uma maneira de ter controle rigoroso sobre suas emoções, de modo que a energia do indivíduo as mantenha dentro dos limites.

Ser sensível a um é sensível a todos
Erich Fromm confirmou que o amor e a solidariedade, se são reais, também são universais. Ele disse que se você ama uma pessoa, também ama toda a humanidade. Como analogia derivada dessa hipótese, você poderia dizer que uma coisa é impossível. Você não pode ser sensível ao sofrimento de uma pessoa sem ser sensível ao sofrimento de todos ao mesmo tempo. Geralmente acontece desta maneira, embora em tamanhos diferentes.

Não receber sensibilidade pode ter muita influência sobre nós. Mas ainda assim, a pessoa em quem isso terá mais influência é a pessoa que é insensível. A tendência instintiva para a solidariedade não é um capricho da natureza. Existe informação em nosso código genético que serve como garantia de sobrevivência. Ajudar e ser ajudado é uma das muitas estratégias usadas pela vida – e portanto por nós – para nos sustentarmos.

 

Originalmente publicado em Verken je Geest

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.

COMENTÁRIOS