“O homem surdo à voz da poesia é um bárbaro”, escreveu Goethe. Vivemos em uma sociedade que supostamente se afastou da barbárie, mas lemos cada vez menos poesia. A mudança em nossos valores e prioridades explica essa suposta contradição: ficamos mais informados, mas gostamos de ler menos como um prazer em si mesmo. Compreendemos as palavras, mas seus significados mais ocultos nos escapam.

Na verdade, a poesia é alimento para a alma. Desperte emoções. Brinque com palavras e significados. Siga suas próprias regras. Livremente. Ele aprisiona a razão. Ela foge dos significantes estreitos. Abra novos horizontes. Reivindique atenção plena. Incentive o fluxo.

Talvez seja precisamente por tudo isso que lemos cada vez menos poesia. Na verdade, o filósofo Byung-Chul Han acredita que estamos desenvolvendo uma certa fobia da poesia como sociedade porque não somos mais receptivos àquele maravilhoso caos literário com o qual precisamos nos conectar em um nível emocional e estético.

Usamos uma linguagem pragmática despojada de seu caráter lúdico

Han pensa que nos últimos tempos empobrecemos o papel da linguagem, relegando-a a um mero transmissor de informações e produtor de significados. Com a correria do dia a dia, a linguagem tornou-se um instrumento eminentemente prático, despindo-a de seus significantes. Obviamente, “a linguagem como meio de informação tende a faltar esplendor, não seduz “, como aponta Han.

Na sociedade moderna não temos tempo de parar para saborear um poema que brinca com a linguagem e estimula a imaginação além do prático. Imbuídos da correria diária, ” nos tornamos incapazes de perceber as formas que brilham por si mesmas “, de acordo com Han.

Na verdade, “ nos poemas você gosta da sua própria linguagem. A linguagem trabalhadora e informativa, por outro lado, não pode ser desfrutada […] Em vez disso, a linguagem brinca nos poemas. O princípio poético restaura sua alegria à linguagem rompendo radicalmente com a economia da produção de sentido. O poético não produz ”e numa sociedade obcecada por produção, resultados e objetivos, não há espaço para se demorar no que o fim em si é o prazer.

“A poesia se faz sentir e se caracteriza pelo que chama de superabundância e significantes […]“ O excesso, superabundância de significantes, é o que faz a linguagem parecer mágica, poética e sedutora. Essa é a magia da poesia ”. Em vez disso, “ a cultura da informação perde essa magia […] Vivemos em uma cultura de sentido que rejeita o significante, a forma, como superficial. É hostil à alegria e à forma ” , explica Han.

Ao contrário do significado, que é o mais essencial, os significantes referem-se às formas e ao simbólico. O significado refere-se ao conteúdo, ao conceito ou à ideia, enquanto o significante é a sua expressão, a forma como esse conteúdo, conceito ou ideia é transmitido. No entanto, “a poesia é uma tentativa de abordar o absoluto por meio dos símbolos ”, como escreveu Juan Ramón Jiménez. Em poesia, o que é dito é tão importante quanto como é dito.

Hoje estamos com muita pressa para chegar ao conteúdo e ter uma ideia. Queremos ir ao cerne da questão. E isso nos leva a esquecer o aspecto lúdico que está nas formas e nas expressões. Por isso, a poesia que ressoa emocionalmente tem cada vez menos lugar na sociedade atual.

Preguiça cognitiva e o vazio da alma
O fato de lermos cada vez menos poesia não se deve apenas à nossa renúncia aos significantes e às formas, mas também tem suas raízes na cultura crescente do politicamente correto. Numa cultura que impõe cada vez mais regras que não podem ser quebradas, os poemas são insurrecionais e transgressores porque jogam com imprecisões e ambigüidades, opondo-se firmemente a essa mera produção de sentido.

Os poemas brincam com o não expresso. Eles estão abertos à interpretação. Eles entram no terreno da incerteza. E isso gera cada vez mais aversão a nós. Isso nos incomoda, como se estivéssemos caminhando em um terreno minado. Nesse contexto, os próprios poemas representam um ato de rebelião contra uma sociedade essencialmente produtiva.

Além desse desconforto social, a poesia também exige um trabalho cognitivo que muitos não estão mais dispostos a fazer. Afinal, a maioria dos leitores está acostumada a ler e decodificar o texto a partir de sua sintaxe, geralmente clara e direta. Isso significa que somos treinados para entender um texto quase imediatamente e “mecanicamente”. Lemos com razão. No entanto, como a poesia segue uma sintaxe indireta, muitas pessoas a consideram “ininteligível”.

Sua sintaxe, tropos e metáforas peculiares deslocam nosso senso de “franqueza”. Por mais que tentemos, não há univocidade na leitura do texto. Isso nos confunde. Isso nos obriga a buscar outros pontos de referência, muitas vezes dentro de nós mesmos.

Parafraseando Octavio Paz, cada poema é único e cada leitor deve procurar algo naquele poema, mas muitas vezes o que encontra é o que carrega dentro. Se estivermos ocupados demais olhando para fora, obcecados com a cultura da produtividade e acostumados a uma linguagem eminentemente pragmática, ler poesia será um exercício fútil e complicado demais. Então desistimos. Não percebemos que essa incapacidade de brincar com os significantes é a expressão de uma incapacidade lúdica de desfrutar além do que é dado e esperado na vida.

Adaptado de Rincón de la Psicología

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.