A cada dia, os africanos contam cada vez mais suas histórias, reafirmando sua história e seu lugar na história global. A fotógrafa zimbabuense Tamary Kudita, nascida em 1994, é uma dessas pessoas que re-apresenta a história da África, especialmente como uma pessoa de raça mista e com herança do Zimbábue e do Estado Livre de Orange (um estado histórico Boer na África do Sul).

Usando a fotografia, particularmente o retrato, Kudita tenta desenterrar e transmitir uma narrativa honesta dos negros, re-contextualizando, apropriando-se e subvertendo as imagens populares propagadas pelos brancos. Ela explora como a história continua a definir e moldar a vida dos negros até mesmo no presente. Ela funde a estética contemporânea e histórica para refletir como o antigo informa o novo e também usa processos de fotografia antigos para dar ao seu trabalho um efeito vintage.

Kudita estudou na Michaelis School of Fine Art, na Universidade da Cidade do Cabo, onde se formou como Bacharel em Belas Artes em 2017. Desde então, tem sido artista em tempo integral, estabelecendo-se na fotografia de belas artes. Sua investigação sobre o legado do colonialismo em sua família e ancestrais resultou em exposições que investigam a história da identidade pós-colonial, que simultaneamente fala a uma realidade comum entre as pessoas de cor, cuja história foi obscurecida ou apagada.

Senhora Com Milho. Kudita destaca o milho em um cocar. Um grão básico no Zimbábue por séculos, ele ainda molda as refeições diárias.
Tamary Kudita

“Tanto variações inatas quanto sobrepostas de meu trabalho são capazes de se dividir naquelas que são óbvias e menos perceptíveis ao olho humano. A subversão está implícita no meu modo de prática eleito e minha escolha de representação demonstra uma posição de sujeito congruente com a de Santu Mofokeng, que busca contar uma narrativa transparente sobre a vida dos negros perturbando constantemente as zonas de conforto da memória racial e cultural ”, afirma o artista sobre seu processo criativo.

Navio. Este cocar foi inspirado no livro infantil “A Senhora com um navio na cabeça”, diz Kudita. O navio, diz ela, é uma lembrança do transporte de escravos, mas também pode fornecer passagem para um futuro livre de opressão.
Tamary Kudita

Os traços característicos de seu trabalho incluem elementos e símbolos africanos e ocidentais combinados de uma identidade multifacetada. Ela explora o lugar dos tecidos africanos na reconstrução de identidades culturais, raciais e de gênero, além de usá-los para desafiar as estruturas de poder que tornam invisíveis as histórias e expressões culturais de certas pessoas. Em seus retratos, os sujeitos são vestidos em estilo vitoriano com tecidos africanos e colocados em contextos locais para inverter o poder social das roupas e da imagem vitoriana.

Tamary Kudita

Kudita expôs em várias galerias na África do Sul e no Zimbábue. Em 2018 ela apresentou sua primeira exposição individual que explorou noções de raça e representação na galeria PH Centre na Cidade do Cabo. Outras exposições incluem Maintaining Memories (2017) e African Victorian (2019) na National Gallery em Harare, Zimbábue. Ela está interessada em continuar e desenvolver os temas ligados à fotografia negra e a alteridade em seu trabalho.

Em That Evening Sun Goes Down, duas mulheres mexem em uma grande panela – um recipiente africano ainda usado para preparar comida para grandes reuniões.
Tamary Kudita
Corpo como arquivo. A artista zimbabuense Tamary Kudita projetou roupas exclusivas – parte vitoriana, parte africana – para enfocar o impacto do colonialismo.
Tamary Kudita
Em Rwendo , uma mulher africana com um vestido de cetim antiquado atravessa uma paisagem sombria.
Tamary Kudita

Seu objetivo em “African Victorian”, diz Kudita, é tornar visível em seu trabalho o impacto da experiência colonial de seu país na vida e identidade africana hoje.

Informações de NPR

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.