Por trás dos aborrecimentos frequentes se esconde muitas vezes a soberba. São perfis que precisam ter sempre a razão, que não toleram ser decepcionados ou corrigidos e que, além disso, são vítimas constantes de sua própria frustração. Assim, é importante destacar que, após a soberba, encontra-se, por sua vez, o narcisismo, formando deste modo um tipo de personalidade muito desgastante.

Muitas vezes é dito que o arrogante nunca reconhecerá seus “pecados”. Ele não fará isso porque seu nariz está tão perto do espelho que ele nem consegue se ver. No entanto, nos tornamos tão acostumados a esse tipo de presença em nossos ambientes que, quase sem perceber, acabamos normalizando o narcisismo e a arrogância. Vemos isso nas elites políticas, vemos isso em nossas empresas e vemos isso em parte das novas gerações.

Todos esses perfis, aparentemente tão distantes um do outro, mostram algumas características comuns. Não importa quantos anos eles tenham, eles são pessoas “que sabem tudo”, aqueles que ninguém pode ensinar ou mostrar qualquer coisa, porque “eles já têm um ótimo ensaio vital” . Além disso, eles também são caracterizados por relegar as necessidades dos outros ao segundo plano e ter, por sua vez, a maturidade emocional de uma criança de 6 anos de idade.

Desta forma, aqueles que lidam com eles diariamente já estarão familiarizados com a sua raiva frequente. Eles têm “pele muito fina” e orgulho muito alto, nós sabemos, daí o mínimo “salto”, perdem o controle e mostram comportamentos tão comuns como parar de falar por um tempo ou simplesmente cair em desqualificação por ter ficado chateado em algum aspecto pequeno e insignificante…

A raiva frequente e o que está sob esta maquiagem

A arrogância não deixa de ser um traje, um disfarce de porco-espinho onde os espinhos atuam como barreiras defensivas para não deixar ninguém intuir os medos, as fraquezas de caráter e as debilidades. Desta forma, se alguém me disser que eu deveria ser mais paciente e levar as coisas devagar, não hesitarei em me colocar de guarda e levantar minhas espinhas (eles questionaram meu bom trabalho). Não importa que essa pessoa tenha feito o comentário com boa fé: vou considerar isso uma afronta.

A auto-estima neste tipo de perfil é muito baixa. No entanto, esse sentimento de inferioridade é frequentemente transformado em uma mola de agressão, uma catapulta carregada de raiva, despeito e amarga frustração. Além disso, a necessidade de estar em cima de nós em qualquer situação, circunstância ou contexto, por sua vez molda essa “falácia da autoridade” onde ninguém deve desacreditá-los, onde contrariá-los, mesmo no mais insignificante, é um insulto.

Nestes casos, o orgulho é um sistema de compensação sofisticado. Assim, o mais interessante desses perfis é que geralmente este traje cheio de espinhos é geralmente forjado na infância como uma maneira de esconder inseguranças. Mais tarde, torna-se uma maneira de reagir a problemas ou decepções. Isso porque a personalidade soberba explora a arrogância e a agressão como forma de marcar território, como um canal para se validar.

Embora com isso, o que eles realmente conseguem é criar distâncias e se mover em um círculo de relacionamentos superficiais.

O que fazer diante da raiva frequente das pessoas ao nosso redor?

Por trás da raiva freqüente, há um claro problema de gerenciamento emocional, autoestima e equilíbrio psicológico. Ninguém pode viver sob a crosta de uma raiva crônica, envolta em sua juba de leão e rugindo a cada dois para três. Portanto, se em nosso ambiente temos uma pessoa que constantemente deriva esse tipo de dinâmica, há algo que devemos esclarecer: o problema não é nosso, não somos a causa de seu desconforto, o problema, na realidade, é deles.

“Qualquer um pode ficar com raiva, isso é muito simples. Mas ficar com raiva da pessoa certa, no grau exato, no momento certo, com o propósito certo e o caminho certo, isso certamente não é tão simples “. -Aristóteles-

Quando a raiva se torna seu modo de ser, nada crescerá ao seu redor. Além disso, se por baixo dessa pele está a arrogância e a personalidade narcisista que quer controlar tudo e quer encontrar um benefício em tudo, a melhor coisa que podemos fazer nesses casos é colocar distância e não perder energia confrontando-os.

Como o orgulho não pode ser curado pela argumentação, é uma questão de permitir que o orgulhoso olhe para si mesmo no espelho e se livre da boca de leão e do traje de porco-espinho. Sob todas essas peles estão suas fraquezas, seus recessos de vazio, seus labirintos de inseguranças e até, por que não, até mesmo aquela criança interior ainda assustada que continua a responder com raiva do que ele não gosta.

A raiva freqüente, acreditamos ou não, é a ordem do dia na vida de muitos adultos. Portanto, vale a pena investir tempo, atenção e uma boa dose de carinho em nossos filhos, naquelas crianças que, desde muito cedo, são frequentemente frustradas e nos dizem que “agora fico com raiva e não respiro”.Vamos administrar bem essas situações, educar corretamente.

 

Do site La Mente es Maravillosa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.