Arranjar momentos de silêncio durante o dia é de vital importância e se é a ciência que diz, acredite! Vários estudos realizados ao longo do tempo confirmaram de fato que o ruído tem um impacto negativo em nossa saúde física e mental porque, entre outras coisas, aumenta os níveis dos hormônios do estresse.

Enquanto o silêncio , ao contrário, nos torna mais serenos, calmos e relaxados . E, segundo a ciência, está até na base da criatividade e da elasticidade mental, pois é capaz de regenerar o cérebro e o corpo, e de nos fazer recuperar as habilidades cognitivas.

E o barulho em vez disso? A Organização Mundial da Saúde apurou que em 2001 meio bilhão de pessoas sofriam de problemas auditivos e , segundo as previsões, em 2030 será de 1 bilhão. Freqüentemente, os distúrbios dependem de ruídos muito altos aos quais os sujeitos são submetidos diariamente. Por outro lado, a Agência Europeia do Ambiente, ao examinar os danos causados ​​pelo ruído aos cidadãos europeus , demonstrou que os danos ambientais estão associados a 16.600 casos de mortes prematuras todos os anos .

A falha se deve tanto à poluição sonora por uma multiplicidade de fatores, quanto a outros sons mais inesperados, como os que chegam ao cérebro na forma de sinais elétricos enquanto dormimos, ativando a amígdala e a produção dos hormônios do estresse.

A internet também é inimiga do silêncio , pelo menos do mental, porque estando constantemente conectada, nos obriga a manter a atenção em detrimento do córtex pré-frontal, que precisa de tranquilidade para nos ajudar a tomar decisões e resolver problemas, suas principais funções. Entre outras coisas , o ruído, além de causar estresse, provoca hipertensão, doenças cardíacas, insônia. E ainda piora a concentração, nos faz perder a motivação, tem um impacto negativo na capacidade cognitiva.

Quanto ao silêncio, vários estudos indiretamente destacaram sua importância . Assim como o conduzido pelo médico Luciano Bernardi em 2006, que estudava os efeitos fisiológicos da música, descobriu que nos 2 minutos de silêncio entre um ruído e outro, o cérebro dos sujeitos examinados ficava muito mais relaxado. Com o experimento, ele também percebeu que o silêncio é intensificado quando o ruído segue.

Outro estudo realizado pela Universidade de Cracóvia , apresentado no ESC 2016, mostrou que as pessoas continuamente sujeitas a ruído aéreo, como as que vivem perto de aeroportos, estão muito mais sujeitas a toda uma gama de perturbações e têm, em média, um pressão arterial elevada. A mesma pesquisa mostrou que o ruído crônico aumenta os níveis dos hormônios do estresse, afetando negativamente o sistema imunológico endócrino e o sistema nervoso autônomo. Pelo contrário, o silêncio reduz todos esses problemas.

E o silêncio sempre foi a base da meditação por milênios , uma prática espiritual cujos benefícios agora são comprovados pela ciência. Entre os estudos que destacaram os efeitos positivos, o conduzido por Bruce Barrett, da University of Wisconsin, nos Estados Unidos, que analisou 51 indivíduos, encontrou uma diferença substancial em termos de saúde entre aqueles que meditavam regularmente e os que não meditavam.

Outras pesquisas conduzidas em 2003 sujeitaram as pessoas à meditação regular por um período de 8 semanas, descobrindo uma melhora acentuada na função imunológica em comparação com aqueles que não seguiram o programa. Considerando que essa prática se baseia principalmente no silêncio mental, conclui-se que certamente tem efeitos benéficos em nossa saúde psicofísica .

Adaptado de GreenMe

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.