A culpa dele foi a de ensinar os direitos das mulheres a seus alunos. Estamos falando de Junaid Hafeez, 33, um ativista paquistanês e de direitos humanos, que foi condenado por blasfêmia em 21 de dezembro do ano passado. Agora, uma petição pede sua salvação.

Um caso emblemático como o de Hafeez mostra como a lei da blasfêmia costuma ser um pretexto para silenciar as pessoas que se sentem desconfortáveis e lutam pelos direitos humanos, especialmente os direitos das mulheres.

O professor universitário é acusado pelo tribunal paquistanês de ter difundido posições blasfemicas em relação à fé muçulmana, de ter ofendido o Profeta Maomé nas redes sociais e de “ter ensinado assuntos como os direitos das mulheres em seu país”, diz na petição apresentada por Helen Haft, pesquisadora dos EUA no Change.org.

Junaid Hafeez foi preso em 2013 e está em isolamento desde então. Seu advogado, Rashid Rehman, foi morto em 2014 por decidir defendê-lo.

Agora, “Não desligue o professor Junaid Hafeez” é o aplicativo assinado por mais de mil pessoas. O professor ensinou na Universidade Bahauddin Zakariya em Multan, uma cidade localizada no centro do Paquistão na região de Punjab. Depois de retornar do Mississippi para o Paquistão, onde passou uma estadia acadêmica como bolsista da Fulbright, Junaid queria ensinar literatura aos alunos, mas também o conceito de justiça social relacionado aos direitos das mulheres.

“Junaid e eu participamos do programa de intercâmbio acadêmico da Fulbright. Dias antes de conhecer sua sentença de morte, ele publicou um artigo sobre blasfêmia no Paquistão ”, escreve Helen Haft na petição.

Mas a petição também pede a abolição da lei de blasfêmia no Paquistão, que

“É uma ferramenta que pode ser usada contra qualquer pessoa a qualquer momento. As leis impedem as pessoas de falar não apenas sobre religião, mas também sobre questões como os direitos das mulheres. As leis até o momento silenciaram ativistas dos direitos das mulheres, direitos humanos, jornalistas, professores e cidadãos comuns. Enquanto minorias religiosas, dissidentes políticos, pensadores livres e intelectuais são frequentemente alvejados, as primeiras vítimas são os próprios muçulmanos “.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.