Às vezes nós não encontram as palavras para expressar nossa dor e, em troca, nosso corpo o faz. Nós não sabemos exatamente o que acontece conosco para que o resto possa nos entender. Essa incapacidade de combinar nossas palavras com as emoções é conhecida no campo da psicologia como alexitimia.

Normalmente essa deficiência tem sua origem em um sistema de comunicação familiar inexistente ou deficitário. Muitas das doenças psicossomáticas atuais nos dão uma pista sobre as necessidades não satisfeitas da população: escuta, empatia, amor.

Somatizar significa transformar uma dor emocional em física, talvez devido à incapacidade de expressar corretamente a primeira. Uma incapacidade que deve ser entendida e tratada como a origem de um problema que cumpre uma função: comunicar com o corpo o que nossa mente quer expressar e nossa voz não é capaz de reproduzir.

Origem psicológica, sintomas físicos reais em nosso corpo

O fato de os distúrbios psicossomáticos terem origem psicológica não significa que eles não se manifestam em sintomas físicos reais. Sintomas que doem, incomodam e que acabam interferindo na vida de uma pessoa e no seu desenvolvimento satisfatório.

Não é de surpreender que nos transtornos de humor, como depressão, estados vegetativos sejam observados, uma mudança no padrão de sono habitual e muitas queixas somáticas: a tristeza está sendo somatizada.

Existem muitos tipos de depressão, algumas sr caracterização porque o paciente adota uma atitude agressiva e outras porque se adota uma atitude passiva. Em ambas, não se comunica o que se sente ou não se comunica adequadamente e esta sensação se transforma em mal estar psicológico e físico.

O preço de ser forte a todo custo leva à somatização

Quando não nos comunicamos, assumimos implicitamente que não seremos ouvidos, que não temos estratégias sociais para nos fazer entender ou que seremos rejeitados de imediato. Em um mundo onde nos é dito que ser forte é a qualidade de ouro, ninguém quer usar barras de ferro nos pés.

Muitas das pessoas não expressam seu desconforto porque não encontram as palavras para isso ou simplesmente aprenderam que, se o fazem, “serão expostas”. Isso por si só não vai culpar os pais ou responsáveis, mas a sociedade em geral. Somos ensinados sobre todos os tipos de assuntos, mas o assunto de nos conhecermos emocionalmente permanece pendente.

“De repente, um dia nos sentimos paralisados. Nós nos perguntamos de onde vem tanta dor e por que meu corpo não dá razões claras para explicá-la. As razões estão na mente; mas eles são anestesiados.”

O resultado dessa ideia é bastante evidente: evitamos expressar como nos sentimos e quando queremos nos dar conta, já não sabemos por que nos sentimos mal, temos uma amnésia retrógrada que nos impede de chegar à raiz real do problema, por que dói tanto e de onde isso veio?

Tratamento de pacientes que somatizam por parte dos profissionais de saúde

A atenção integral da pessoa que consulta uma desordem de somatização é bastante deficiente às vezes. Essas pessoas precisam de atenção médica e psicológica . Às vezes, eles são acusados ​​de histriônicos , simuladores ou fictícios quando não têm nada a ver com isso.

Diferentemente dos hipocondríacos, aqui a pessoa não está convencida de que tem uma doença, e não sabe o que está acontecendo com ela.

Talvez seja verdade que elas têm um sistema amplificador de sintomas e um foco muito centrado nisso. Por exemplo, uma pessoa com alto grau de neuroticismo pode apresentar esse padrão de busca e verificação excessiva dos sintomas.

Portanto, essa pessoa pode estar mais focada em seus sintomas e, por isso, seu estilo ansioso está encrudescendo. Mas os sintomas estão aí, são reais: dores de cabeça, desconforto gastrointestinal, fadiga crônica persistente, etc.

Tratamento de doenças somáticas

O paciente deve ser tratado INTEGRALMENTE, levando em conta as características psicológicas que podem estar influenciando seus sintomas físicos e também avaliar como seus sintomas físicos agravam o quadro psicológico.

Em muitos casos, quando uma doença somática não é tratada corretamente, ela se torna crônica e uma consequência lógica e terrível pode aparecer para a pessoa que a sofre. A doença, já crônica, faz com que a pessoa evite qualquer atividade social ou altere sua rotina, acreditando que evita o desconforto e que seus sintomas serão mais controlados em sua rotina diária. Pouco a pouco, a pessoa está deixando de lado sua vida por seus sintomas.

As doenças psicossomáticas são reais e necessitam de tratamento específico e ajustadas às características do paciente. Uma vez que as patologias orgânicas foram descartadas, os profissionais devem ser capazes de entender o que o corpo está dizendo, porque a boca se cala, sem dar razão a uma causa específica. Você quer saber mais sobre doenças psicossomáticas?

La mente es maravillosa
Ilustração: césar biojo

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.