Artigo do site Rincón de la Psicología

Ao estudar filosofia, alguns filósofos foram classificados como “pensadores livres”. Outros não. Os primeiros recebiam atenção superficial. Os segundos detalhados. E isso disparou meus alarmes. Porque se você não é um livre pensador, não pensa.

Se o pensamento está ligado a regras e deve seguir um roteiro, torna-se dogmático. E nesse exato momento paramos de pensar. Ipso facto.

Parar de pensar é altamente perigoso. Tornamo-nos suscetíveis à manipulação. Corremos o risco de desenvolver posições extremas que alguém diligentemente se encarregará de capitalizar a seu favor. Então nos tornamos autômatos que seguem ordens.

O falso dilema: podemos nos unir mesmo que pensemos de maneira diferente

O coronavírus transformou o mundo em um enorme reality show que joga com as emoções. O rigor e a objetividade são evidentes por sua ausência quando nos arrastam para a infoxicação. Quanto mais informações contraditórias nosso cérebro recebe, mais difícil é colocar ordem e pensar. Estamos no caos. É assim que embota nosso pensamento. E assim o medo vence o jogo.

Nestes tempos, falamos sobre a importância da empatia e de podermos nos colocar no lugar do outro, aceitar nossa vulnerabilidade e nos adaptar à incerteza. Falamos de altruísmo e heroísmo, de compromisso e coragem. Essas são habilidades e qualidades louváveis, sem dúvida, mas o que não foi discutido é o pensamento crítico.

Ao usar eufemismos de todos os tipos, uma mensagem implícita se tornou tão clara que se tornou explícita: é hora de confiar, não criticar. O pensamento foi devidamente selado e estigmatizado, para que não haja dúvida de que não é desejável, exceto em doses tão pequenas que são completamente inócuas e, portanto, completamente inúteis.

Essa crença introduziu um falso dilema, porque o apoio não está em desacordo com o pensamento. Ambas as ações não são exclusivas. Pelo contrário. Podemos unir forças, mesmo que não pensemos da mesma forma. E esse pacto é muito mais forte porque vem de pessoas autoconfiantes que pensam e decidem livremente.

Obviamente, esse pacto exige um trabalho intelectual mais árduo. Exige que nos abramos a posições diferentes das nossas. Vamos refletir juntos. Vamos encontrar pontos de encontro. E todos nós cedemos para alcançar um objetivo comum.

Porque não estamos em uma guerra na qual é exigida obediência cega aos soldados. A narrativa de guerra apaga o pensamento crítico. Condenar quem discordar. E subjugar com medo.

Este inimigo, pelo contrário, conquista com inteligência. Com a capacidade de olhar para o futuro e antecipar eventos. Com a capacidade de projetar planos de ação eficazes com base em uma visão global. E com flexibilidade mental para se adaptar às novas circunstâncias. Tão achatada a curva do pensamento crítico é a pior coisa que podemos fazer.

Pensar pode nos salvar

“Projetar e implementar as vacinas culturais necessárias para evitar desastres, respeitando os direitos daqueles que precisam da vacina, será uma tarefa urgente e extremamente complexa”, escreveu o biólogo Jared Diamond. “Expandir o campo da saúde pública para incluir a saúde cultural será o maior desafio do próximo século”.

Essas “vacinas culturais” passam a parar de assistir ao lixo, a fim de desenvolver uma consciência crítica contra a manipulação da mídia. Eles buscam encontrar um ponto comum entre interesse individual e coletivo. Passam a assumir uma atitude ativa em relação à busca de conhecimento. E passam a pensar. Livremente, se possível.

Infelizmente, o pensamento crítico parece ter se tornado o inimigo público número um, justamente quando mais precisamos dele. Em seu livro “On Liberty”, o filósofo inglês John Stuart Mill argumentou que silenciar uma opinião é “uma forma peculiar do mal”.

Se a opinião estiver correta, não teremos “a oportunidade de mudar o erro pela verdade”; e se estiver errada, somos privados de uma compreensão mais profunda da verdade em seu “choque com o erro”. Se apenas conhecemos o nosso lado do argumento, dificilmente sabemos o seguinte: fica murcho, torna-se algo que é aprendido de cor, não passa por testes e acaba sendo uma verdade pálida e sem vida.

Em vez disso, precisamos entender que, como o filósofo Henri Frederic Amiel disse: “Não é por ser útil que a crença é verdadeira.”. Uma sociedade de pessoas de pensamento livre pode tomar melhores decisões, individual e coletivamente. Que a sociedade não precisa ser vigiada para cumprir as regras ditadas pelo senso comum. Na verdade, você nem precisa dessas regras porque segue o bom senso.

Uma sociedade pensante pode tomar melhores decisões. É capaz de pesar mais variáveis. Dar voz às diferenças. Antecipar-se aos problemas. E, é claro, encontrar melhores soluções para todos e cada um de seus membros.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.