Valeria Sabater

Falamos de mães tóxicas, no entanto, também deve ser esclarecido que existem pais tóxicos e avós tóxicos. As mães tóxicas são pilares na educação das crianças que, longe de promover a maturidade pessoal e a segurança , ancoram correntes pesadas que vetam completamente a independência física e emocional dessa pessoa.

Agora, pode-se dizer que o papel da mãe quase sempre tem um peso mais intenso na educação das crianças . É ela quem estabelece que o vínculo de cuidado e afeto tão íntimo com aquele recém-nascido, que dia a dia, será destacado de seus braços para avançar com segurança pelo mundo sabendo que é amado, sempre tendo aquela referência que lhe deu um amor incondicional mas saudável , com o qual amadurecer de forma inteligente.

“As mães tóxicas oferecem um amor aos seus filhos, assediantes e imaturos. Projetam neles suas inseguranças para se reafirmarem pessoalmente e, assim, ter mais controle sobre suas vidas e sobre a de seus filhos”.

O que está por trás da personalidade das mães tóxicas?

Pode chamar nossa atenção, mas por trás do comportamento de uma mãe tóxica, existe amor . Agora, todos nós sabemos que quando se fala de amor, há dois lados da mesma moeda: existe aquela dimensão capaz de promover o crescimento pessoal da pessoa, seja ao nível de um casal ou a nível familiar, e por sua vez, também aquele lado mais tóxico onde um amor egoísta e interessado é exercido, às vezes até sufocante, o que pode ser completamente destrutivo.

A coisa preocupante é que os familiares que praticam a toxicidade, fazem com criaturas que estão em processo de amadurecimento pessoal , lá onde deve assentar a sua personalidade, a sua autoestima… Tudo isso vai esculpir neles grandes lacunas, grandes inseguranças às vezes insuperável. Vamos ver agora quais dimensões psicológicas perfilam as mães tóxicas:

1. personalidade insegura
Às vezes, em uma mãe tóxica, há uma clara falta de autoestima e autossuficiência que  fazem com que vejam em seus filhos “uma tábua de salvação” para modelar e controlar, para ter sempre ao seu lado, para cobrir suas necessidades.

Ao ver, por exemplo, que seus filhos começam a ser autônomos, que não precisam mais tanto delas e que pouco a pouco são capazes de fazer suas próprias vidas, é uma grande angústia para elas, pois têm medo de ficarem sozinhas. Assim, elas são capazes de implantar “artimanhas hábeis”, para mantê-los próximos e até mesmo justificar que deve ser assim, e uma maneira de fazer isso é projetar desde o início sua própria falta de auto-estima e sua própria insegurança.

2. Obsessão pelo controle
A necessidade que as mães tóxicas têm de controlar cada aspecto de suas vidas, faz com que elas acabem fazendo o mesmo na vida de seus filhos. Elas não são capazes de ver os limites. Para elas, controle é sinônimo de segurança, com algo imanente que não muda, e o que não muda é bom porque faz com que ele se sinta bem.

A complexidade dessa dimensão é que as mães tóxicas freqüentemente exercem o controle pensando que, com isso, fazem o bem e mostram amor pelos outros. “Eu faço sua vida fácil, controlando suas coisas para que você esteja feliz”, “Eu só quero o melhor para você, e por isso eu evito que você possa estar errado”…

O controle realizado a partir da justificativa do afeto, é o pior ato de superproteção . Evitamos que as crianças sejam autônomas, capazes e corajosas. E ainda mais, que elas aprendam com seus erros.

3. A projeção de desejos não realizados
“Eu quero que você consiga o que eu não tinha”, “Eu não quero que você caia em meus próprios erros”, “Eu quero que você se torne o que eu não consigui” .

Às vezes as mães tóxicas projetam em seus filhos os desejos não realizados de seu próprio passado, sem perguntar se eles querem o que ela deseja, sem dar opção de escolher, pensando que, assim, eles mostram um amor incondicional, quando, na realidade, é um amor falso, um amor interessado.

Como lidar com uma mãe ou qualquer membro da família “tóxico”?

Esteja ciente de que você deve quebrar o ciclo de toxicidade. Você viveu por um longo tempo dentro dele, você conhece as feridas que ele deixou, no entanto, agora você já entende que precisa abrir suas asas para ser você mesmo. Para ser feliz. Vai custar-lhe, mas você deve começar dizendo “Não”, para expressar suas necessidades e levantar suas próprias paredes, aquelas pelas quais ninguém deveria passar.

É sua mãe, ou sua família, você os ama e sabe que quebrar esse ciclo de toxicidade pode causar algum dano. Às vezes, dizer a verdade do que se sente dói nos outros, mas é uma necessidade vital. É apenas sobre marcar limites e deixar claro o que você permite ou não. Você não quer causar nenhum dano, você deve deixar claro, assim como deve haver prova de que você não quer ser ferido novamente.

Reconheça a manipulação. Às vezes é tão sutil, que não percebemos, por isso atende a qualquer palavra, qualquer comportamento. E acima de tudo, não caiam nas redes de “vitimização” , já que é um recurso fácil para o qual pessoas tóxicas e mães tóxicas costumam recorrer.

Artigo escrito por Valeria Sabater e originalmente publicado em La Mente es Maravillosa

Imagem cortesia: Anna Radchenko

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.