Imagine carregar uma mochila cheia de pedras por onde você for. Isso é cansativo! Isso dá um novo significado à frase “fazer o trabalho pesado”.

Se o peso dessa mochila parece demais para suportar, imagine o impacto da bagagem emocional que carregamos todos os dias! Pense nisso . . . temos medo de ser demitidos, reclamamos do serviço que recebemos, expressamos repulsa pela política da nação, invejamos a pessoa “ao lado”, nos preocupamos em cumprir os prazos e desacreditamos nosso colega por “roubar” a promoção. Bagagem emocional? Pode apostar.

Agora pergunte-se: o que ganhamos fofocando sobre um colega, falando mal de políticos ou reclamando de nossas frustrações no Facebook? Resposta: Ficamos chateados com pouco para mostrar nossos esforços. É como se acreditássemos que, se fofocamos, reclamamos e deliramos alto o suficiente e com frequência suficiente, as pessoas aceitarão nosso modo de pensar. A verdade é que, além de ser um desperdício de tempo colossal, nada realmente muda – exceto que não somos muito divertidos de estar por perto. Quem precisa disso?

Mesmo quando não expressamos abertamente nossos sentimentos negativos de preocupação, preconceito, medo, crítica, culpa, raiva e inveja, representamos esses “dramas” em nossas mentes como um mestre de xadrez planejando seus próximos movimentos. Esses pensamentos negativos correm através de nossas mentes como um redemoinho, tornando-nos cada vez mais ansiosos a cada vez que os revisitamos. Na verdade, algumas pessoas ficam tão sobrecarregadas e deprimidas que se preocupam com um frenesi, dificultando a concentração durante o dia e causando problemas de sono à noite. Levada ao extremo, a bagagem emocional pode ser absolutamente debilitante se não for controlada.

Em tempos passados, em uma sociedade de trabalho intensivo, o trabalho duro resultou em ossos cansados e dores musculares. Na Era da Informação, nossos corpos nos dizem que basta reagir com doenças relacionadas ao estresse, desde dores de cabeça a dores nas costas até ataques de ansiedade. E com o tempo, essas tensões se somam.

O ponto principal é que essas “tiradas emocionais” são improdutivas, doentias e exaustivas. Eles nos fazem perder o foco, atacar as pessoas com as quais nos importamos e desperdiçar um tempo precioso, porque estamos presos nesses jogos mentais ridículos. Não é de admirar que estejamos exaustos. (Eu estou cansado de escrever este artigo)

Tome uma carga fora de sua mente
Aqui estão algumas sugestões simples para reduzir sua bagagem emocional disfarçada de preocupação, preconceito, medo, crítica, culpa, raiva e inveja.

1. Alimento para o pensamento. Um dos primeiros passos que as pessoas tomam quando tentam perder peso é escrever os alimentos que comem todos os dias. É surpreendente vê-lo por escrito e representa um importante motivador para mudar hábitos alimentares. Ao listar os pensamentos negativos que passam por nossas mentes a cada dia, podemos usar a mesma técnica para reduzir nossa bagagem emocional.

2. Mantenha positivo. O pensamento negativo nem sempre é ruim. De fato, ter algum medo e preocupação mantém você alerta, obriga você a se preparar cedo e o encoraja a antecipar eventos futuros perguntando a si mesmo, e se? Isso é positivo. Por outro lado, quando a bagagem emocional deixa você com raiva, aumenta sua ansiedade ou sobrecarrega você, é negativo evitá-la.

3. Isso é um fato? É muito útil determinar se as suposições por trás de seus medos, preocupações, preconceitos etc. são factuais e realistas. Quando você está cansado, emocional ou sob estresse, os pensamentos negativos podem sair do controle e arruinar seu dia, mesmo que a premissa por trás de sua ansiedade seja exagerada. Isso é um fato.

4. O céu está caindo! Com que frequência seus medos e preocupações se tornam realidade? Se eles raramente se realizam, por que você está ficando todo nervoso? As chances são de que você tenha uma chance maior de ser atingido por um raio.

5. Faça acontecer. Muitas situações envolvem questões além do nosso controle. Se você não pode afetar o resultado, pode aproveitar o seu dia, porque até mesmo um esforço hercúleo não fará diferença. Portanto, se houver um problema que o acorde às 3 da manhã e você puder fazer algo para melhorar, mesmo a essa hora, FAÇA. Se não, é melhor esquecer-se e dormir um pouco. Lidar com isso de manhã. E se estiver realmente fora do seu controle, todas as suas preocupações e insônia não mudarão a situação. É hora de deixar a preocupação para trás e seguir em frente.

6. Será que isso importa? Algumas situações parecem maiores que a vida, ainda que em retrospecto pareçam irrelevantes. A chave é avaliar o problema de antemão. Como um teste simples, pergunte-se se você vai lembrar do problema em um ano ou dois. Caso contrário, pode ser um assunto trivial indigno de sua preocupação.

Liberte-se da sua bagagem
É injusto supor que é fácil descompactar a bagagem emocional que acumulamos ao longo da vida. Se as palavras de Buda são verdadeiras, “O que pensamos, nos tornamos”, então é vital assumir o controle de nossas vidas. Mas vamos ser realistas.

A ansiedade que criamos em nossas mentes é muitas vezes pior que a realidade. Nós nos preocupamos em impressionar nossos amigos, quando a verdade é que amigos de verdade permanecem bons amigos nos bons e maus momentos. Nos preocupamos em chegar atrasados a uma reunião. Se formos, isso não mudará a humanidade. Nós também ficamos com raiva esperando em casa o dia todo para uma pessoa que faz a entrega. E isso também passará. Mais uma vez, Buda disse bem: “Sustentar a raiva é como pegar um carvão quente com a intenção de jogá-lo em outra pessoa; você é o único a ser queimado.

A verdade é que, na maioria dos casos, a vida continua. Você tem o poder de se tornar feliz ou infeliz durante sua jornada de vida. Há pouquíssimas vezes na vida em que batemos em uma parede com tanta força que não nos recuperamos dela. Nós nos levantamos, sacudimos a poeira e seguimos em frente. A diferença é que, se você se comprometer a ser positivo e começar a reduzir sua bagagem emocional, terá uma vida mais feliz, saudável e gratificante. Como Norman Vincent Peale disse certa vez: “Mude seus pensamentos e mude seu mundo”.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.