Às vezes os filósofos estão errados e admitir que você pode estar errado é uma parte importante de ser um verdadeiro filósofo . Enquanto a maioria dos filósofos faz pequenos ajustes em seus argumentos para corrigir erros, outros fazem grandes mudanças em seus pensamentos. Aqui, temos quatro filósofos que retrocederam ao que eles disseram anteriormente de maneiras muitas vezes radicais.

Robert Nozick

Robert Nozick foi um filósofo americano que escreveu sobre todos os assuntos em que conseguia colocar as mãos. Ele é bem conhecido por sua aventura solitária na filosofia política; Anarquia, Estado e Utopia. Nesse livro, ele defende um estado minimalista que nunca viole as liberdades pessoais. Em um ponto, ele até reflete sobre como um imposto de renda é semelhante à escravidão de meio período, já que um trabalhador é pago em salários e uma parte deles é dada ao estado sem a chance de sair. Seu estado ideal não
teria nenhuma tributação .

Em seu livro posterior, The Examined Life , Nozick discute tópicos do sexo à morte e à política. Ele reflete sobre seu livro anterior e declara: “A posição libertária que uma vez propus agora me parece seriamente inadequada”.

Seus ajustes nas posições anteriores são sutis, mas notáveis. Ele não muda fundamentalmente sua posição, mas admite problemas com isso. Ele endossa a ideia de que o Estado pode proibir a discriminação contra vários grupos, admite que a realização da liberdade pessoal pode exigir esforço de grupo obrigatório e cede ao uso de impostos ou doação obrigatória a instituições de caridade específicas como meio de assegurar que a sociedade continue funcionando.

Enquanto em entrevistas posteriores ele assegurou aos leitores que não havia abandonado o libertarianismo, ele minimizou algumas das visões mais duras enquanto envelhecia.

Ludwig Wittgenstein

Talvez a mudança mais radical da nossa lista seja de Wittgenstein ; um filósofo austríaco do século 20 que publicou um único livro durante sua vida, o Tractatus.

No Tractatus, ele argumenta que quando estamos nos comunicando com outra pessoa, estamos usando palavras para colocar “imagens” em suas mentes. Quando escrevo “O copo de limonada tem dois cubos de gelo”, pode-se imaginar o que quero dizer com bastante clareza, se usei as palavras certas. O livro também endossa o positivismo lógico e resolveu alguns problemas sobre isso, aos quais, para o Círculo de Filósofos de Viena era caso resolvido.

Wittgenstein se orgulhava de seu livro e havia se convencido de que resolvera toda filosofia com ele, reduzindo todos os problemas à semântica. Ele parou a atividade da escrita por aí, talvez entendendo que não houvesse mais sobre o que filosofar. Porém, mais tarde, muda de ideia.

Após sua morte, seu outro livro foi publicado. Investigações filosóficas expressa ideias que ele teve na parte posterior de sua vida, muitas vezes contradizendo diretamente seus primeiros trabalhos. Em um ponto em Investigações ele até escreveu “ o autor do Tractatus estava enganado ”, já que ele se afastou tanto de suas posições originais.

Em Investigações, Wittgenstein argumenta que a linguagem é uma série de jogos. Quando estamos falando com alguém, usamos palavras específicas para transmitir um certo significado. A única maneira pela qual eles podem esperar nos entender é se eles entenderem por quais regras estamos jogando atualmente e exatamente como as palavras são usadas em relação a essas regras.

Por exemplo, se eu escrevo “Ele é um verdadeiro tagarela”, eu poderia estar falando sarcasticamente, literalmente, mentindo ou exagerando um pouco. Você tem que saber que “jogo” estamos jogando para me entender completamente. Isso está muito longe da teoria da imagem do Tractatus e sua denúncia do trabalho anterior desacreditava partes do positivismo lógico.

Jean-Paul Sartre

Sartre foi uma das principais mentes por trás do existencialismo no século 20. Ele escreveu vários livros, ensaios e peças descrevendo sua maneira de pensar e como poderíamos aprender com isso.

Em seus primeiros trabalhos, Sartre nos introduz à ideia de nossa liberdade absoluta. Enquanto ele admite que estamos limitados por algumas circunstâncias físicas e sociais, ele nos coloca totalmente no comando de nós mesmos e nos declara ” condenados a sermos livres “. Esse tipo de liberdade radical é exemplificado pelas pessoas que entendem que somente elas são responsáveis ​​por suas escolhas e sabem que têm poucos limites sobre o que podem escolher fazer.

Enquanto ele sempre admitiu que existiam limites sociais, econômicos e físicos à nossa liberdade, os limites que ele reconheceu tornaram-se mais numerosos e restritos ao longo do tempo. Isso se deveu, em parte, à influência de sua parceira Simone de Beauvoir e sua crescente associação com a esquerda francesa.
Suas mudanças são menos de uma reviravolta radical em seu pensamento e mais de uma evolução em sua compreensão do lado prático de seu trabalho. No entanto, quando sua compreensão de como as limitações sociais e econômicas de nossa liberdade de escolha aumentaram, ele começou a parar de se identificar como um existencialista puro e declarou abertamente que sempre foi um anarquista.

Jean Meslier

Meslier era um padre católico na França do século XVII . Notado como um padre quieto, confiável e comum, ele serviu sua paróquia por mais de quarenta anos sem reclamar. Após sua morte, um livro de mais de 600 páginas promovendo o ateísmo foi encontrado em seu quarto, e foi publicado como ” Testamento “.

O reverendo Meslier tem a distinção de ser o primeiro filósofo ateu a escrever um texto defendendo sua posição. Nele ele descreve toda religião como “um castelo no ar” , e teologia como “mas ignorância de causas naturais reduzidas a um sistema”. Ele achava que o problema do mal era insolúvel, negava a existência do livre-arbítrio e da alma, e afirmou que a nobreza e os sacerdotes mereciam ser massacrados em nome da verdade e da justiça.

Ele também argumenta que o cristianismo, como existia na época, era apenas uma ferramenta para assegurar a passividade das classes mais baixas contra as injustiças das quais deveriam se revoltar. Ele defendeu um proto comunismo como uma solução para a injustiça social.

Embora a questão de quanto de uma volta em torno disso constitui incognoscível, ele admitiu em seu texto que entrou no seminário para agradar seus pais, e que se opunha a seus quarenta anos de pregação do cristianismo. Ninguém mais nesta lista denunciou quarenta anos de trabalho em um único livro, e sua rejeição a isso vem com uma força que se destaca, apesar de seu estilo de escrita pesado.

 

Via Big Think

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.

COMENTÁRIOS