A frase “Quem ama sofre, quem não ama adoece” é uma das mais populares de Sigmund Freud. Faz parte de “A introdução ao narcisismo” e é muitas vezes vista sendo compartilhada nas principais redes sociais. Muitos pensam que tem um sentido romântico, mas a realidade é que é o resultado de uma teoria ao respeito.

Sigmund Freud e a psicanálise têm sido questionados inúmeras vezes. A crítica mais frequente é que é um corpo teórico “não científico”. Não obstante, a teoria de Freud influenciou todas as ciências humanas, incluindo disciplinas complexas como a psiquiatria.

De qualquer forma, poucos discutem a importância do amor no desenvolvimento do ser humano. Desde o primeiro momento em que abrimos nossos olhos para o mundo, sofremos de uma falta: a falta do outro. Não há como sobreviver ou crescer se alguém não estiver presente, o que torna isso possível.

Isso, em outras palavras, significa que, se não houver pelo menos algum amor no início de nossa vida, sobreviver se torna impossível. Alguém tem que cuidar das nossas necessidades ou morreremos.

O ser humano sempre foi um ser necessitado, um ser carente. Há um vazio em nós que não pode ser preenchido, mesmo que às vezes acreditemos que não seja assim. Isso porque, para sempre, estamos condenados a uma solidão desagradável. Na medida em que somos capazes de estabelecer laços íntimos e amorosos, a realidade é que nascemos, vivemos e morremos praticamente sozinhos.

Quem ama sofre

Muitas formas de sofrimento são trazidas para o amor, desde o amor não correspondido até a descoberta de que o amor não resolve tudo. De um jeito ou de outro, não há como amar sem sofrimento. Por que deve ser assim? Por que o amor não leva à felicidade? Não é um comportamento masoquista pensar dessa maneira?

Apaixonar-se é uma espécie de “raiva maravilhosa”, na qual todos os significados do mundo são simultaneamente alterados. Tem muita obsessão, mas ao mesmo tempo dá uma vitalidade que é difícil de alcançar com outras experiências. Apaixonar-se é atroz e, ao mesmo tempo, delicioso. É perfeitamente representado no romance Amor nos tempo do cólera, que afirma que “o amor tem os mesmos sintomas da cólera”.

Sim, apaixonar-se é sofrer com prazer. Sofrer porque a pessoa tarda em chegar, sentir-se morrendo quando se suspeita que tudo pode acabar. Saber que poderíamos ir para o inferno na companhia daquela pessoa que roubou nossos corações. Alternar-se entre a emoção de amar e ser amado com o medo de perder aqueles que você ama. O entusiasmo do encontro, com as dúvidas insidiosas de abandono.

Uma vez que essa fase vibrante de se apaixonar acabou, há uma espécie de falta de começo. Algo se foi, algo não é como antes. Sabemos que continuamos amando essa pessoa, mas também sabemos que o amor tem limites. Então você sofre, porque você tem que dizer adeus à ilusão do amor romântico e eterno.

Quem não ama fica doente

Quando uma pessoa tem dificuldades em estabelecer laços de amor com os outros, ela se torna emocional e mentalmente vulnerável. O hermetismo, o fechamento obsessivo em si mesmo, a dificuldade em comunicar aos outros o que sente ou pensa indica que as coisas não estão dando certo.

O ego fica doente. Se as coisas importantes são apenas aquelas que têm a ver com si mesmas e temos grande dificuldade em reconhecer o que afeta os outros, provavelmente a pessoa em questão está presa em seu próprio narcisismo. Este não é um fator moral ou eticamente incorreto. É um sinal perturbador, indicando que esta pessoa ficou doente ou adoecerá.

O tempo é sempre muito importante em assuntos que têm a ver com a mente. Todos vivemos em fases, durante as quais relutamos em entrar em contato com outras pessoas ou fases em que precisamos ficar sozinhos com nós mesmos. No entanto, quando isso se torna um comportamento permanente, os problemas começam. A principal delas é certamente que o narcisismo é um forte sinal de distanciamento da vida e uma inclinação para tudo o que representa a morte.

É como se alguém ficasse doente de si mesmo. Que o foco excessivo em si mesmo, mais cedo ou mais tarde, resultará em angústia, obsessão. Também se traduz em uma vida que não é muito produtiva e carente de significado ou em um esquema em que os outros são apenas ferramentas, objetos que são usados para atingir seus objetivos. Sob essas condições, cada vez nos afastamos cada vez mais da possibilidade de alcançar o que todos ansiamos: a paz interior.

Do site La Mente è Meravigliosa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.