Raymond Cattell nasceu na Inglaterra no início do século XX. Como major, sua carreira profissional faria desse inglês um dos mais importantes teóricos da personalidade na história da psicologia . Suas contribuições foram decisivas na chamada teoria dos traços e tiveram aplicação prática em um teste que leva seu nome.

Embora Raymond Cattell inicialmente tenha estudado química, depois de se formar, ele se interessou por psicologia. Por 30 anos ele foi professor na Universidade de Illinois e por 20 anos na Universidade do Havaí. Ele também foi um pesquisador incansável do comportamento humano e fundador do Instituto para o Teste de Personalidade e Habilidade (IPAT) .

Raymond Cattell definiu 16 aspectos básicos da personalidade . Cada um deles foi identificado com uma carta. Destes ele criou seu famoso teste, que ainda hoje é aplicado para diferentes propósitos. Vamos ver quais são os fatores de personalidade definidos por esse teórico extraordinário.

“A psicologia é um campo complicado, no qual mesmo autoridades notáveis ​​se moveram em círculos, descrevendo coisas que todos sabem com palavras que ninguém entende .”
-Raymond Cattell-

Fatores A, B, C e E na teoria de Raymond Cattell

Os fatores A, B e C na teoria da personalidade de Raymond Cattell correspondem a: afetividade , raciocínio, estabilidade e dominância . Afetividade, de acordo com sua teoria, representaria o grau de contato que uma pessoa estabelece com outros indivíduos.

O raciocínio teria a ver com a capacidade intelectual. Nesse sentido, quanto mais profundo e bem-sucedido o pensamento abstrato de um indivíduo, mais inteligente dizemos ser .

Por sua parte, a instituição tem a referência para a capacidade de adaptação na teoria de Raymond Cattell. Corresponde a uma habilidad das pessoas para não perturbar os sintomas da medicina, junto à disposição e à capacidade de comprender e apropiarse de ellos.

A dominância é o grau de autonomia ou submissão de uma pessoa. Nesse sentido, as pessoas mais dominantes tendem a ser competitivas, agressivas e autoconfiantes. Os menos dominantes seriam mais frágeis e facilmente subordinados a outros.


Os fatores F, G, H e I
Os fatores F, G, H e I correspondem a: impulsividade, conformidade de grupo, ousadia e sensibilidade. Cattell refere-se à impulsividade como relacionada à espontaneidade e expressividade. Quanto mais impulsiva a pessoa, mais entusiasmada seria. Quanto menos impulsiva, mais prudente, reservada e pessimista.

Para Raymond Cattell, a conformidade de grupo refere-se ao grau de aceitação das normas sociais mostradas pelos indivíduos. Os mais satisfeitos seriam pessoas que se tornam moralistas. Os mais insatisfeitos, rebeldes ou revolucionários.

Quanto à audácia, estaria relacionada à capacidade de assumir riscos e agir sob pressão. Aqueles que não têm um alto nível nessa dimensão tenderiam a procurar o seguro e o previsível.

Por outro lado, a sensibilidade se referiria à predominância de aspectos emocionais sobre os racionais no comportamento. Uma pessoa altamente sensível tenderia a ser dominada por seus sentimentos. Alguém com baixa sensibilidade tenderia a ser realista e prático.

Os fatores L, M, N e O

Os fatores L, M, N e O correspondem a: suspeita, imaginação, astúcia e culpa. A suspeita teria a ver com o grau de confiança ou desconfiança dos outros. A imaginação, por outro lado, seria a capacidade de uma pessoa mergulhar em seu pensamento e em seu mundo interior.

O fator N, ou astúcia, está relacionado à habilidade de analisar a realidade, identificando os traços que permitem obter algo positivo dos outros. Portanto, o mais astuto também seria calculista e frio. Os menos astutos são sinceros, espontâneos e diretos.

O último fator, culpabilidade, refere-se à capacidade de uma pessoa assumir a responsabilidade por suas ações de maneira realista. Aqueles que têm pontuação alta nesse fator seriam pessoas que tendem a sofrer e se culpar por tudo. Aqueles que têm notas baixas teriam uma excelente opinião sobre si mesmos e seriam mais tolerantes com seus erros.

Os fatores Q 1, Q2, Q3 e Q4

Os fatores Q, de 1 a 4, são: Rebelião, Autossuficiência, Autocontrole e Tensão. A rebelião tem a ver com a abertura à mudança e a capacidade de transformar situações. A auto-suficiência está relacionada com o grau de independência pessoal.

Por outro lado, o autocontrole tem a ver com o nível de tendência que um indivíduo tem de se comportar socialmente de maneira ideal. E tensão refere-se ao grau de ansiedade que um sujeito experimenta em sua vida diária.

Todos esses fatores são o que o teste de Raymond Cattell mede. As pontuações desses fatores nos permitiriam traçar o perfil de personalidade da pessoa que respondeu ao teste. Atualmente este teste é usado com muita frequência para a seleção de pessoal que faz parte dos departamentos de recursos humanos.

 

Do site La Mente es Maravillosa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.