A religião surgiu como uma necessidade antiga, pelo menos é o que pensamos, e ficou até hoje sem sinais de que alguma vez desaparecerá. Se você observar a história, verá que a religião – se é que podemos falar sobre isso de uma maneira geral – experimentou muitas variações. Considere, por exemplo, a origem do monoteísmo , a crença em um único deus.

Os deuses também mudaram muito ao longo dos séculos e adotaram muitos nomes e formas diferentes. Existem deuses que você não pode fazer imagem e outros que possuem formas fantásticas. Essas formas às vezes são relacionadas a animais.

Nesse meio tempo, a religião também se tornou uma instituição. As pessoas criaram instituições sociais em nome de Deus, destinadas a fornecer ou melhorar serviços como educação e saúde. O lado negativo disso é que também houve grandes guerras em nome de Deus. As pessoas também cometeram muitos crimes e prejudicaram com base em textos sagrados, que são muitas vezes mal interpretados.

Declarações

Muitas declarações foram feitas para tentar explicar as origens e o desenvolvimento da religião através dos tempos. Uma das explicações é que ela serve para fornecer respostas a perguntas que nunca fomos capazes de responder. Mas essa não é a única explicação que as pessoas deram.

Vamos falar sobre algumas dessas tentativas de explicar as origens e o progresso da religião:

  • A religião surgiu como resultado do uso de drogas. As pessoas que usavam substâncias alucinógenas tinham visões incomuns que acabaram interpretando como mensagens da grande vida após a morte. Alguns xamãs e curandeiros usavam drogas para estar mais perto dos deuses ou para se comunicar com eles quando precisavam tomar decisões. Talvez eles nem sempre estivessem cientes de que estavam sob o efeito de drogas. Portanto, é bastante lógico que suas interpretações tenham a ver com seres divinos.
  • Outra explicação diz que a religião começou como uma maneira de explicar os fenômenos naturais que não tinham interpretações lógicas. Houve alguns fenômenos que foram mais difíceis de explicar de maneira convincente, como chuva e tempestades. As pessoas não conseguiam encontrar uma maneira lógica de interpretar esses fenômenos, e isso levou à criação de deuses. Assim, tornaram-se os deuses que causaram os fenômenos que as pessoas não conseguiam explicar racionalmente.
  • O surgimento da religião também parece uma espécie de idolatria. As pessoas começaram a adorar certas figuras e idolatram suas palavras e ações. As religiões foram criadas em torno dessas figuras.
  • A declaração final diz que a religião apareceu como uma adaptação cognitiva. Estas são funções mentais, processos e condições. Elas têm um foco específico em processos como compreensão, inferência, tomada de decisão, planejamento e aprendizado. Este é um dos pontos de vista mais aceitos em biologia e psicologia.                         

Em Deus Confiamos
De acordo com um livro de Scott Attran, “Em Deus Confiamos”, a religião tenta transferir genes com uma predisposição para determinado comportamento, seleção de grupo e mimetismo ou imitação. A religião não é uma doutrina ou instituição e nem é fé. Segundo Attran, a religião existe como resultado do espírito humano que tem que lidar com a vida. É uma declaração para coisas como nascimento, velhice, morte, o inesperado e o amor.

Para entender essa perspectiva, você deve perceber que a religião é difícil de entender. As doutrinas freqüentemente também vão contra a intuição. Por exemplo, algumas religiões atribuem importância ao sacrifício. Seguir uma religião também pode ser extremamente caro. E em certos períodos, até custa vidas. As características positivas e negativas da religião podem pesar tão fortemente quanto. Isso significa que as pessoas provavelmente não estão escolhendo religiões apenas por causa de seus benefícios.

Em vez disso, podemos ver a religião como uma consequência não adaptativa das características adaptativas da cognição humana. Isto é, a religião é uma adaptação no nível cognitivo. Mas não é adaptativo em si mesma quando olhamos para todos os custos e benefícios que vêm com ela. A religião, como outros fenômenos culturais, é o resultado de um encontro entre médiuns cognitivos, comportamentais e físicos. Também se origina das limitações biológicas da nossa mente.

Habilidades psicológicas que criam religião
A religião vem de certas habilidades psicológicas que usamos para nos adaptar às circunstâncias da vida. Aqui estão alguns desses recursos:

  • Programas afetivos primários e secundários: as emoções que sentimos e como as interpretamos têm um impacto direto em nossa interação com outras pessoas. Acreditando em uma religião, temos outras reações afetivas com o nosso grupo do que com outros grupos. Claro, nossas reações serão mais afetivas com as pessoas do nosso próprio grupo. Expressar emoções dessa maneira foi bom para a nossa evolução porque beneficiou os grupos a que pertencíamos.
  • Inteligência social: a vida em grupo abriu o caminho para diferentes interpretações que serviram como proteção para o grupo. Escolher um ou outro deus é o resultado de pertencer a um grupo específico. E essa escolha acaba criando as diferenças entre os grupos. A diferença entre as escolhas garante a regulação e legitimação das relações que grupos com diferentes deuses provocam. E isso beneficia nosso próprio grupo.
  • Módulos cognitivos: são as caixas mentais que regulam nossa interpretação de ações e rituais. As pessoas entendem e justificam esses módulos através da religião. Nós entendemos e aceitamos todos os rituais da nossa religião. Enquanto isso, todos os rituais de outras religiões parecem estranhos e impossíveis de entender. Os rituais e ações de um grupo específico são implementados por meio desses mecanismos.

Religião como meio de sobrevivência

Como pessoas, tendemos a detectar agência (a capacidade de um ser autônomo agir). Também temos uma tendência a detectar a causa de uma ação, mesmo quando não há nenhuma. Por exemplo, nossa crença no sobrenatural vem da mesma adaptação cognitiva de nossos ancestrais. Eles interpretaram o som de uma brisa que sacudia um arbusto, por exemplo, como a presença de um tigre com dentes de sabre.

Essa interpretação foi útil porque ajudou as pessoas a sobreviver. Nesse sentido, os atos sobrenaturais eram apenas um subproduto da evolução. Que neste caso veio dos nossos sistemas de detecção de predadores.

Nesse sentido, a religião é a ferramenta que nossa mente usa para dar interpretações plausíveis a eventos dos quais não temos certeza. Nossas mentes reproduziram esses mecanismos e estruturas ao longo dos séculos para garantir que pertencêssemos a um grupo e sobrevivêssemos.

 

 

Artigo originalmente publicado no site VerkenJeGeest

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.

COMENTÁRIOS