Por: Karla Galleta

A palavra resiliência tem sua origem na língua latina, no termo resiliência que significa voltar, saltar para trás, se destacar, se recuperar. O termo foi adaptado às ciências sociais para caracterizar aquelas pessoas que, apesar de nascerem e viverem em situações de alto risco, desenvolvem-se psicologicamente saudáveis ​​e bem-sucedidas.

Resiliência é a capacidade dos seres vivos para lidar com a adversidade, trauma, tragédia, ameaças ou tensão forte e superar períodos de dor emocional, emergindo mais forte e chegar a um estado de excelência profissional e pessoal. Considera-se que as pessoas mais resilientes apresentam maior equilíbrio emocional diante de situações de estresse, suportando melhor a pressão. Isso lhes permite um senso de controle diante dos eventos e maior capacidade de enfrentar desafios.

“Você não sabe o quão forte você é, até que ser forte é a única opção que lhe resta.”
-Bob Marley

Deve-se dizer que a resiliência não é uma qualidade inata, não é impressa em nossos genes, embora possa haver uma tendência genética que possa predispor a ter um “bom caráter”. A resiliência é algo que todos podemos desenvolver ao longo da vida. Há pessoas que são resilientes porque tiveram em seus pais ou alguém próximo a elas um modelo de resiliência a seguir, enquanto outras encontraram seu caminho por conta própria. Isso nos diz que todos podemos ser resilientes, contanto que mudemos alguns de nossos hábitos e crenças.

De fato, pessoas resilientes não nascem, elas são feitas , o que significa que elas tiveram que lutar contra situações adversas ou tentaram várias vezes o gosto do fracasso e não desistiram. Ao se encontrarem à beira do abismo, deram o melhor de si e desenvolveram as habilidades necessárias para enfrentar os diferentes desafios da vida.

Ser resiliente não significa não sentir desconforto, dor emocional ou dificuldade diante da adversidade. A morte de um ente querido, uma doença grave, perda de trabalho, sérios problemas financeiros, etc., são eventos que têm um grande impacto nas pessoas, produzindo uma sensação de insegurança, incerteza e dor emocional.

Mesmo assim, as pessoas conseguem, em geral, superar esses eventos e se adaptar bem ao longo do tempo.

O caminho para a resiliência não é um caminho fácil, mas envolve considerável estresse e sofrimento emocional, apesar de que as pessoas tirar força permitindo-lhes continuar com suas vidas em face da adversidade ou tragédia. Mas como elas fazem isso?

A resiliência não é algo que uma pessoa tem ou não possui, mas envolve uma série de comportamentos e maneiras de pensar que qualquer pessoa pode aprender e desenvolver.

Então … O que caracteriza uma pessoa resiliente?

Pessoas resilientes têm três características principais: elas sabem aceitar a realidade como ela é; elas têm uma crença profunda de que a vida faz sentido; e elas têm uma capacidade inabalável de melhorar.

Também …

– Elas estão cientes de seu potencial e limitações. O autoconhecimento é uma arma muito poderosa para enfrentar adversidades e desafios, e as pessoas resilientes sabem como usá-lo em seu benefício. Essas pessoas sabem quais são suas principais forças e habilidades, bem como suas limitações e deficiências. Desta forma, podem ser traçados objetivos mais objetivos que não só levam em conta suas necessidades e sonhos, mas também os recursos disponíveis para elas.

– Elas são criativas. A pessoa com uma alta capacidade de resiliência não se limita a tentar acertar o vaso quebrado, ela está ciente de que este nunca mais será o mesmo. O resiliente fará um mosaico com os pedaços quebrados e transformará sua dolorosa experiência em algo belo ou útil. Do vil, traga o precioso.

– Elas confiam em suas habilidades. Por estar ciente de seu potencial e limitações, as pessoas resilientes confiam no que são capazes de fazer. Se algo os caracteriza, elas não perdem de vista seus objetivos e têm certeza do que podem alcançar. No entanto, elas também reconhecem a importância do trabalho em equipe e não se trancam, mas sabem quando é necessário pedir ajuda.

– Elas tomam as dificuldades como uma oportunidade para aprender. Ao longo da vida, enfrentamos muitas situações dolorosas que nos desencorajam, mas as pessoas resilientes são capazes de enxergar além desses momentos e não desanimam. Essas pessoas assumem crises como uma oportunidade para gerar mudanças, aprender e crescer. Elas sabem que esses momentos não serão eternos e que seu futuro dependerá da maneira como reagem. Quando confrontados com a adversidade, se perguntam: o que eu posso aprender com isso?

– Praticam atenção plena ou plena consciência. Mesmo sem ter consciência dessa prática milenar, as pessoas resilientes têm o hábito de estar plenamente presentes, de viver no aqui e agora e de ter uma grande capacidade de aceitação. Para essas pessoas, o passado é parte de ontem e não é uma fonte de culpa e ansiedade, enquanto o futuro não as sobrecarrega com sua parcela de incertezas e preocupações. Elas são capazes de aceitar experiências à medida que surgem e tentam tirar o máximo proveito delas. Elas apreciam os pequenos detalhes e não perdem a capacidade de se impressionar com a vida.

– Elas veem a vida com objetividade, mas sempre através de um prisma otimista. As pessoas resilientes são muito objetivas, sabem qual é seu potencial, os recursos disponíveis para elas e seus objetivos, mas isso não significa que elas não sejam otimistas. Por estar ciente de que nada é completamente positivo ou negativo, se esforçam para se concentrar nos aspectos positivos e aproveitar os desafios. Essas pessoas desenvolvem um otimismo realista, também chamado otimismo, e estão convencidas de que não importa quão escuro seja o dia, o dia seguinte pode ser melhor.

– Elas estão cercadas por pessoas que têm uma atitude positiva. As pessoas que praticam a resiliência sabem como cultivar suas amizades, então elas geralmente são cercadas por pessoas que mantêm uma atitude positiva em relação à vida e evitam aqueles que se comportam como vampiros emocionais. Dessa forma, conseguem criar uma sólida rede de suporte que pode apoiá-las nos momentos mais difíceis.

– Elas não tentam controlar situações. Uma das principais fontes de tensão e estresse é o desejo de controlar todos os aspectos da nossa vida. É por isso que, quando algo nos escapa de nossas mãos, nos sentimos culpados e inseguros. No entanto, as pessoas resilientes sabem que é impossível controlar todas as situações, aprenderam a lidar com a incerteza e sentem-se à vontade mesmo que não tenham controle.

– Elas são flexíveis em face de mudanças. Mesmo que as pessoas resilientes tenham uma auto-imagem muito clara e saibam exatamente o que querem alcançar, elas também têm flexibilidade suficiente para adaptar seus planos e mudar seus objetivos quando necessário. Essas pessoas não se fecham para mudar e estão sempre dispostas a valorizar diferentes alternativas, sem se agarrarem obsessivamente aos seus planos iniciais ou a uma única solução.

– Elas são tenazes em seus propósitos. O fato de as pessoas resilientes serem flexíveis não implica que elas renunciem a seus objetivos, pelo contrário, se algo as distingue é sua perseverança e capacidade de lutar. A diferença é que elas não lutam contra os moinhos de vento, mas aproveitam o sentido e o fluxo da corrente com ela. Essas pessoas têm uma motivação intrínseca que as ajuda a se manterem firmes e a lutar pelo que elas propõem.

– Elas enfrentam a adversidade com humor. Uma das características essenciais das pessoas resilientes é seu senso de humor, elas são capazes de rir da adversidade e fazer uma brincadeira com seus infortúnios. O riso é o seu melhor aliado, porque o ajuda a permanecer otimista e, acima de tudo, permite que você se concentre nos aspectos positivos das situações.

– Elas buscam a ajuda de outros e apoio social. Quando as pessoas resilientes passam por um evento potencialmente traumático, seu primeiro objetivo é superá-lo, por isso, elas estão cientes da importância do apoio social e não hesitam em procurar ajuda profissional quando precisam.

Os benefícios da resiliência

* As pessoas mais resilientes têm uma melhor auto-imagem

* Elas se criticam menos

* Elas são mais otimistas

* Elas enfrentam os desafios

* Elas são fisicamente mais saudáveis

* São mais bem sucedidas no trabalho ou estudos

* Elas estão mais satisfeitas com seus relacionamentos

* Elas são menos predispostas à depressão

O que contribui para uma pessoa ser mais resiliente?

– O apoio emocional é um dos principais fatores. Tendo em sua vida pessoas que amam você e te apoiam e em quem você pode confiar, você fica muito mais resiliente do que se estivesse sozinho.

– Permita-se sentir emoções intensas sem temê-las ou fugir delas e, ao mesmo tempo, ser capaz de reconhecer quando precisa evitar sentir alguma emoção e centrar sua mente em alguma distração.

– Não fuja dos problemas, mas confronte-os e procure soluções. Implica ver problemas como desafios que você pode superar e não como ameaças terríveis.

– Tire um tempo para descansar e recuperar forças, sabendo o que você pode exigir e quando você deve parar.

– Confie em você e nos outros.

O principal objetivo de difundir o conceito de resiliência é contribuir para a consciência de que todas as pessoas têm essa característica, mas que a implantação depende de todos nós, se nos oferecermos oportunidades mútuas.

Eu terminarei este artigo com uma citação de Marc Levy que diz: O tempo cura todas as feridas, mesmo que isso deixe cicatrizes. Ou, se você me permitir modificar ligeiramente o compromisso:

“A resiliência cura todas as feridas, embora deixe cicatrizes.”

Por: Karla Galleta

Artigo extraído do site Rincón del Tibet

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.

COMENTÁRIOS