Um ‘lembrete doloroso’ de um passado sombrio e vergonhoso, diz o primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau.

Os restos mortais de 215 crianças, algumas com apenas três anos de idade, foram encontrados no local de uma antiga escola residencial para crianças indígenas, uma descoberta que o primeiro-ministro canadense Justin Trudeau descreveu como dolorosa na sexta-feira.

As crianças eram estudantes da Kamloops Indian Residential School, na Colúmbia Britânica, que fechou em 1978, de acordo com a Nação Tk’emlúps te Secwépemc, que disse que os restos mortais foram encontrados com a ajuda de um especialista em radar de penetração no solo.

“Tínhamos um conhecimento em nossa comunidade que podíamos verificar”, disse a chefe Rosanne Casimir do Tk’emlúps te Secwépemc em um comunicado. “Neste momento, temos mais perguntas do que respostas.”

O sistema de escolas residenciais do Canadá , que separou à força as crianças indígenas de suas famílias, constituiu um “genocídio cultural”, uma investigação de seis anos sobre o agora extinto sistema descoberto em 2015.

O relatório documentou abusos físicos horríveis, estupro, desnutrição e outras atrocidades sofridas por muitas das 150.000 crianças que freqüentavam as escolas, normalmente administradas por igrejas cristãs em nome de Ottawa entre 1840 e 1990.

Ele descobriu que mais de 4.100 crianças morreram enquanto frequentavam uma escola residencial. Acredita-se que as mortes das 215 crianças enterradas no terreno do que já foi a maior escola residencial do Canadá não foram incluídas nessa cifra e parecem não ter documentos até a descoberta.

Trudeau escreveu em um tweet que a notícia “parte meu coração – é uma dolorosa lembrança daquele capítulo sombrio e vergonhoso da história de nosso país”.

Em 2008, o governo canadense se desculpou formalmente pelo sistema.

A Nação Tk’emlúps te Secwépemc disse que estava se envolvendo com o legista e alcançando as comunidades de origem cujos filhos frequentavam a escola. Eles esperam ter descobertas preliminares em meados de junho.

Em um comunicado, o chefe regional da Assembleia das Primeiras Nações da Colúmbia Britânica, Terry Teegee, chamou a descoberta de tais túmulos de “trabalho urgente” que “refresca a dor e a perda de todas as Primeiras Nações na Colúmbia Britânica”.

Com informações do G1

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.