É o nome de uma boate agitada na Croácia e uma minúscula pousada no sul da China. Judi Dench até mandou tatuar em seu pulso para seu aniversário de 81 anos. Com mais de dois mil anos, uma frase de um idioma morto recebe 25 milhões de resultados de pesquisa on-line: carpe diem.

É uma mensagem encontrada em filmes de Hollywood, como a Sociedade dos Poetas Mortos ; em uma das campanhas de marca de maior sucesso do último século (Just Do It); e na hashtag de mídia social #yolo (você só vive uma vez).

É notável que uma expressão de uma linguagem antiga tenha gerado mais de 25 milhões de resultados de pesquisa on-line. Ainda assim, é impressionante o fato de que não há um carpe diem, mas muitos. Embora normalmente traduzido como “aproveite” o dia, o latim original é às vezes traduzido como “colheita”, “depena” ou “aproveita” o dia. Essas variações nos dizem que carpe diem significa coisas diferentes para pessoas diferentes. Para alguns, trata-se de aproveitar uma oportunidade única na vida, enquanto, para outros, é sobre se entregar ao hedonismo selvagem ou viver com calma no momento presente. Podemos usar casualmente o termo carpe diem quando conversamos com um amigo, mas quão conscientes estamos de suas muitas personalidades escondidas sob a superfície?

Em nossa era de distração, em que estamos checando nossos telefones em média 110 vezes por dia, compreender esses diferentes significados é mais importante do que nunca. Eles são um antídoto para a realidade de que nós somos, como disse Keating (e também Shakespeare) dos Poetas Mortos , “alimento para vermes”. A vida é curta e nosso tempo está se esgotando.

Mas aqui está o problema: carpe diem foi sequestrado, e o resultado é que seu potencial para transformar nossas vidas está rapidamente se esvaindo de nós. Esse seqüestro é um crime existencial do século – e um mal que notamos. Quem, ou o quê, são os sequestradores? Primeiro, o espírito de “aproveitar o dia” foi sub-repticiamente seqüestrado pela cultura do consumidor, que o reformulou como compras na black-frie e compras com apenas um clique: Just Do It passou a significar apenas comprar.

Um terceiro sequestrador é o entretenimento digital 24 horas por dia, sete dias por semana, que está substituindo experiências de vida vibrantes por prazeres indiretos baseados na tela. Ao invés de Just Do It, nós cada vez mais apenas assistimos.

Finalmente – e embora possa parecer contra-intuitivo – carpe diem foi sequestrado pelo movimento mindfulness. Embora a atenção plena tenha muitos benefícios comprovados, desde reduzir o estresse até ajudar com a depressão, uma de suas conseqüências não intencionais tem sido encorajar a ideia estreita de que aproveitar o dia é principalmente sobre viver no aqui e agora. Just Do It tornou-se apenas respirar.

Confrontada por esses quatro sequestradores, a arte de aproveitar o dia está desaparecendo e precisamos urgentemente fazer algo a respeito, ou arriscar perder o contato com a sabedoria carpe diem da humanidade que se acumulou nos últimos dois milênios.

Minha esperança é nos acordar para a promessa da máxima de Horace, para que não cheguemos aos nossos últimos dias olhando para a vida com pesar. O prêmio que oferece é grande: nada menos que o dom da vivacidade radical ou, para pegar emprestada uma frase de Henry David Thoreau , a possibilidade de “viver fundo e sugar toda a medula da vida”.

Chegou a hora de reclamar carpe diem.

Paralelamente a isso, encontra-se o crescente culto da eficiência e da gestão do tempo que nos conduziu a uma vida hiper-programada, transformando a espontaneidade de Just Do It em uma cultura de Just Plan It.

 

 

 

Fonte: Extraído, traduzido e adaptado de Propect Magazine

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.