Adele Lim and Peter Chiarelli at the Annual 2018 Unforgettable Gala hosted by Character Media at the Beverley Hilton on December 8, 2018 in Los Angeles, CA

“Crazy Rich Asians” foi inovador; o filme não apenas ajudou a ressuscitar a rom-com, um gênero que se acredita estar morto, mas também abriu o caminho para a representação asiática em Hollywood. O filme estreou no primeiro lugar nas bilheterias e faturou quase US $ 238,5 milhões em todo o mundo, provando que a inclusão também é viável. Mas quando se trata de compensar as escritoras asiáticas, “Crazy Rich Asians”é negócio como sempre.

A co-roteirista do filme, Adele Lim, deixou a franquia depois de descobrir que seu colega, Peter Chiarelli, receberia dez vezes mais que ela na sequência. Embora Lim não tenha especificado o quanto mais Peter Chiarelli, seu co-roteirista, estaria recebendo pelo trabalho, o Hollywood Reporter afirmou que a oferta inicial de Chiarelli era de 800 mil a 1 milhão de dólares, enquanto a de Lim era de 110 mil.

As cotações são definidas com base na experiência e, segundo o Hollywood Reporter, a Warner Bros. não queria “estabelecer um precedente preocupante nos negócios”, pagando a Lim mais dinheiro. Lim tinha vários créditos na TV, mas nenhum crédito antes antes de “Crazy Rich Asians” ( ‘Podres de Ricos’ no Brasil).

Não se trata apenas do dinheiro, mas da injustiça sistêmica por trás da disparidade salarial. É mais difícil para as mulheres adquirirem a experiência que lhes permite obter uma cotação mais alta em primeiro lugar. Como você alcança esse nível quando as portas estão fechadas por causa de sua raça ou sexo? “Se eu não conseguisse obter remuneração após o Crazy Rich Asians, não consigo imaginar como seria para ninguém, já que o padrão de quanto você vale é ter estabelecido citações de filmes anteriores, que mulheres de cor nunca foram [contratadas]. Não existe uma maneira realista de alcançar a verdadeira equidade dessa maneira “, disse Lim ao Hollywood Reporter.

A taxa mais baixa também implica que o trabalho de Lim é menos valioso do que o de seu colega masculino, apesar do fato dela ter trazido muito para a mesa, fornecendo nuances que seu co-roteirista não conseguiu por causa de sua raça e gênero. “Ser avaliada dessa maneira não pode deixar de fazer você sentir que é assim que eles veem minhas contribuições”, disse Lim. Ela também sente que mulheres e pessoas de cor são usadas como “molho de soja”. Em outras palavras, elas estão lá apenas para adicionar um sabor cultural ao projeto.

Lim deixou o projeto no outono passado. A Color Force (a empresa de produção por trás de “Crazy Rich Asians”) passou cinco meses procurando outro escritor de ascendência asiática para substituí-la, o que meio que reforça todo o ponto de “molho de soja” de Lim. Chiarelli ofereceu dividir seu salário com Lim, e a Color Force voltou para ela com uma oferta que a colocaria em pé de igualdade com Chiarelli. Lim recusou dizendo. “Pete tem sido incrivelmente gentil, mas o que eu faço não deve depender da generosidade de um homem”, disse ela.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.