As ruínas de um antigo palácio que remonta a cerca de 3400 anos atrás surgiram devido à seca. Isso aconteceu no Curdistão e, segundo os pesquisadores, seria uma das descobertas mais importantes das últimas décadas.

A natureza se transforma e a queda do nível da água na bacia da represa de Mosul, no rio Tigre, levou à descoberta de uma civilização da qual pouco se sabe, Mitanni e o reino que, na segunda metade do segundo milênio aC, ocupava o norte da Mesopotâmia, cruzando as áreas do norte do Iraque e da Síria.

“É uma das descobertas mais importantes das últimas décadas”, diz o arqueólogo curdo Hasan Ahmed Qasim, deixando claro que existem casas grandes, um cemitério, uma rede de estradas e um palácio.

Universidade de Tübingen eScience Cente / Organização de Arqueologia do Curdistão

Em particular, seria o palácio de Kemune, que ficava a alguns metros do Tigre e era composto de tijolos de barro; no interior, pinturas azuis e vermelhas foram descobertas.

“Também encontramos restos de pinturas em tons brilhantes de vermelho e azul. No segundo milênio aC, os murais eram provavelmente uma característica típica de edifícios no antigo Oriente Médio, mas raramente os encontramos preservados. Portanto, descobrir pinturas em parede em Kemune é uma descoberta incrível “, diz Ivana Puljiz, arqueóloga sênior da Universidade de Tübingen.

Os afrescos estão em paredes com dois metros de espessura e sete metros de altura, testemunhando uma estrutura muito imponente e um certo relevo arquitetônico. As escavações revelaram vestígios de 8 salas diferentes e as tábuas de barro poderiam nos levar de volta à cidade de Zakhiku.

Muito pouco se sabe sobre o império Mitanni, tanto que a própria capital, provavelmente Waššukanni, nunca foi identificada. O que sabemos é que o reino governou uma parte da Mesopotâmia entre os séculos XVIII e XIII aC, com a população composta por Hurriti.

CNN – Foto: Universidade de Tübingen

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.