O aspecto mais interessante de assumir a educação emocional de seus filhos é que, através dela, eles mudam a química de seus cérebros ou, em outras palavras, lhes dão a oportunidade de controlar sua biologia.

A influência negativa e penetrante da mídia, as más práticas educacionais ou a falta de respeito pelas escolas ou pela sociedade estão minando as capacidades emocionais de nossos filhos.

É inevitável que essas mudanças sociais ocorram, devemos aceitá-lo, mas o que temos em nossas mãos são ferramentas para melhorar a saúde emocional de nossos filhos. O que podemos fazer? Na realidade, é muito simples, vamos ver juntos.

Que o sorriso sirva como guarda-chuva

Sabendo que a serotonina é o principal hormônio da regulação do nosso estado mental, podemos ajudar nosso cérebro a produzi-lo naturalmente. Para regulá-lo, é suficiente manter uma dieta saudável, dormir o suficiente ou se exercitar regularmente.

Para que as crianças tenham uma saúde emocional adequada, precisamos introduzir esses hábitos em suas vidas. Desta forma, seus cérebros se encontrarão em condições ideais para evitar a sobrecarga de energia resultante do estresse e do medo.

Deve ser enfatizado, como uma curiosidade, que os pesquisadores dizem que dizer aos nossos filhos para sorrir e que as coisas vão bem é realmente útil. De fato, à luz dos dados, emerge que os seres humanos podem equilibrar seus níveis de serotonina com um simples sorriso.

Quando sorrimos, nossos músculos faciais se contraem, o que reduz o fluxo sanguíneo nas veias do rosto. Isso, por sua vez, faz com que o sangue esfrie, portanto a temperatura do córtex cerebral é reduzida, uma condição que resulta na produção de serotonina.

Brincar é o trabalho de crianças
O que comentamos até agora confirma a ideia de que coisas pequenas são muito importantes. No entanto, se há uma maneira de articular a aprendizagem emocional infantil, é através do jogo.

A melhor maneira de ensinar-lhes habilidades que lhes permitam gerenciar emoções é através do jogo; Desta forma, oferecer a oportunidade de aprender e implementar novas formas de sentir, pensar e agir.

Além disso, podemos nos tornar parte integrante do processo de aprendizado emocional de uma maneira tremendamente eficiente. De fato, uma vez que uma dinâmica atrativa é introduzida, a curiosidade e repetição que a criança irá ativar em relação a algo que ele gosta fará o resto do trabalho.

Por exemplo, quando uma criança enfrenta um medo, é bom ajudá-la a se sentir identificada com um personagem fictício que admira. Desta forma, podemos brincar com ele / ela imaginando o que seu ídolo faria em seu lugar, se ele fosse enfrentar uma situação complicada.

Se organizarmos uma série de jogos desse tipo ou outros, como fantoches, relaxamento ou exploração corporal, poderemos fazer com que a criança adquira as habilidades necessárias para administrar suas emoções.

Isso também se traduzirá em um agradecido auto-reconhecimento, que estimulará o interesse das crianças em trabalhar em aspectos que ainda não conseguem entender a complexidade. Graças a isso, cultivaremos o desenvolvimento de uma auto-estima saudável, baseada no respeito próprio e na realização real e pessoal de nossos sucessos.

Elementos-chave para aumentar as habilidades emocionais
Como dissemos antes, às vezes é muito simples poder cultivar nossos filhos de maneira equilibrada. É o suficiente para alimentá-los com amor, para que seus medos e problemas emocionais morram de fome. Vamos ver como fazer isso em 3 etapas simples:

1. Oferecendo uma casa, um lugar onde eles se sentem seguros e protegidos   

Uma casa é construída com as emoções das pessoas que a compõem. Centenas de brinquedos no quarto das crianças são inúteis se não compartilharmos nosso amor com elas com carinho e cuidado.

2. Falando carinhosamente

Quando as crianças fazem malcriação ou se comportam agressivamente, geralmente recorremos a estratégias de rejeição em relação à pessoa. É como dizer “eu não te amo mais” ou “você é ruim”; Desta forma, no entanto, não lhes permitimos entender que o que não é bom é o que eles fizeram (ou o seu comportamento) e não o seu valor.

Por essa razão, a mensagem que precisamos transmitir é “não é bom o que você fez”, mas para não prejudicar sua auto-estima e não questionar nossos sentimentos por eles.

3. Dando o nosso tempo, interesse e o desejo de enfrentar os desafios que nos propõem

O que nossos filhos vêem em nós não o vê em mais ninguém, eles nem imaginam isso. Por esta razão, é essencial dar-lhes tudo de nós e oferecer uma visão do seu mundo quente e incondicional.

Do site La Mente è Maravigliosa

Ilustração da capa: Karin Taylor – artista australiana

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.