Por Silvia Golubizky

Os Simpsons, são um dos ícones mais importantes da cultura POP. Existem aqueles que os amam, há aqueles que os odeiam, mas ninguém permanece indiferente a eles.

A verdade é que “Os Simpsons” tem sido a causa de muitas polêmicas. George Bush pai, promoveu uma de suas campanhas dizendo: “Queremos que as famílias da América [dos Estados Unidos] sejam mais parecidas com as Wallon e menos com os Simpsons”.

“Os Simpsons” constitui uma das críticas mais ácidas e agudas da cultura ocidental.  Cai a figura patriarcal do homem idealizado, um ser brutalizado pelo trabalho insalubre e alienação ao cruel sistema capitalista. Mostra a realidade dos professores, dos ecologistas, dos intelectuais, dos ricos, dos roqueiros … da caneta de Matt Groening, parece que ninguém se salva.

É muito interessante ver paralelos que, claramente saltam aos olhos, entre o segundo tópico de Freud e Os Simpsons.

Em seu segundo tópico, Freud falou de três entidades psíquicas: Ele, Eu e Supereu. As vidas dos seres humanos pobres estão divididas entre os conflitos dessas três partes dos sujeitos.

O Ele é totalmente inconsciente, o reservatório de todas as pulsões. Dos impulsos positivos e negativos e a única coisa que procura é se satisfazer. Qual personagem de Simpson nos lembra? Eu acho que todos os leitores descobriram: Homer. Impulsivo, autodestrutivo, infantil e primitivo. Louco. Sem nenhum registro de autopreservação.

Em segundo lugar, temos o Eu. O Eu é formado, através do narcisismo, tem a ver com a imagem que temos de nós mesmos (pessoas de personalidades estáveis). Tem a ver com perfeição, com bons hábitos, conhecimento, consciência, raciocínio, regulação. Serve para que o Ele, ocasionalmente, possa satisfazer esses impulsos malucos para que não se autodestrua no contato com o exterior. Ele regula isso. De quem isso nos lembra? Com certeza você já adivinhou: Lisa. Embora Lisa nem sempre seja colocada no lugar onde ela regula o pai, ela é sempre aquela que traz a voz da razão, que tenta conciliar e colocar “sanidade”.

Terceiro, nós temos Supereu. O Supereu é descrito por Freud como a consciência moral. Uma consciência moral obscura, que por sua vez é o defensor da autodestruição do mesmo. Disfarça os impulsos do Ele, com todo seu lado patológico, da moralidade. Por exemplo, em um neurótico obsessivo, lavar as mãos até obter feridas, é impulsionado por um Supereu que constantemente lhe diz que está sujo. É uma entidade encarregada de cumprir os ideais sociais, mas quando se torna um defensor do id, ajuda a manter o sujeito em satisfações patológicas. Marge, que limpa os desastres de Homer, ri quando quer perder peso e quando não faz desastres entra em depressão profunda, representa esse exemplo. Marge é alienada do sistema, ela segura com todo seu coração e apesar de si mesma. Ela diz a Lisa: “Os garotos gostam de deixá-los ganhar e … outras coisas que eu explicarei quando você crescer”. Dando uma compreensão clara de que ela deve ser uma vítima sacrificial em favor da moralidade e do apoio da família.

Agora, o que podemos dizer sobre o resto dos membros da família? Bart é de alguma forma para essa família, qual é o sintoma para o neurótico. Ele herda o impulsivo e confuso do Ele-Homer, mas há uma criação nele. Existem metáforas, travessuras e muitas vezes autodestruição. É pela mesma razão, alguém que sabe se apaixonar (o amor é um sintoma). No entanto, sempre entra em conflito com a família porque é responsável pelo desastre e pelo caos.

Algo surpreendente, é que quando Lisa e Bart se juntam ou brincam, eles conseguem coisas fantásticas. Da mesma forma, quando as pessoas aprendem a ouvir seus sintomas e usar sua criatividade, coisas surpreendentes surgem … às vezes até se apaixonam.

E Maggie? Representa o projeto de vida do neurótico. Muda, nunca cresce. É impossível crescer com tanto conflito? Nunca poderia crescer porque nunca a deixaram falar? Da mesma forma, quando as pessoas se recusam a falar, elas não conseguem crescer ou projetar-se no futuro.

Artigo escrito por Silvia Golubizky (Psicóloga. Especializada em Gênero e Desenvolvimento)

Via PsicologiaSinp

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.

COMENTÁRIOS