Artigo originalmente publicado em brainpickings

“A amizade é desnecessária”, escreveu C.S. Lewis, “como filosofia, como arte,
como o próprio universo… não tem valor de sobrevivência; antes, é uma
daquelas coisas que dão valor à sobrevivência ”.

Advertências darwinistas à parte, a verdade desse belo sentimento ressoa
profundamente por qualquer pessoa cuja vida tenha sido enriquecida ou mesmo
salva pela existência de um amigo genuíno.

E, no entanto, hoje, quando enfrentamos a mercantilização da palavra “amigo”, o
que queremos dizer – o que devemos dizer – com esse termo antes sagrado,
agora sem significado por uso incorreto crônico?

É o que o grande filósofo romano do século I, Sêneca, examina em uma série de
correspondência com seu amigo Lucílio Júnior, mais tarde publicado como
Letters from a Stoic – o indispensável tesouro da sabedoria
que nos deu a famosa carta de Sêneca sobre vencer o medo e inocular -se
contra o infortúnio.

Dezoito séculos antes de Emerson escrever em sua meditação sobre os dois
pilares da amizade que “um amigo é uma pessoa com quem se pode ser
sincero”, Sêneca considera os abusos e usos errados do termo em uma
magnífica carta intitulada “Sobre a verdadeira e a falsa amizade”:

“Se consideras a qualquer homem um amigo em quem não confia, como confia
em si mesmo, estás cometendo um grande erro e não entendes o que significa a amizade
verdadeira… Quando a amizade é estabelecida, deves confiar; antes que a
amizade seja formada, você deve julgar. Essas pessoas, de fato, põem a última
em primeiro lugar e confundem seus deveres, que … julgam um homem depois
de terem feito dele seu amigo, em vez de fazê-lo seu amigo depois de tê-lo
julgado. Pondere por muito tempo se você admitirá uma determinada pessoa à
sua amizade; mas quando você decidiu admiti-lo, recebê-lo com todo seu
coração e alma. Fale tão corajosamente com ele quanto com você mesmo …
Considere-o leal e você o fará leal.”

Em outra carta, intitulada “Sobre Filosofia e Amizade”, Sêneca examina as
bases comuns nas quais as amizades são formadas e adverte contra a
tendência, particularmente comum hoje em dia, de ver os outros como
ferramentas utilitárias que ajudam a promover seus objetivos pessoais.
Observando que algumas pessoas formam as chamadas amizades estimando o
quanto um amigo em potencial pode ajudá-las em um momento de necessidade,
ele escreve:

“Aquele que considera apenas a si mesmo, e entra em amizades por esse motivo, calcula erroneamente. O fim será como o começo: ele fez amizade com alguém que poderia ajudá-lo a sair do cativeiro; no primeiro chocalho da corrente, um amigo assim o abandonará. Estas são as chamadas amizades de “bom tempo”;
Quem é escolhido por utilidade só será fundamental enquanto for útil. 

Daí, também, notamos aqueles muitos casos vergonhosos de pessoas que, por
medo, abandonam ou traem. O começo e o fim não podem deixar de se
harmonizar. Aquele que precisa pagar para ser seu amigo, também, em algum momento, vai cessar a amizade porque precisa pagar. Um homem será atraído por alguma recompensa oferecida em troca de sua amizade, se se sente atraído por uma amizade que não seja a própria amizade.”

Com vistas a tais arranjos de conveniência e favor, que ele condena como “uma
barganha e não uma amizade”, Sêneca acrescenta:

“Aquele que busca amizade para ocasiões favoráveis, retira-lhe toda a sua
nobreza.”

Em outra carta, Sêneca adverte contra confundir lisonja por amizade – uma
advertência ainda mais urgente hoje, na Era dos Likes, quando as formas de
lisonja e os canais de reforço positivo proliferaram a um grau desorientador:

Quão de perto a lisonja se parece com a amizade! Não apenas estimula a
amizade, mas a supera, passando-a na corrida; com ouvidos escancarados e
indulgentes é bem-vinda e afunda até as profundezas do coração, e é agradável
precisamente onde lhe dói mais.”

Ele direciona o raio de sua sabedoria para a única razão válida e nobre para
formar uma amizade:

“Com que propósito, então, faço de um homem meu amigo? A fim de ter alguém
por quem eu possa morrer, a quem posso seguir em exílio, contra cuja morte eu
possa tirar minha própria vida, e pagar a promessa também.”

Em outra carta, Sêneca sugere que essa amizade genuína estende suas
recompensas para além do âmbito pessoal e se torna a cola civilizacional que
une a humanidade:

“A amizade produz entre nós uma parceria em todos os nossos interesses. Não
existe coisa boa ou má fortuna para o indivíduo; nós vivemos em comum. E
ninguém pode viver feliz considerando apenas a si mesmo e transformando tudo
em uma questão de sua própria utilidade; você deve viver para o seu próximo, se
queres viver para si mesmo. Esta comunhão, mantida com escrupuloso cuidado,
que nos faz misturar como homens com nossos semelhantes e sustenta que a
raça humana tem certos direitos em comum, também é de grande ajuda para
nutrir a comunhão mais íntima que é baseada na amizade … o que tem muito em
comum com um companheiro terá todas as coisas em comum com um amigo.”

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.