Dilaminou Theila sobe com confiança no palco em um bairro de classe trabalhadora na capital litorânea do Senegal, Dacar, para recitar versos livres sobre o amor.

“Como o filho pródigo / Decidi descobrir o mundo e suas seduções / Mas só consegui tristeza”, declara ela, em francês, recebendo aplausos estrondosos de cerca de 50 entusiastas da poesia slam.

Theila, uma estudante de direito do segundo ano e cidadã do Gabão, é uma entre um número crescente de pessoas atraídas pela próspera cena de slam na metrópole da África Ocidental.

No distrito de Medina de Dakar, dezenas de slammers – muitos deles jovens estilosos – se reuniram para uma das primeiras noites de microfone aberto após um hiato de um ano causado pela pandemia de Covid-19.

Colonialismo, lugar da África no mundo, feminismo e amor são temas recorrentes entre os poetas, que costumam recitar seus versos em uma leitura rápida em seus smartphones.

“Slam, para nós, é uma forma de expressão para nos libertarmos”, disse Theila à AFP após deixar o palco.

“Eu vim hoje à noite e não esperava recitar”, disse ela, sugerindo que estava inspirada para se apresentar por causa da atmosfera contagiante.

A poesia slam, um gênero de verso falado influenciado pela música hip-hop, é popular em toda a África de língua francesa.

Mas o Senegal tem uma tradição particularmente forte dessa forma de arte. O senegalês Abdourahamane Dabo, que morreu no ano passado, ganhou o primeiro torneio africano em 2018.

Todas as 14 regiões do país têm associações de slam, segundo o presidente da Slam League do Senegal, Omar Keita, além de vários grupos de escolas e universidades.

“Mais e mais pessoas estão interessadas”, disse Keita, acrescentando que até mesmo escritores e diretores de teatro consagrados esperam que o slam lhes traga novos públicos.

  • ‘A terapia mais barata’ –

A rica tradição literária de uma nação de 16 milhões de habitantes pode contribuir para a popularidade da poesia slam, sugeriu Keita.

Griots – uma casta de contadores de histórias, cantores e historiadores orais – desempenhou um papel importante na cultura tradicional do Senegal.

Mas o Senegal também tem uma tradição literária vibrante. O autor senegalês Mohamed Mbougar Sarr ganhou o principal prêmio literário da França, o Prix Goncourt, em outubro, e o primeiro presidente do país, Leopold Senghor, foi um poeta renomado.

“Estamos próximos dos poetas clássicos”, disse Keita, o presidente da Slam League.

Vários slammers entrevistados pela AFP sugeriram que a forma lhes permitia misturar interesses em hip hop e literatura. Muitos também apontaram para uma sensação de alívio ao recitar no palco.

“É uma arte que me permite me libertar, dizer em voz alta o que penso e aliviar toda a pressão que recebo frequentemente na vida”, disse Mbeley Moussa Ndiaye, uma das coordenadoras da noite de microfone aberto em Medina.

O jovem de 31 anos que atende pelo nome artístico de “Dinstroy” é consultor tributário, mas continua comprometido com o hobby que começou na juventude.

“Consideramos que a terapia mais barata do mundo são as letras, é o slam”, diz Ndiaye.

Na noite do microfone aberto, os slammers alternam entre diferentes idiomas, tocando em tópicos arriscados, como sexo ou violência doméstica.

A maior parte da poesia slam no Senegal é francesa, mas a língua dominante wolof também é amplamente ouvida.

Nem todos entendem, mas um dos organizadores do evento, Nzengue Ulrich, ressalta que nem sempre as palavras precisam ser entendidas.

“O que nos move é outra coisa: o ritmo do texto da pessoa”, disse.

Africa News

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.