O Goncourt, o mais prestigiado prémio literário francês, foi atribuído esta quarta-feira a Mohamed Mbougar Sarr, do Senegal, que aos 31 anos se torna o primeiro escritor da África Subsariana a ser homenageado com este prémio.

Ele também é um dos mais jovens vencedores.

O jovem de trinta anos obteve seis votos no primeiro turno, anunciou Philippe Claudel, secretário-geral do Goncourt, no restaurante Drouant, para “A mais secreta memória dos homens” (publicado por Philippe Rey), romance inspirado no destino amaldiçoado do escritor maliense Yambo Ouologuem.

“Sinto muita alegria. Muito simplesmente”, disse à imprensa ao chegar a Drouant, no coração de Paris.

“Não existe idade na literatura. Pode-se chegar muito jovem, ou aos 67, aos 30, aos 70 e ainda ser muito velho”, acrescentou.

Outras vozes foram para Sorj Chalandon para “Enfant de salaud” e para o haitiano Louis-Philippe Dalembert para “Milwaukee Blues”. Nenhum deles foi a Christine Angot para “Le Voyage dans l’Est”, que ganhou o Prix Médicis na semana passada.

“Com este jovem autor, estamos de volta ao básico do testamento do Goncourt. 31 anos, alguns livros pela frente. Esperemos que o Goncourt não perca a vontade de continuar”, comentou Philippe Claudel, do júri.

“Isso foi feito na primeira rodada. Está escrito de forma extravagante. É um hino à literatura”, disse Paule Constant, outra integrante do júri.

Mohamed Mbougar Sarr sucede Hervé Le Tellier, cujo romance “L’Anomalie” foi premiado no ano passado em uma cerimônia em videoconferência, por causa da crise de saúde relacionada ao Covid-19.

O Prémio Goncourt, atribuído por um júri de sete homens e três mulheres, dá direito a um cheque de 10 euros mas garante vendas de centenas de milhares de exemplares. Hervé Le Tellier chegou a ultrapassar um milhão de cópias em menos de um ano.

O prémio Renaudot, anunciado pouco depois no mesmo local, foi atribuído à belga Amélie Nothomb pelo “Primeiro Sangue”, dedicado ao seu pai, falecido em 2020.

Informações do UOL

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.