Os matadouros estão se mostrando um dos lugares mais perigosos na disseminação do coronavírus. E nos Estados Unidos a controvérsia está aumentando por ter escondido as infecções que ocorreram dentro deles.

Em uma instalação da Carolina do Norte, os testes encontraram casos positivos, mas as autoridades se recusam a divulgar informações sobre o assunto. Mas a fábrica de processamento de frango passou por extensos testes para o Covid-19 desde o início de junho.

Os trabalhadores estavam assustados. Vários funcionários já alcançaram resultados positivos e, apesar disso, a Case Farms, condenada repetidamente pelo tratamento de animais e violações dos direitos dos trabalhadores, não forneceu equipamento de proteção adequado.

Trabalhamos de mãos dadas e é impossível manter distância, mas tentamos encobrir uma situação que atingiu o limite.

“Não temos muito espaço. Nós somos ombro a ombro. Tenho medo de ir trabalhar, mas tenho que ir para lá de qualquer maneira “, explica um trabalhador. No final, 150 casos foram positivos: em 8 de junho, o Departamento de Saúde do Condado de Burke, onde está localizada a unidade de Case Farms, registrou 136 novos casos da Covid, um aumento de 25%. No entanto, nem a empresa, nem os oficiais do condado, nem o departamento de saúde queriam confirmar que o surto ocorreu dentro da Case Farms.

Nos matadouros, é impossível, de fato, manter distâncias seguras, água, umidade, vapor, presença de fezes e sangue de animais criando uma bomba bacteriológica.

Durante o bloqueio, muito poucos matadouros fecharam. No restante das estruturas, frequentemente trabalhadores estrangeiros e explorados eram forçados a trabalhar com medo.

Não devemos esquecer que, no final de abril, quando surgiram surtos em fábricas de processamento de carne nos Estados Unidos, Donald Trump assinou uma ordem executiva forçando as instalações a permanecerem abertas.

No mesmo mês, os Estados Unidos exportaram uma quantidade recorde de carne suína para a China.

Um surto de coronavírus também foi relatado na Alemanha, com 657 casos positivos, que reviveram as infecções em todo o país.

Desde o início da pandemia, mais de 36.000 trabalhadores nos setores de processamento de carne e agricultura deram positivo para Covid-19 e pelo menos 116 morreram, segundo dados da Food and Environment Reporting Network , embora o número real seja provavelmente mais alto.

Como o The Guardian explica, o departamento de saúde do condado de Burke, onde está localizada a Case Farms, possui dados alarmantes que está optando por não divulgar.

“Por que, quando há um surto em uma casa de repouso, está no papel, mas quando está em uma fábrica de embalagens de carne, não é?” Mac Legerton, da Cooperativa de Robeson County para o Desenvolvimento Sustentável, disse. “A lei deve ser a mesma para todos: surtos em estruturas públicas e privadas devem ser tornados públicos para proteger os funcionários e informar o público”.

Uma situação que, como dissemos, não diz respeito apenas aos Estados Unidos, mas a vários matadouros pelo mundo.

Na Itália, uma empresa de processamento de carne na província de Bari registrou dezenas de funcionários infectados no departamento de abate.

E agora surge, como explica uma investigação de Francesco De Augustinis no L’Espresso, que as estruturas não seriam suficientemente controladas e nem seriam feitos tampões.

Em suma, uma cadeia de suprimentos pouco transparente, onde é impossível saber o que está acontecendo.

Frigoríficos brasileiros informam à China que carnes estão “livres de coronavírus”

A China solicitou que os grandes frigoríficos declarem que suas exportações estão livres de coronavírus após a autoridade aduaneira chinesa suspender as importações de produtos avícolas da Tyson Inc, processadora de carne americana, que supostamente foi atingida pela Covid-19.

O Brasil e os Estados Unidos são grandes exportadores de carne e tiveram milhares de casos da doença entre trabalhadores e frigoríficos.

A BRF, maior exportadora de frango do mundo e fornecedora de carne suína, assinou a declaração à China, mas destacou que não há evidências de que a Covid-19 esteja sendo transmitida por alimentos ou suas embalagens.

O Ministério da Agricultura suspendeu a autorização para exportar carne de frango da JBS do abatedouro de Passo Fundo para a China por conta da quantidade de casos de Covid-19 entre os trabalhadores. O mesmo ocorreu no abatedouro de bovinos do Mato Grosso, Agra, que teve mais de 90 funcionários diagnosticados com o vírus na semana passada. Mais informações…

Fonte: The Guardian / GreenMe / créditos da foto: @Alf Ribeiro

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.