Chamam isso de síndrome da superioridade ilusória ou do efeito Dunning Kruger, típico daqueles que, embora totalmente incompetentes, se consideram superiores a todos, superestimando sua inteligência e conhecimento.

As pessoas que têm essa síndrome acreditam que suas habilidades são muito mais altas que a média, mesmo quando elas claramente não entendem o que estão falando. Elas não têm a humildade de reconhecer sua necessidade de melhoria. Elas também não reconhecem o potencial daqueles que as rodeiam, pois seu egoísmo os impede.

Primeiro sintoma: superestimar seu próprio desempenho. Aqueles que sofrem de superioridade ilusória tendem a acreditar que são preparados e habilidosos, mesmo em setores que eles nem conhecem.

Ao mesmo tempo, e chegando ao segundo sintoma, tendem a subestimar outras pessoas, acreditando que elas são inferiores e, em geral, menos preparadas ou competentes, sem nem se dar ao trabalho de checar. Daí um sentimento de desprezo geral pelas pessoas.

É evidente que o terceiro sintoma é a arrogância ou uma atitude arrogante, devido a essa autoconfiança incondicional, mas ilusória. De fato, a pessoa que sofre desse distúrbio não se dá conta de seus limites, não tem ideia de quais são seus erros e fraquezas.

Quarto sintoma, a incapacidade de ouvir os outros que, não sendo considerados em sua própria altura, nem merecem consideração.

Sem mencionar que esse tipo de pessoa tende a aprender pouco, porque considera que já sabe tudo, quinto sintoma! Característica muito insidiosa que corre o risco de piorar a situação … e incompetência real.

O sexto sintoma é a tendência de impor as idéias. A pessoa que se sente superior não expressa opiniões, é incapaz de manter um diálogo construtivo, porque tende a acreditar em suas próprias “opiniões” verdades absolutas.

O sétimo sintoma é um nível exagerado de autoconfiança, que no entanto esconde uma enorme fragilidade.

Não sabemos o que ignoramos

A que se deve esse efeito? Como explica Dunning Kruger num artigo publicado na revista Pacific Standard, as pessoas menos qualificadas num setor nem sequer têm a experiência necessária para saber o que estão fazendo de errado.

Não só isso: uma mente ignorante não é vazia, e sim repleta de ideias preconcebidas, experiências, fatos, intuições, vieses e pressentimentos, além de conceitos que importamos de outras áreas do conhecimento. Com tudo isso, construímos histórias e teorias que nos dão a impressão de serem um conhecimento confiável.

E, de fato, confiamos nelas: um estudo da Universidade Yale mostrou que a maioria das pessoas não sabe quase nada sobre nanotecnologia. Isso é normal. O que não é tão normal é que quase ninguém hesitava em opinar se os benefícios dessa tecnologia compensavam os riscos.

Como disse Dunning numa ocasião, a conclusão de seu estudo é que desconhecemos os limites de nossa incompetência, não a dos outros. A graça então não é identificar as vítimas desse erro, e sim levar em conta que é muito provável que nós o estejamos cometendo em algum aspecto de nossas vidas, sem nem ao menos saber.

Adaptado de GreenMe

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.