Por: Alejandra Pino Jaramillo / Mente Asombrosa

As pessoas que se acostumam com o abuso chegam a aceitá-lo como algo natural, não deixe que isso aconteça com você. A escravidão não é mais conceitualizada sob os cânones que estudamos nos livros de história. Hoje, tem outra conotação.

Qual é a síndrome do escravo satisfeito?

A síndrome do escravo satisfeito não é um termo coletado pelo DSM ou qualquer outro manual de diagnóstico psiquiátrico.

Este novo conceito refere-se aos sintomas que algumas pessoas apresentam que, apesar de suas vidas objetivamente miseráveis, não apenas se resignam, mas também são gratas por sua existência. Neste artigo tentamos explicar alguns dos pressupostos em que esse mecanismo de defesa ocorre, suas causas e seu contexto social e cultural.

Muito típico das sociedades atuais, manipulação mental planejada estrategicamente e condicionamento do comportamento humano têm conseguido converter pessoas sem estarem conscientes disso, em verdadeiros escravos.

Isto é, sem cair em alarmismos, uma autêntica armadilha mental em que a pessoa chega a aceitar submissa e resignadamente esta inadvertida condição de escravo; aceitar passivamente as condições impostas em que se vive e sem a menor iniciativa de mudar essa situação.

O mais grave é que eles chegam a um ponto em que se sentem “satisfeitos” com o bem-estar que aparentemente desfrutam. Ao chegar a esse extremo, o escravo pode mentalizar e se acostumar a viver assim: ele é mentalmente condenado por toda a vida.

Esse tipo de escravidão não se limita às condições sociais que são inculcadas na vida dos cidadãos, através dos diferentes meios de comunicação de massa.

Há escravos satisfeitos nas casas, nas escolas, nos empregos e em resumo; em cada lugar onde a pessoa não descarta totalmente sua liberdade e livre arbítrio; consciente ou inconscientemente.

As pessoas são anestesiadas?

“O principal problema do escravo não são as várias catástrofes que ele sofre dia após dia devido a sua condição de escravo (…), mas a matriz de pensamento que não lhe permite questionar sua escravidão.”

Essa é a impressão que os escravos satisfeitos refletem. Comparativamente, a atitude de uma pessoa com a “síndrome do escravo satisfeito” é praticamente a mesma que a de uma pessoa sob a influência de alguma droga ou anestesia.

Aceita condições de vida, trabalho, estudos, etc., que basicamente não compartilham, mas os tolera porque para os outros “é a coisa certa”.

Desta forma, sua opinião é anulada e ele crer que se sente bem; porque a opinião de terceiros é mais importante para ele do que a sua.

O problema do escravo, que está satisfeito com os golpes e exigências, não é a dor física infligida a ele, mas a disposição psicológica para receber e naturalizar a crueldade daqueles que o humilham e maltratam.

O escravo satisfeito adapta-se aos padrões de comportamento inculcados
É difícil para todos nós abstrairmos dos cânones comportamentais que impõem nas sociedades, as diferentes “modas” e tendências que surgem diariamente na sociedade.

Os diferentes meios de comunicação e especialmente a internet estabelecem as diretrizes de como devemos nos vestir, o que devemos comer e até o que as pessoas devem pensar.

E quase todos nós aceitamos isso de forma descontraída e satisfeita!

Rotina como meio de escravidão

Da mesma forma que um escravo da era colonial estava severamente limitado a se mudar de um lugar para outro, sem a permissão de seu mestre, a mente do escravo satisfeito também é limitada pelas rotinas de trabalho, família, pessoal e social.

Esse fato bloqueia qualquer intenção de poder ter alguma iniciativa e autonomia, que o abstrai desses padrões comportamentais e lhe permite resgatar seu amor-próprio, sua autoestima e esses valores autênticos.

Por que as pessoas aceitam essa condição?

A resposta é muito simples: o conforto associado a esse estado de coisas.

Esse estado de satisfação induzida provoca na mente do escravo mental que ele pare de pensar e se ativar de maneira crítica; em termos de considerar novas alternativas de vida com um sentido mais crítico e longe da resignação passiva.

Essa é a maneira pela qual o escravo satisfeito, por sua falta de confiança em sua própria capacidade de gerar mudanças, se contenta em ser simplesmente um observador automatizado de um sistema de coisas; isso o convenceu de que ele não podia modificar.

Qual é a consequência de não entender a situação?

Quando uma pessoa não racionaliza sua situação, ocorre um tipo de atordoamento que gradualmente toma conta de sua razão; assimilando a tendência de sempre procurar a uniformidade metálica do grupo.

É assim que a escravidão está sendo estendida ao grupo familiar e às instituições, através de padrões estereotipados que causam um impacto mental de nivelamento; naqueles indivíduos que são incapazes de pensar por si mesmos.

 

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.