“O melhor é o silêncio profundo em que eu vivo e cresço contra o mundo, e colho o que eles não podem tirar de mim pelo fogo e pela espada.” (Johann Wolfgang von Goethe)

Durante o século passado, as sociedades ocidentais deram grande ênfase à importância das relações pessoais. Um consenso geral e implícito reina sobre nossa cultura – acredita-se que o significado e a realização na vida devem ser encontrados principalmente através de relacionamentos com os outros.

Essa ideia formou o núcleo da escola psicanalítica do século 20, denominada Teoria das Relações Objeto. Os seres humanos, de acordo com essa escola de pensamento, são, antes de tudo, seres sociais cuja principal necessidade é desenvolver relacionamentos seguros e gratificantes com os outros.

Nas palavras de David Bowlby, o mais famoso membro deste movimento psicanalítico do século 20:

“Ligações íntimas a outros seres humanos são o centro em torno do qual a vida de uma pessoa gira, não apenas quando ela é criança, mas também durante sua adolescência e seus anos de maturidade e até a velhice. A partir desses apegos íntimos, uma pessoa extrai sua força e desfruta da vida e, através do que ela contribui, dá força e prazer aos outros. Essas são questões sobre as quais a ciência atual e a sabedoria tradicional são uma só. ”( Attachment and Loss, David Bowlby )

Essa ênfase excessiva na importância das relações pessoais desviou nossos olhos da importância da solidão. O amor e a amizade, enquanto importantes componentes de uma vida bem vivida, não são a única fonte de significado e realização na vida.

Dentro de nós existem dois impulsos opostos: o impulso pelo amor, amizade e um senso de comunidade com os outros; e o impulso para a individuação, independência e autonomia. Nossa sociedade enfatiza a importância de saciar o primeiro impulso e ignora a importância de satisfazer o último.

A capacidade de ficar sozinho e a saúde psicológica

A maioria dos terapeutas e psicólogos do século passado presumiu que a saúde psicológica e a maturidade emocional podem ser avaliadas apenas pela capacidade de desenvolver relacionamentos seguros. Na década de 1950, o psicanalista Donald Winnicott tornou-se um dos poucos a desafiar essa visão.

Em seu artigo intitulado “A capacidade de estar sozinho”, Winnicott argumentou que a capacidade de um indivíduo para abraçar e prosperar na solidão deve ser considerada um determinante da saúde psicológica.

“É provavelmente verdade dizer que na literatura psicanalítica mais se escreveu sobre o medo de estar sozinho ou sobre o desejo de estar sozinho do que sobre a capacidade de estar sozinho; também uma quantidade considerável de trabalho foi feita no estado retirado, uma organização defensiva implicando uma expectativa de perseguição. Parece-me que uma discussão sobre os aspectos positivos da capacidade de estar sozinho está atrasada ”.

Os aspectos positivos da capacidade de estar sozinho

SOLIDÃO E AUTO-TRANSFORMAÇÃO
Muitas pessoas que aprenderam a arte de estar sozinhas entenderam que a solidão pode ser usada como um cenário fértil para estimular a autotransformação.

Muitos indivíduos hoje são mais complacentes, o que significa que eles escolhem um modo de vida que é esperado deles em vez de um que ressoa com seu núcleo interno. Eles desenvolvem uma personalidade projetada principalmente para agradar os outros e, no processo, permanecem indiferentes às suas necessidades mais profundas.

Cegos aos seus verdadeiros sentimentos e instintos, esses indivíduos podem chegar a um ponto da vida em que sentem que sua vida não tem sentido. Em vez de abordar a vida como uma tela experimental sobre a qual descobrir seu verdadeiro eu, eles se adaptam às expectativas externas e à opinião consensual.

Uma maneira de escapar das garras de uma personalidade excessivamente complacente é procurar a solidão com o propósito de estimular uma transformação do eu. Períodos de solidão podem ser usados ​​para se reconectar com suas verdadeiras necessidades e sentimentos, e sintonizar de volta a sua bússola interna – o único guia confiável que direciona você para a sua realização.

Não é surpresa que os grandes líderes religiosos do passado tenham se retirado do mundo por um período significativo de tempo em busca de uma sabedoria profunda, permanente e transformadora; só voltando à sociedade para compartilhar suas descobertas com o resto do mundo.

Anthony Storr escreveu sobre a importância da solidão na busca pela auto-realização:

“Parece, portanto, que algum desenvolvimento da capacidade de estar sozinho é necessário para que o cérebro funcione da melhor maneira possível, e se o indivíduo quiser realizar seu mais alto potencial. Os seres humanos facilmente se tornam alienados de suas próprias necessidades e sentimentos mais profundos. Aprender, pensar, inovar e manter contato com o próprio mundo interior são facilitados pela solidão. ”( Solidão: Um Retorno ao Ser, Anthony Storr )

Juntamente com Anthony Storr, o filósofo Michel Montaigne, bem como o psicólogo Carl Jung, compreenderam a importância vital da solidão.

Para Montaigne, a solidão era necessária para manter a liberdade das restrições impostas pelos outros, enquanto para Jung, a capacidade de estar sozinho era vital para o “trabalho interno” – isto é, explorar as profundezas interiores da psique, o “mini” -cosmos ”dentro.

“Devemos preservar um pequeno back-shop, inteiramente nosso, inteiramente gratuito, onde estabelecer nossa verdadeira liberdade e principal retiro e solidão.” (Montaigne)

Trabalho Criativo e Solidão
Uma maneira de utilizar a solidão para estimular a autotransformação é se envolver em alguma forma de trabalho criativo.

Como animais altamente sociais, nossa auto-identidade é amplamente desenvolvida através de nossas interações com os outros. Mas o trabalho criativo nos concede uma oportunidade única de mudar nossa auto-identidade por auto-referência.

Através da exploração de nossa imaginação e da tentativa de materializar novos trabalhos criativos no mundo, podemos redefinir nossa visão de mundo e transformar nosso senso de identidade.

Nas palavras de Storr:

“A pessoa criativa está constantemente buscando descobrir a si mesma, remodelar sua própria identidade e encontrar significado no universo através do que ele cria. Ela acha isso um valioso processo de integração que, como meditação ou oração, tem pouco a ver com outras pessoas, mas que tem sua própria validade separada. Seus momentos mais significativos são aqueles em que ela obteve algum novo insight ou fez alguma nova descoberta; e esses momentos são principalmente, se não invariavelmente, aqueles em que ela está sozinha. ”( Solidão: Um Retorno ao Ser, Anthony Storr )

Solidão nos dias modernos
A solidão é um ingrediente-chave na busca para satisfazer o desejo de individuação, independência e auto-realização. No entanto, nos dias modernos, a verdadeira solidão está se tornando cada vez mais difícil de encontrar.

As pessoas hoje, mesmo quando fisicamente sozinhas, não sentem solidão. Em vez disso, muitas pessoas passam o tempo sozinhas assistindo TV, ou obsessivamente zoneadas em seu computador ou smartphone.

À medida que mais e mais indivíduos se isolam de experimentar a verdadeira solidão, eles também acharão cada vez mais difícil individualizar – tornar-se um indivíduo auto-realizado separado e único.

Imersos nas opiniões, idéias e expectativas dos outros – mesmo quando sozinhos fisicamente – eles automaticamente se conformam com a cosmovisão socialmente aceita, e tomam um caminho na vida que é esperado deles, ao invés de um que satisfaça suas necessidades mais profundas e faça justiça. a sua singularidade como indivíduos.

SOLIDÃO PARA AUTO-ATUALIZAÇÃO
Se você é uma das minorias dedicadas ao processo de individuação – tornar-se a pessoa que você é capaz de se tornar ao realizar seus potenciais mais elevados – a solidão é essencial. Você deve criar tempo e espaço para ficar sozinho com seus pensamentos: seja em meditação, explorando suas “imagens internas” ou engajado no trabalho criativo.

Períodos de solidão irão conectá-lo aos aspectos mais profundos do seu eu, permitir que você descubra quem você realmente é e o que você realmente quer da vida, e lhe dar a habilidade de se envolver na auto-transformação através da auto-referência.

A solidão também lhe concederá descanso do mundo. O barulho, a ocupação e os problemas que afligem o mundo às vezes podem ser esmagadores e destroçar a destruição da saúde de nossa psique. A solidão, especialmente nos tempos em que vivemos, pode atuar como um antídoto muito necessário para a loucura do mundo.

“Quando de nosso bem melhor nós temos muito tempo
Fomos separados pelo mundo apressado, e inclinados,
Doentes de seus negócios, de seus prazeres cansados,
Quão graciosa, quão benigna, é a Solidão” (William Wordsworth)

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.

COMENTÁRIOS