“Assim como um médico pode dizer que provavelmente não existe um único ser vivo que seja completamente saudável, então qualquer um que realmente conheça a humanidade poderia dizer que não existe um único ser humano que não abrigue secretamente uma inquietação, um conflito interno. Uma desarmonia, uma ansiedade sobre algo desconhecido ou algo que ele nem ousa tentar saber, uma ansiedade sobre alguma possibilidade na existência ou uma ansiedade sobre si mesmo … uma ansiedade que ele não pode explicar. (Soren Kierkegaard, “O Desespero Humano – Doença até à Morte”)

O título “A Era da Ansiedade” , o poema de W.H. Auden de 1947,  é certamente uma das frases mais apropriadas para capturar o espírito dos tempos. Transtornos de ansiedade são a doença psicológica mais comum hoje em dia, mas mesmo para aqueles que não sofrem de um distúrbio, sentimentos moderados de ansiedade geralmente perduram em segundo plano durante a maior parte do dia. A maioria é da opinião de que a ansiedade é um estado emocional que não oferece nenhum valor positivo e, portanto, muitos tentam aliviar seus sentimentos ansiosos por meio de atividades frenéticas, estimulando distrações ou uma mistura de drogas farmacêuticas e recreativas. Aqueles que passaram algum tempo estudando essa emoção, no entanto, perceberam que o papel que a ansiedade exerce em nossas vidas não é tão cortante e seco.

“Não há dúvida de que o problema da ansiedade é um ponto nodal no qual convergem as mais diversas e importantes questões, um enigma cuja solução lançaria uma torrente de luz sobre toda a nossa existência mental” (Freud, Introdução Geral à Psicanálise).

Neste artigo, tentaremos esclarecer o problema da ansiedade, recorrendo às ideias do grande filósofo dinamarquês Soren Kierkegaard.

Para entender a ansiedade, é útil contrastá-la com o medo, ambos respostas emocionais às ameaças percebidas. No entanto, os tipos de ameaça que desencadeiam essas emoções diferem. O medo geralmente é desencadeado por uma ameaça que é conhecida por nós e localizada em algum objeto ou situação externa. A ansiedade, por outro lado, consiste no sentimento de se sentir ameaçado, mas incapaz de saber de onde surge o perigo. A fonte de nossos medos geralmente pode ser localizada, mas a ansiedade, nas palavras de Rollo May, “nos ataca de todos os lados ao mesmo tempo”. Assim, o medo aguça os sentidos e nos prepara para uma reação de fuga ou luta, enquanto a ansiedade, dada sua causa desconhecida, paralisa os sentidos, inibe a ação e nos deixa indiferentes sobre como diminuir nosso desconforto.

Por causa da desorientação envolvida, lidar com a ansiedade severa é uma experiência agonizante. A maioria das pessoas, no entanto, é poupada das torturas da ansiedade severa, mas poucas conseguem escapar da forma mais branda de ansiedade que permeia o pano de fundo de nossa existência diária. Para diferenciá-la da ansiedade severa, essa forma mais comum é às vezes chamada de “angústia” ou “ansiedade existencial” e, em vez de tentar aliviá-la, Soren Kierkegaard a considerava um ingrediente indispensável em uma vida com potencial pleno.

“Se o homem fosse um animal ou um anjo, ele não seria capaz de ficar ansioso. Já que ele é besta e anjo, ele pode estar ansioso, e quanto maior a ansiedade, maior o homem. ”(Soren Kierkegaard, O Conceito de Ansiedade)

Em seu livro O Conceito de Ansiedade, Kierkegaard sugere que nossa capacidade de sentir a ansiedade existencial surge com o nascimento da autoconsciência. Em nosso estado de infância, o crescimento implica a realização dos potenciais latentes com pouca ou nenhuma reflexão consciente ou escolha de nossa parte. Num certo estágio do desenvolvimento, despertamos para a autoconsciência, ou para colocá-la em termos simbólicos representados no mito de Adão e Eva, comemos o fruto proibido do conhecimento e nos conscientizamos não apenas do bem e do mal, mas da possibilidade da liberdade. Começamos a compreender as inúmeras possibilidades diante de nós e ver como a busca de cada um abriria uma porta para um desconhecido diferente. Essa consciência da liberdade em meio a um número quase infinito de possibilidades gera ansiedade. Ou, como disse Kierkegaard: a ansiedade é “a vertigem da liberdade”.

Kierkegaard compara a tontura sentida diante da possibilidade ilimitada com um homem parado na beira de um penhasco sobre um abismo. Junto com o medo de cair acidentalmente em sua morte, ele sente ansiedade ao perceber que está livre para pular. Diante de todas as possibilidades da vida, nós também estamos em um penhasco metafórico sobre um abismo, cientes da “possibilidade alarmante de poder” (Kierkegaard). Entendemos que é a nossa liberdade em face da possibilidade, ou a nossa capacidade de saltar, se assim o escolhermos, o que nos garante o controle sobre o nosso destino. Mas nos sentimos ambivalentes em relação a essa liberdade. Somos atraídos pelo poder que nos concede, mas repelidos pelas exigências e confusões que nos impõe. E assim, muitas vezes, tendemos a nos afastar da liberdade e a negar sua existência, ou, como disse Kierkegaard, “compreendemos a finitude” (Kierkegaard). Vivemos como se o mundo e a nossa situação estivessem ligados e imunes à mudança. Isso pode servir ao propósito de aliviar a ansiedade, mas isso ocorre ao custo de nosso crescimento.

Para avançar na vida requer estar aberto a possibilidades, mas isso implica experimentar a tontura da ansiedade. Sem a capacidade de coexistir com a ansiedade e agir na presença dela, não seríamos capazes de buscar riscos, explorar o desconhecido e determinar os limites de nossas capacidades. Nós seríamos incapazes de permanecer abertamente em direção ao futuro e escolher entre as possibilidades que aparecem diante de nós, nem poder utilizar nosso poder para criar novas possibilidades que nunca antes viram a luz do dia.

“Aprender a conhecer a ansiedade é uma aventura que todo homem tem que afrontar … Ele, portanto, que aprendeu corretamente a ter ansiedade, aprendeu o mais importante.” (Soren Kierkegaard, O Conceito de Ansiedade)

Mas se decidirmos fugir da nossa liberdade na tentativa de nos libertarmos da ansiedade, evitando as possibilidades que nos são impostas, sucumbiremos ao desespero. Uma vida sem possibilidades e liberdade é estéril, gera estagnação e nos livra da esperança de um futuro melhor. Portanto, como a possibilidade e a liberdade só são possíveis com a ansiedade presente, seria prudente seguir o conselho de Kierkegaard e aprender a ficar ansioso da maneira correta. Ou como o psicólogo James Hollis explica:

“Assim, somos forçados a uma escolha difícil: ansiedade ou depressão. Se seguirmos adiante, como insiste nossa alma, podemos ser inundados de ansiedade. Se não avançarmos, sofreremos a depressão, a pressão do propósito da alma. Numa escolha tão difícil, é preciso escolher a ansiedade, pois a ansiedade é, pelo menos, o caminho do crescimento pessoal; a depressão é uma estagnação e uma derrota da vida. ”(James Hollis, Os pantanais da alma)

 

Esse artigo é uma copilação traduzida do vídeo Soren Kierkegaard and The Psychology of Anxiety

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.