[…] A mão de Baba agarrou minha coxa. O homem sorridente começou a entoar desafinadamente uma antiga canção de casamento afegã. Com uma voz grossa e um forte sotaque russo.

Abesta boro, Mah-e-man, ahesta boro.
Ande devagar, minha linda lua, ande devagar.

A batida dos saltos das botas no asfalto. Alguém abriu a lona de repente e três rostos apareceram dentro do caminhão. Um era Karim, os outros dois eram soldados, um afegão e um russo com uma cara sorridente de buldogue e um cigarro no canto da boca. […]

Esses dias difíceis trazem à mente as páginas de O Caçador de Pipas , de Khaled Hosseini. Ele, Amir, retorna a Cabul depois de anos e encontra o desastre: as pipas aqui não voam mais e as mulheres tornaram-se invisíveis .

Mulheres. O universo feminino por aqui tem muito pouco para viver em paz. Silenciosas e humilhadas, seu tempo de vida é marcado apenas por quem decide por elas. Nada mais.

Embora o Afeganistão nunca tenha sido um país idílico e igualitário, ele teve tempos melhores antes do controle do Talibã. Nem todo mundo sabe que na década de 1970, por exemplo, o país asiático era o destino hippie por excelência e que até aprovara o sufrágio feminino antes dos Estados Unidos. Antes da chegada do Talibã, as mulheres podiam se vestir como quisessem, sem medo de serem punidas ou difamadas, podiam votar e até estudar em faculdades e universidades.

Até hoje, devido a uma leitura extremista da Sharia , praticamente toda a população feminina do Afeganistão é analfabeta , as mulheres usam a burca quando saem de casa e sua opinião não importa na esfera privada, muito menos na pública. Elas não trabalham, com exceção de algumas estudantes de medicina encarregadas de tratar outras mulheres, e nada podem fazer sem o seu ” mahram “, o homem que as dirige , permitindo que o façam.

O grupo talibã foi formado em 1994 em Kandahar pelo mulá Mohammed Omar , que lutou entre os mujahideen, guerrilheiros de inspiração islâmica, na guerra contra os soviéticos que ocuparam o país de 1978 a 1989.

Todos eles vieram principalmente de tribos étnicas pashtun e estudaram em madrassas, as escolas do Alcorão do Paquistão (daí o nome Talibã, que significa pashto “estudantes”, a segunda língua mais falada no Afeganistão depois do dari). O primeiro grupo em 1994 consistia em cerca de 50 alunos, mas muitos mais foram recrutados em pouco tempo. Seu objetivo inicial seria restaurar a paz e a segurança após a retirada soviética, e estabelecer nos territórios que controlava uma interpretação muito radical da lei Sharia, a lei islâmica (com punições públicas e execuções para aqueles que violassem a lei).

O Talibã proibiu a televisão, a música e o cinema, bem como o cultivo da papoula do ópio (que continuava ilegalmente). O novo regime introduziu regras muito restritivas, como a obrigação de as mulheres usarem a burca, a proibição de conduzir bicicleta, motocicleta e carro e de usar cosméticos e joias ou de entrar em contato com qualquer homem que não seja o marido ou parente.

Em suma, o Talibã transformou o Afeganistão nos anos 90, e de forma atroz, tanto que comparando as fotos tiradas nos anos 60 e 70 com as dos anos 90, parecem dois países totalmente diferentes. Em 1967, o médico William Podlich obteve uma autorização de dois anos da Arizona State University, onde estava trabalhando para se mudar para o Afeganistão. Lá, ele trabalhou como professor na Escola Superior de Professores de Cabul.

Suas fotos (visíveis neste link ) mostram um Afeganistão totalmente diferente do que é hoje (ou, melhor, até ontem).

Subjugação ou morte: a “vida” que aguarda as mulheres afegãs sob o controle do Talibã

O Talibã? Eles vão, sem dúvida e mais uma vez, impor suas regras a uma sociedade que – agora – tenta desesperadamente escapar do país para não cair em suas garras. Mas são as mulheres que esperam o pior.

Elas estão ali, apavoradas e alquebradas, e não há dia que passe sem pedir ajuda. Os talibãs batem à sua porta e já sabem que não poderão sair de casa sozinhas nem trabalhar, não poderão estudar nem escolher as roupas que vão vestir. A proibição em todas as suas facetas mais pesadas aparece terrivelmente. E toda a submissão absoluta ao Talibã.

Os poucos passos que o Afeganistão deu em relação aos direitos das mulheres serão perdidos. As mulheres puderam ter independência, trabalhar e se formar como médicas, enfermeiras, professoras, jornalistas ou governadoras locais. Algo que nunca mais será visto.

Só há a possibilidade de usar a história que de 1996 a 2001, quando o Taleban governou o Afeganistão de 1996 a 2001, para entender o que está em jogo agora. E estas são algumas das regras que as mulheres temem que sejam aplicadas novamente:

• Elas não podem trabalhar

• Elas não podem ir para a escola ou faculdade. Apenas para os centros religiosos talibãs

• Elas têm que cobrir seus rostos em público

• Elas devem estar acompanhadas por um homem se quiserem sair de casa

• Elas não podem olhar pelas janelas

• Elas não podem rir em público porque os homens não podem ouvir suas vozes

• Elas não podem aparecer em nenhuma mídia

• Elas são forçados a usar uma burca que cubra completamente o corpo da cabeça aos pés

• Elas não podem usar maquiagem ou pintar as unhas (houve casos de mulheres que tiveram seus dedos amputados por fazer isso)

• Elas serão apedrejadas publicamente se fizerem sexo fora do casamento

• Elas não podem mostrar seus tornozelos

• Elas não podem praticar esportes

• Elas não podem usar salto

• Elas não podem usar banheiros públicos

O Talibã assumiu o controle total do Afeganistão depois de recapturar Cabul nesse domingo próximo passado. No momento, não há relatos de que eles estejam impondo essas medidas nas áreas que controlam há dias.

Cartazes com mulheres em vestidos de noiva foram apagados da parede de uma loja em Cabul, pouco antes de o Talibã entrar na cidade. A imagem simbólica é a de um pintor de paredes trabalhando para cobrir os rostos femininos com tinta e evitar a retaliação das milícias islâmicas.

Ninguém deste lado do mundo quer acreditar. Mas o estado de caos, terror e submissão foi realmente imposto novamente.

GreenMe

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.