Rincón de la Psicología

Você já se sentiu tão nervoso que parecia que o coração queria sair do peito? Nesse caso, é provável que você tenha sofrido taquicardias devido à ansiedade, um problema bastante comum, embora nem sempre seja fácil detectar e pode gerar um grande alarme. Na verdade, um estudo realizado no Hospital Geral de Massachusetts revelou que uma em cada três pessoas experimentará dor no peito não cardíaca e palpitações devido à ansiedade em algum momento ao longo da vida.

Arritmias funcionais são desordens fisiológicas caracterizadas por reações súbitas da freqüência cardíaca, sem razão aparente e sem lesão orgânica. Elas tendem a disparar pelos altos níveis de ansiedade e a freqüência cardíaca pode atingir entre 200 e 160 batimentos por minuto, embora nos exames clínicos não seja detectada nenhuma anormalidade cardíaca. Por essa razão, é feita referência a um distúrbio funcional.

Taquicardias de origem ansiosa podem ser acompanhadas por dor no peito de ansiedade, uma sensação de dificuldade em respirar, sudorese profusa, náuseas e até tonturas de ansiedade.

Como reconhecer taquicardia por ansiedade?

Taquicardia devido à ansiedade pode se tornar tão intensa que a pessoa acredita que está sofrendo de um ataque cardíaco, embora os cardiologistas tenham assegurado que ela não sofre de nenhuma doença cardíaca. Mesmo assim, o episódio de palpitações é tão intenso que a pessoa acredita que morrerá de um momento para outro, o que aumenta ainda mais a ansiedade e, consequentemente, a taquicardia.

Depois de nos expor a um estímulo que nos assusta de alguma forma, é normal que a nossa frequência cardíaca aumente.

No entanto, se nos assustarmos e acharmos que estamos perdendo o controle, nosso corpo reagirá como se fosse uma emergência real, aumentando ainda mais sua frequência cardíaca. Por sua vez, este aumento no batimento cardíaco nos assustará ainda mais, criando um círculo vicioso no qual, quanto mais medo, mais forte o coração irá bater.

Taquicardia devido à ansiedade é geralmente o resultado da exposição a uma situação estressante, angustiante, assustadora ou extremamente triste. No entanto, às vezes, a simples memória ou antecipação de tais situações pode ser suficiente para desencadear a taquicardia. Um pensamento ou uma emoção também pode desencadear palpitações, assim como uma conexão inconsciente com algum estímulo que consideramos perigoso.

De fato, a taquicardia devida à ansiedade pode ser uma resposta aprendida quando, em sua mente, você ativa um determinado tópico que o preocupa ou um estímulo presente em diferentes situações, embora estas em si não sejam ameaçadoras.

Como as taquicardias de ansiedade nem sempre são o resultado direto e apreciável de um evento estressante, às vezes é difícil para a pessoa estabelecer a conexão. Portanto, é importante que você pare para analisar seu ambiente e seus pensamentos. Só então você pode detectar os gatilhos dessa ansiedade. Então, você pode ativá-los em sua mente e perceberá como as palpitações são desencadeadas. Essa é a confirmação de que é taquicardia para ansiedade.

Esta situação pode tornar-se altamente incapacitante porque, por medo, a pessoa pode ficar cada vez mais confinada em casa, para evitar qualquer tipo de estímulo novo ou que possa sair do controle, o que o levará a diminuir cada vez mais o limiar ante o qual esta resposta ansiosa é desencadeada, gerando um círculo vicioso.

Por que a ansiedade causa taquicardia?

Existem duas áreas-chave do cérebro para o processamento da ansiedade: a amígdala e o hipocampo. A amígdala é um verdadeiro centro de comunicação entre as diferentes partes do cérebro que processam os sinais sensoriais que chegam e as áreas que interpretam esses sinais. Pode alertar o resto do cérebro de que existe uma ameaça e desencadear uma resposta de medo ou ansiedade.

No hipocampo, por outro lado, muitas das memórias relacionadas a experiências passadas que são negativas, estressantes ou ansiosas são armazenadas. Sua é a tarefa de codificar os eventos ameaçadores nas memórias.

Quando o cérebro encontra uma ameaça (real ou percebida), libera uma onda de neurotransmissores, como o cortisol e a norepinefrina. Estes nos dão um impulso extra, melhoram nossa percepção, reflexos e velocidade para serem seguros, se necessário.

Esses neurotransmissores também fazem com que os vasos sanguíneos se contraiam e nosso coração bombeie mais rápido para circular mais sangue e oxigênio pelo nosso corpo. Em essência, entramos no “modo de sobrevivência”. Se ativa nosso sistema nervoso simpático, que age como uma espécie de acelerador.

Quando a situação que gerou essa resposta de ativação desaparece, o hipotálamo, outra estrutura cerebral, deve dar a ordem para que todos os sistemas voltem ao normal. Em seguida, o sistema nervoso parassimpático é ativado, o que age como um desacelerador e nos ajuda a relaxar e diminuir a freqüência cardíaca (descobrir a relação entre nervo vago e ansiedade).

Na verdade, o aumento da freqüência cardíaca tem um valor funcional e não é prejudicial, mas se ativado excessivamente pode acabar causando danos ao nosso corpo. Se nossos sistemas não retornarem ao normal ou forem ativados continuamente, teremos um problema.

As palpitações por ansiedade são perigosas?

Taquicardia devido à ansiedade não costuma ser perigosa, embora seja desagradável. Entretanto, se o problema persistir com o tempo e você reagir com ansiedade a um maior número de situações, é provável que sua coerência cardíaca acabe sendo afetada.

Cientistas da Universidade de Harvard concluíram que “quando a ansiedade está presente em excesso ou por longos períodos de tempo, ela é considerada prejudicial à saúde mental e geral”. A ansiedade tem sido associada a uma maior incidência e, em alguns casos, à progressão de doenças cardiovasculares.

Os mecanismos de ação da ansiedade que podem representar um risco para a saúde cardiovascular são vários.

Disfunção autonômica. A interrupção da homeostase autonômica cardiovascular, especialmente no que diz respeito à capacidade do corpo de manter uma estabilidade da batida e pressão arterial constante, é um fator que afeta a saúde cardiovascular em geral e aumenta o risco de mortalidade por esta causa. Pessoas com história de doença cardiovascular e hipertensão que têm uma capacidade reduzida de manter a estabilidade autônoma têm um risco aumentado. E ficou provado que as pessoas com transtornos de ansiedade têm uma disfunção na capacidade do corpo de regular a função autonômica.

– Vias inflamatórias. As vias inflamatórias desempenham um papel fundamental tanto no desenvolvimento como na progressão da doença cardíaca. Os transtornos de ansiedade causam um aumento de diferentes marcadores inflamatórios, como proteína C-reativa, fator de necrose tumoral-alfa, interleucina-6, homocisteína e fibrinogênio.

– disfunção endotelial. Ansiedade também está relacionada a alterações no endotélio vascular. O endotélio vascular desempenha um papel fundamental na saúde e manutenção do sistema circulatório através da regulação da atividade plaquetária, trombose, tônus ​​vascular e adesão de leucócitos. Sua disfunção leva ao desenvolvimento de aterosclerose. Um aumento da disfunção endotelial foi observado em pessoas com um transtorno de ansiedade.

– Disfunção plaquetária. Além disso, foi demonstrado que o aumento da atividade e ativação de plaquetas por desencadeadores inflamatórios desempenham um papel fundamental na aterotrombose e na isquemia miocárdica. E pessoas que sofrem de ansiedade ou estresse agudo também têm maior agregação plaquetária.

Tudo isso indica que, embora as taquicardias causadas pela ansiedade não causem um ataque cardíaco, a longo prazo elas podem ter um efeito prejudicial na saúde cardiovascular, por isso é importante interrompê-las o mais rápido possível.

Como eliminar a taquicardia por ansiedade?

Existem diferentes maneiras de combater a ansiedade e, portanto, eliminar a taquicardia que ela produz. A técnica de detecção e enfrentamento da temida conseqüência (DACT) é muito eficaz, pois se concentra na detecção dos desencadeantes que provocam essa ansiedade e busca soluções para aliviar os sintomas, tanto no nível físico quanto emocional.

Para colocá-lo em prática, você precisa entender que o desconforto é mantido quando você tenta evitar as conseqüências que você tanto teme a todo custo. Em outras palavras, o primeiro passo não é tentar evitar essas sensações irritantes.

Basicamente, se trata de entender que, embora irritantes, as taquicardias não são perigosas em si mesmas. Assim você quebra o círculo vicioso, acalma o medo e reduz a ansiedade. Para conseguir isso, você precisa procurar pensamentos ou comportamentos alternativos:

– Exercícios respiratórios. A respiração profunda acompanha o batimento cardíaco, gerando uma sensação de tranquilidade e bem-estar que o ajudará a eliminar as palpitações cardíacas. Portanto, é recomendável que você aprenda exercícios de respiração que possa aplicar em qualquer situação.

– Técnicas de relaxamento. O relaxamento muscular progressivo de Jacobson é um dos exercícios mais convenientes, porque você não apenas aprenderá a relaxar, mas também a notar a tensão do corpo que precede os episódios de ansiedade, para que você possa interrompê-los antes que eles continuem.

– Pensamentos positivos. Não se trata de cair no positivismo ingênuo, mas de desenvolver pensamentos mais racionais e adaptativos. Quando você sentir as palpitações, em vez de pensar que vai morrer ou sofrer um ataque cardíaco, pense que é uma reação de medo e que você consegue manter o controle.

No entanto, em alguns casos, quando a ansiedade se arrasta há anos, é provavelmente necessário recorrer à terapia psicológica. Além disso, é sempre aconselhável realizar um estudo cardiológico para descartar uma patologia básica.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.