Dizem que amadurecemos com danos, não com a idade. A passagem do tempo geralmente não é suficiente para gerar um aprendizado valioso, crescemos com as experiências que vivemos. E quando essas experiências são dolorosas ou particularmente difíceis, elas podem de fato acelerar o processo de amadurecimento. Traumas, especialmente, podem nos fazer envelhecer mais rápido do que nossos colegas.

Os traumas gerados por situações ameaçadoras aceleram o envelhecimento

Crianças que vivenciam traumas por abuso ou violência em tenra idade apresentam sinais biológicos de envelhecimento mais rápido do que aquelas que nunca passaram por esse grau de adversidade. Essa foi a principal conclusão a que chegaram os pesquisadores da Universidade de Harvard após analisarem três diferentes sinais do envelhecimento biológico (puberdade precoce, envelhecimento celular e alterações na estrutura do cérebro). Eles descobriram que as consequências do trauma psicológico estavam relacionadas a todos os três sinais de maturação precoce.

Esses pesquisadores estudaram duas categorias de adversidades separadamente: aquela que decorre de ameaças, como abuso e violência, e também adversidades relacionadas a situações de privação, como pobreza, abandono físico e negligência emocional .

Depois de analisar quase 80 estudos envolvendo mais de 116.000 participantes, eles descobriram que crianças que sofreram traumas na infância relacionados a ameaças, como violência ou abuso, tinham maior probabilidade de entrar na puberdade precocemente e mostrar sinais de “envelhecimento” acelerado no nível celular, incluindo telômeros mais curtos, que são as “capas protetoras” nas extremidades de nossos filamentos de DNA que se desgastam à medida que envelhecemos.

O cérebro também envelhece como resultado de traumas psicológicos

Em uma segunda análise, esses pesquisadores revisaram 25 estudos que incluíram mais de 3.253 participantes para entender como a adversidade em uma idade jovem pode afetar o desenvolvimento do cérebro. Eles descobriram que o trauma está associado à redução da espessura cortical, sinal de envelhecimento, já que o córtex cerebral se afina com o passar dos anos.

Na verdade, eles descobriram que cada tipo de adversidade está relacionada a uma redução cortical em diferentes partes do cérebro. Trauma e violência foram associados ao afinamento do córtex pré-frontal ventromedial, uma área envolvida no processamento social e emocional. Em vez disso, as situações de privação foram relacionadas a um afinamento das redes visuais e da área frontoparietal, que estão ligadas ao processamento sensorial e cognitivo. Isso significa que diferentes tipos de trauma têm um impacto diferente no nível do cérebro.

Os pesquisadores acham que esse envelhecimento acelerado pode ser uma adaptação evolutiva. Séculos atrás, em um ambiente violento e ameaçador, por exemplo, atingir a puberdade mais cedo poderia aumentar as chances de as crianças saírem de casa e viverem sozinhas.

Além disso, o desenvolvimento mais rápido de regiões cerebrais que desempenham um papel fundamental no processamento de emoções pode ajudar as crianças a identificar e responder a ameaças de forma mais assertiva, mantendo-as mais seguras em um ambiente perigoso.

No entanto, as adaptações que antes eram úteis hoje trazem sérias consequências para a saúde física e mental, pois essas crianças seriam “estágios em chamas”. De fato, o envelhecimento mais rápido em uma idade tão jovem, uma das consequências do trauma psicológico, sugere que os mecanismos biológicos que contribuem para as disparidades de saúde são acionados muito cedo na vida.

Isso poderia explicar, pelo menos em parte, por que a exposição à adversidade na infância é um preditor de problemas de saúde mais tarde na vida, não apenas depressão e ansiedade, mas também doenças cardiovasculares, diabetes e câncer. Este estudo sugere que ser vítima de violência e trauma no início da vida pode fazer com que o corpo envelheça mais rapidamente a nível biológico, com todas as consequências que isso implica.

Fonte:

Colich, N. et. Al. (2020) Envelhecimento biológico na infância e adolescência após experiências de ameaça e privação: uma revisão sistemática e meta-análise. Boletim Psicológico ; 146(9): 721–764.

Texto de JENNIFER DELGADO SUAREZ, publicado originalmente no site Rincón de la Psicología

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.