Traduzido e adaptado de Brain Pickings

“Há momentos em que os sonhos nos sustentam mais que fatos. Ler um livro e
render-se a uma história é manter nossa humanidade viva ”.

Costuma-se dizer que os livros salvam vidas. Na maioria das vezes, por mais
sincero que seja o sentimento, é figurativo. De vez em quando, improvável,
aproxima o literal. Mas somente nas ocasiões mais raras, nas circunstâncias
mais extremas, os livros se tornam linhas de vida no sentido mais real.

Uma dessas ocasiões é imortalizada no livro A Velocity of Being: Letters to a
Young Reader — A Velocidade do Ser: Cartas para um Jovem Leitor em
tradução livre

O livro trata-se de uma coleção de cartas originais para as crianças de hoje e
amanhã sobre por que lemos e o que os livros fazem para o espírito humano,
composto por 121 dos humanos mais interessantes e inspiradores em nosso
mundo.

Nele há cartas ilustradas originais sobre o poder transformador e transcendente
da leitura de alguns seres humanos imensamente inspiradores.

Cientistas como Jane Goodall e Janna Levin, artistas como Marina Abramović e
Debbie Millman, músicos como Yo-Yo Ma, Amanda Palmer e David Byrne,
empresários como Richard Branson e Tim Ferriss, poetas como Mary Oliver,
Elizabeth Alexander e Sarah Kay, pioneiros da mídia como Kevin Kelly, Jad
Abumrad e Shonda Rhimes, amados escritores de literatura para jovens como
Jacqueline Woodson, Judy Blume e Neil Gaiman, e muitos autores famosos de
livros para os chamados adultos. ´

Mas uma das cartas mais poderosas vem de alguém cujo nome pode não
significar, ou pelo menos não ainda, muito para muitos: Helen Fagin.

Helen tinha vinte e um anos quando sua família foi aprisionada no gueto de
Varsóvia, na Polônia ocupada pelos nazistas. Ela e suas irmãs conseguiram
escapar, mas perderam ambos os pais no Holocausto.

Helen chegou na América sem falar uma palavra de inglês, e depois se tornou
Ph.D. e ensinou literatura por mais de duas décadas. Ela dedicou sua vida a
elucidar as lições morais da hora mais sombria da humanidade e foi fundamental
na criação do Memorial do Holocausto em Washington, DC. Até hoje, continua
sendo uma leitora voraz de literatura e filosofia moral, indo sem esforço de
Whitman a Camus e voltando novamente em uma única conversa.

Nos relato de Helen ela conta como um livro em particular se tornou uma tábua
de salvação para as adolescentes da escola secreta que Helen montou no gueto
de Varsóvia. um antídoto aos inúmeros assaltos contra a dignidade a que os
nazistas submetiam esses jovens judeus: a negação da educação básica. Sua
história chamou a atenção dos autores do projeto e por isso eles decidiram
incorporar-la e ela aceitou o convite para contar tudo em uma carta, que é uma
das mais profundas e comoventes de A Velocity of Being.

Para celebrar a publicação do livro, que Helen vê como uma parte inestimável de
seu legado, pedi a ela que lesse sua carta para o evento de lançamento da
Biblioteca Pública de Nova York. Ela tinha 97 anos na época em que escreveu
sua carta e está se aproximando de seu aniversário de 101 anos quando a lê:

Querido amigo,

Você poderia imaginar um mundo sem acesso à leitura, ao aprendizado, aos
livros?

Aos vinte e um anos, fui forçada a entrar no gueto da Segunda Guerra Mundial na
Polônia, onde ser pego lendo qualquer coisa proibida pelos nazistas significava,
na melhor das hipóteses, trabalho árduo; na pior das hipóteses, morte.

Lá, eu conduzi uma escola clandestina oferecendo às crianças judias uma
chance na educação essencial negada por seus captores. Mas eu logo percebi
que ensinar essas jovens almas sensatas em latim e matemática estava
enganando-as de algo muito mais essencial – o que elas precisavam não era
informação seca, mas esperança, o tipo que vem de ser transportado para um
mundo de sonhos de possibilidades.

Um dia, como se adivinhasse meus pensamentos, uma garota me implorou: “Por
favor, poderia nos contar um livro, por favor?”

Eu tinha passado a noite anterior lendo E o Vento Levou – um dos poucos livros
contrabandeados que circulava entre pessoas de confiança através de um canal
subterrâneo, que davam sua palavra de honra de ler apenas à noite, em segredo.
Ninguém tinha permissão para manter um livro por mais de uma noite – assim, se
denunciado, o livro já teria mudado de mãos quando os pesquisadores
chegassem.

Eu tinha lido E o Vento Levou desde o anoitecer até o amanhecer e ainda
iluminava o meu próprio mundo dos sonhos, então convidei esses jovens
sonhadores a se juntarem a mim. Ao lhes contar o livro, eles compartilharam os
amores e as provações de Rhett Butler e Scarlett O’Hara, de Ashley e Melanie
Wilkes. Por aquela hora mágica, nós escapamos para um mundo não de
assassinatos, mas de boas maneiras e hospitalidade. Todos os rostos das
crianças se animavam com nova vitalidade.

Uma batida na porta quebrou nosso mundo de sonhos compartilhado. Enquanto
a classe silenciosamente saía, uma menina pálida de olhos verdes se virou para
mim com um sorriso choroso: “Muito obrigada por essa jornada em outro mundo.
Poderíamos, por favor, fazer isso de novo, em breve? ”Eu prometi que sim,
embora eu duvidasse que teríamos muito mais chances. Ela colocou os braços
em volta de mim e eu sussurrei: “Até logo, Scarlett.” “Eu acho que prefiro ser
Melanie”, ela respondeu, “embora Scarlett devesse ter sido muito mais bonita!”

Quando os acontecimentos no gueto tomaram seu rumo, a maioria dos meus
companheiros sonhadores foi vítima dos nazistas. Dos vinte e dois alunos da
minha escola secreta, apenas quatro sobreviveram ao Holocausto.

A menina pálida de olhos verdes era uma delas.

Muitos anos depois, finalmente consegui localizá-la e nos conhecemos em Nova
York. Uma das maiores recompensas da minha vida continuará sendo a
lembrança do nosso encontro, quando ela me apresentou ao marido como “a
fonte de minhas esperanças e sonhos em tempos de total privação e
desumanização”.

Há momentos em que os sonhos nos sustentam mais que fatos. Ler um livro e
render-se a uma história é manter nossa humanidade viva.

Atenciosamente,

Helen Fagin

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.