A ideia de embalagens comestíveis já existe há algum tempo, mas agora é o momento certo para ela se firmar na indústria de alimentos. A preocupação com o lixo plástico está crescendo globalmente, e os itens mais comuns que acabam como lixo e poluem o oceano estão ligados à comida: embalagens, canudos, talheres, garrafas e muito mais.

A embalagem comestível oferece esperança, mas com o lado saudável da campanha. Por exemplo, o plástico é difícil de superar como embalagem: é barato, leve e versátil e tem excelentes propriedades mecânicas. Enquanto isso, comer a embalagem de um alimento levanta questões de higiene.

Ainda assim, nos contextos certos, as embalagens comestíveis podem ajudar a nos livrar do plástico. É proveniente de fontes renováveis. E mesmo que não seja algo que as pessoas realmente queiram comer, ainda assim seria hiperdegradável, desaparecendo muito mais rápido do que os plásticos descartáveis ​​ou mesmo os bioplásticos compostáveis.

“As embalagens comestíveis terão seu lugar”, afirma Carol Culhane, cientista de alimentos e membro do Institute of Food Technologists. Com as ameaças de poluição por plástico aumentando, ela diz que isso pode acontecer em breve.

ALGO PARA MASTIGAR

A natureza faz bem as embalagens comestíveis. As cascas da maçã e da uva protegem a fruta dos micróbios e do meio ambiente. Os humanos também fabricam embalagens consumíveis há décadas: tripas de salsicha feitas de colágeno e celulose e cones de sorvete são exemplos. As pessoas em algumas partes da Ásia usam pratos e tigelas feitos de folhas de bananeira que mais tarde se tornam ração para o gado.

Mas plásticos como polietileno e poliestireno oferecem conveniência incomparável e vida útil prolongada. Eles bloqueiam os germes, mantêm as batatas fritas crocantes e protegem as bagas transportadas a centenas de quilômetros. Eles também podem ser enrolados em um pepino para quintuplicar sua vida útil.

Bioplásticos feitos de amido de milho e cana-de-açúcar são vendidos como alternativas mais ecológicas – renováveis, embora não comestíveis. Mas eles podem ser tão ruins quanto o plástico à base de petróleo para o meio ambiente, parados por centenas de anos em um aterro sanitário ou flutuando no oceano sem quebrar. A embalagem comestível leva a biodegradabilidade para o próximo nível; as mesmas propriedades que tornam os materiais comestíveis também os tornam hipercompostáveis.

Para fazer substitutos comestíveis para o plástico, a maioria dos pesquisadores se voltou para polímeros fortes e naturais extraídos de plantas. A embalagem comestível ideal seria feita a partir de uma mistura de proteínas e carboidratos, bases de polímeros biológicos encontrados em tecidos vegetais. Esses polímeros podem ser barreiras eficazes para oxigênio e líquidos que estragam os alimentos, diz Culhane. Plastificantes de qualidade alimentar, como glicerol e sorbitol, podem tornar os filmes poliméricos comestíveis flexíveis e elásticos.

As empresas que desenvolvem essas embalagens mantêm suas receitas e processos exatos em segredo. Mas temos algumas pistas.

A Notpla e vários outros fabricantes de embalagens comestíveis preferem algas marinhas como fonte de carboidratos. As cápsulas Ooho de Notpla começam como bolas congeladas do tamanho de uma boca cheia de seu conteúdo desejado, que uma máquina mergulha em uma solução de cloreto de cálcio seguida por uma solução de alginato de sódio de extrato de alga marinha.

Os íons de cálcio reticulam o alginato para fazer fibras de alginato de cálcio que formam uma membrana impermeável. Chefs que empregam técnicas de gastronomia molecular fazem pequenas pérolas cheias de líquido que são versões em menor escala dessas cápsulas. Sessenta e cinco restaurantes londrinos que trabalham com a empresa de entrega de comida online Just Eat agora oferecem ketchup e outros condimentos em sachês Ooho, e a Glenlivet vendia coquetéis de uísque neles na London Cocktail Week em outubro.

De acordo com uma patente que a Notpla registrou em 2018, a empresa agora pode extrudar o filme à prova d’água primeiro e depois preenchê-lo, abrindo caminho para a embalagem de alimentos secos como batatas fritas e massas, uma abordagem que a empresa está testando.

A Loliware, sediada em Nova York, está transformando alginato de algas marinhas e ágar de algas vermelhas em canudos com sabor que, ao contrário dos canudos de papel que ficam encharcados, se comportam como plástico por 24 horas depois de molhados. Você pode comê-los se quiser; independentemente, eles irão degradar no meio ambiente em 2 meses, de acordo com a empresa.

A empresa indonésia Evoware testou sua embalagem comestível à base de algas marinhas como embalagem de hambúrguer e agora a está vendendo em pequenas quantidades para sachês de tempero de macarrão instantâneo e sachês de café. Além de reduzir o uso de plástico – a Indonésia é a segunda maior fonte de resíduos plásticos do oceano – Evoware espera gerar renda para os produtores locais de algas marinhas.

“Àmedida que aumenta a demanda do consumidor por opções de embalagem melhores para o planeta, também aumentará a demanda de fabricantes que atendam a esses padrões.”
Melina Romero, gerente de insights de tendências, CCD Innovation

Algumas empresas e pesquisadores acadêmicos estão testando carboidratos de outras fontes que não as algas marinhas, usando amidos de batata, por exemplo, para fazer porta-bolos, filmes transparentes e sacos de comida.

E em vez de usar carboidratos, outros grupos estão trabalhando com proteínas para fazer embalagens comestíveis. No Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, a engenheira química Peggy Tomasula fez filmes transparentes a partir da proteína caseína do leite, que “se comporta de maneira muito semelhante ao plástico e é uma forma de utilizar um produto da indústria de laticínios”, diz ela.

Os filmes – feitos de emaranhados de proteína de caseinato de cálcio, com o polissacarídeo cítrico pectina adicionado para fortalecer e glicerol adicionado como plastificante – são 500 vezes mais eficazes no bloqueio do oxigênio do que o tradicional filme plástico, de acordo com o USDA.
A Tomasula agora está fazendo parceria com algumas empresas privadas para desenvolver produtos feitos com esses filmes, que poderiam embalar em pó ou substituir os filmes plásticos descartáveis ​​que envolvem fatias de queijo e palitos.

Os seres humanos não são os únicos consumidores que os pesquisadores buscam para embalagens comestíveis. A E6PR, com sede no México, fabrica anéis de seis embalagens usando restos fibrosos de trigo e cevada da fabricação de cerveja. Eles podem se degradar totalmente no oceano em poucos meses, reduzindo as chances de que os anéis prendam animais marinhos ou os machuquem se comidos.

A IDEIA É LIXO?

O arroz doce asiático surge frequentemente nas discussões sobre embalagens comestíveis. As crianças adoram colocar na boca o doce pegajoso, que vem em uma embalagem fina de papel de arroz comestível.
Mas o pacote de papel de arroz também é embrulhado em uma camada externa de plástico ou papel de cera. Essa camada dupla ilustra um enigma com embalagens comestíveis ou talheres: se os consumidores devem comê-los, eles precisam ser protegidos contra poeira, germes e outros contaminantes.

Outro obstáculo é deixar o cliente confortável com “a ideia de comer algo que convencionalmente é jogado fora”, diz Stefano Farris, pesquisador de embalagens de alimentos da Universidade de Milão. Essa é uma grande mudança de mentalidade, diz ele.

No entanto, existem maneiras de tornar essa ideia mais fácil de engolir. Promover o valor nutricional é uma maneira. Evoware diz que sua embalagem é naturalmente rica em fibras, vitaminas e minerais, e os filmes de caseína do USDA acrescentariam um aumento de proteína à dieta de uma pessoa. A embalagem pode até aumentar o prazer de comer o produto, diz Culhane, do Institute of Food Technologists. “Pense em Rice Krispies que estalam, estalam e estalam”, diz ela. Embalagens de cereais ou biscoitos podem ser secas e ásperas para adicionar à sensação na boca.

“Usamos embalagens para proteger os alimentos. Não usamos alimentos para proteger os alimentos.”
Bruce Welt, engenheiro químico e pesquisador de embalagens de alimentos, Universidade da Flórida

Desafios técnicos ainda precisam ser superados, no entanto, antes que as embalagens comestíveis possam ter um uso mais generalizado. A umidade e o calor permanecem inimigos dos filmes comestíveis, tornando o armazenamento e o transporte de longo prazo um obstáculo.

Pacotes de macarrão e saquinhos de chá podem ser dissolvidos após serem colocados em água quente, mas não podem ficar pegajosos de antemão. Os filmes de caseína “não suportam alta umidade e vão começar a colar juntos em um depósito quente”, diz Tomasula. A equipe do USDA está trabalhando para resolver o problema de estabilidade à umidade do filme de caseína.

Pesquisadores e especialistas da indústria alimentícia concordam que as embalagens comestíveis exigirão uma camada externa, assim como os cones de sorvete são embrulhados em papel e vendidos em uma caixa. Esses materiais externos também podem ser feitos de materiais compostáveis ​​ou sustentáveis. Mas as embalagens de plástico não vão desaparecer tão cedo, diz Bruce Welt, engenheiro químico e pesquisador de embalagens de alimentos da Universidade da Flórida. “Usamos embalagens para proteger os alimentos. Não usamos comida para proteger a comida. ”

A sustentabilidade das embalagens comestíveis também é difusa. Embora seja certamente uma opção melhor do que usar plástico, os materiais ou recursos naturais usados ​​para produzi-lo são uma consideração importante, diz Melina Romero, gerente de tendências da CCD Innovation, uma agência de consultoria estratégica para a indústria de alimentos e bebidas. Os materiais não devem competir com as fontes alimentares ou ter um alto custo ambiental.

Um preço mais alto por essa embalagem em comparação com suas contrapartes baseadas em combustíveis fósseis também poderia limitar sua comercialização, destaca Farris. A Loliware, por exemplo, pretende tornar seus canudos comestíveis competitivos em preço com os canudos de papel, que custam muito mais que os de plástico.

PERFEITO PARA O USO CERTO

Os desenvolvedores de embalagens comestíveis reconhecem que as virtudes do plástico são difíceis de reproduzir. Eles não pretendem substituir o plástico, mas querem prejudicar seu uso. Nosso mundo moderno envolto em plástico oferece muitas oportunidades.

De acordo com uma pesquisa da Ellen MacArthur Foundation, os itens relacionados a alimentos com menor probabilidade de serem reciclados incluem sachês de temperos, embalagens e tampas de xícaras de café.

Todos esses itens de uso único poderiam ser feitos de materiais comestíveis ou hipercompetíveis – assim como as embalagens de bebidas e pacotes de lanches que revestem as prateleiras dos supermercados e os pacotes usados ​​em kits de refeições. Wraps para fast food e produtos frescos são outra aplicação importante. “Temos muitas oportunidades com bebidas e lanches para abordar alternativas às suas atuais embalagens de plástico”, diz Romero.

Além do que está em uma embalagem comestível, onde a embalagem deve ser usada será fundamental para seu sucesso. Em outubro, o estúdio de design PriestmanGoode fez um vôo de fantasia com uma bandeja de refeição de avião feita de materiais sustentáveis ​​e comestíveis.

A bandeja em si era feita de borra de café e continha pratos de farelo de trigo para entradas, um esporo de coco, uma tampa de sobremesa feita de um wafer comestível e cápsulas à base de algas marinhas para molhos e leite. O objetivo era enfatizar a necessidade de reduzir as 5,7 milhões de toneladas de lixo plástico que os voos de passageiros produzem todos os anos.

Viagens aéreas, cruzeiros marítimos e viagens espaciais são de fato os principais mercados para mercadorias comestíveis, diz Culhane. O custo extra da embalagem é insignificante em comparação com o preço de uma passagem para essas viagens. Recreação ao ar livre é outro mercado de alto valor; os consumidores podem estar dispostos a pagar um pouco mais por um benefício ambiental. “As pessoas que gostam de acampar e deixar menos embalagens para trás podem comê-lo ou jogá-lo na fogueira”, diz Culhane. E embora esses mercados possam ser nichos, ela diz, “não há absolutamente nada de errado com um nicho de longa data”.

Quando a situação estiver certa, as pessoas superarão a ideia de comer embalagens, dizem os especialistas. “Existem condições em que os consumidores estão dispostos a não pensar no fator nojento”, diz Sylvain Charlebois, pesquisador de negócios de alimentos na Dalhousie University. “Como quando você está correndo e precisa beber, colocar uma bola de água na boca onde você come o filme junto com a água está bom.”

Uma combinação de tecnologia inteligente e marketing inteligente pode ser a receita para o sucesso de embalagens comestíveis. Alguns anos atrás, ninguém sabia que o Burger King estaria vendendo hambúrgueres à base de vegetais e, então, em 2019, eles foram adicionados ao cardápio da rede de fast-food. Os consumidores já sabiam dos benefícios ambientais e para a saúde dos substitutos da carne há anos. Mas conquistar um grande público exigia um produto acessível que imitasse o sabor e a textura da carne, além de um grande impulso publicitário.

Especialistas em tendências da indústria de alimentos apontam para a crescente base de consumidores que são ecoconscientes, mas exigem conveniência e estão dispostos a pagar por isso. “À medida que aumenta a demanda do consumidor por opções de embalagem melhores para o planeta”, diz Romero, “também aumentará a demanda para que os fabricantes atendam a esses padrões”. Os únicos limites para as embalagens comestíveis, ela acrescenta, são a criatividade e a inovação.

Adaptado de C & En

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.