Os países ricos estão reservando mais doses para si do que realmente precisam das vacinas contra a Covid-19, o que deixará a população dos países mais pobres desamparada , alerta a coalizão People’s Vaccine Alliance, grupo que reúne organizações como Oxfam, Anistia Internacional e Justiça Global Agora )

O grupo estima que quase 70 países de baixa renda só poderão vacinar 1 em cada 10 de seus cidadãos , embora os criadores da vacina Oxford / AstraZeneca tenham prometido oferecer 64% de suas doses aos países em desenvolvimento .

Existem diversas iniciativas em defesa de uma distribuição homogênea de vacinas contra a Covid-19 em todo o mundo. O compromisso conhecido como Covax conseguiu garantir 700 milhões de doses de vacinas a serem distribuídas em 92 países signatários de baixa renda.

MESMO ASSIM, A PEOPLE’S VACCINE ALLIANCE AFIRMA QUE HAVERÁ UM DÉFICIT DE VACINAÇÃO NESSES PAÍSES, JÁ QUE A MAIORIA DAS DOSES ESTÁ SENDO COMPRADA EM GRANDE QUANTIDADE PELOS PAÍSES RICOS.

As estimativas da coalizão indicam que os países de alta renda compraram doses suficientes para vacinar suas populações inteiras três vezes, se todas as vacinas forem de fato aprovadas para uso .

O Canadá, por exemplo, ordenou doses suficientes para imunizar seus cidadãos cinco vezes.

Outro exemplo vem da vacina Pfizer: de acordo com a Justiça Global Agora, mais de 80% das doses foram compradas antecipadamente por governos que representam apenas 14% da população global .

As estimativas da coalizão indicam que os países de alta renda compraram doses suficientes para vacinar suas populações inteiras três vezes, se todas as vacinas forem de fato aprovadas para uso .

O Canadá, por exemplo, ordenou doses suficientes para imunizar seus cidadãos cinco vezes.

Outro exemplo vem da vacina Pfizer: de acordo com a Justiça Global Agora, mais de 80% das doses foram compradas antecipadamente por governos que representam apenas 14% da população global .

Na outra ponta estão 67 países que, na ausência de ação internacional, só ficarão com doses suficientes para 10% de sua população . Todos são países de baixa renda na Ásia e na África – nenhum país latino-americano está na lista.

“NINGUÉM DEVE SER PRIVADO DE RECEBER UMA VACINA COM POTENCIAL PARA SALVAR SUAS VIDAS POR CAUSA DO PAÍS ONDE VIVE OU DE QUANTO DINHEIRO TEM NO BOLSO”, ARGUMENTA ANNA MARRIOTT, GERENTE DE POLÍTICAS DE SAÚDE DA OXFAM.

“Mas, a menos que algo mude drasticamente, bilhões de pessoas em todo o mundo não receberão uma vacina segura e eficiente contra a Covid-19 nos próximos anos. ”

Coronavírus: a África planeja vacinar 60% da população em 3 anos
Sinovac é o único apontado até agora exclusivamente para países em desenvolvimento

Por esse motivo, a aliança pede às empresas farmacêuticas dedicadas a vacinas que compartilhem sua tecnologia e propriedade intelectual, de forma que bilhões de doses adicionais possam ser fabricadas e disponibilizadas globalmente.

Isso pode ser feito por meio de um pool de acesso da Organização Mundial da Saúde, diz o grupo.

A AstraZeneca, fabricante de vacinas desenvolvida pela Universidade de Oxford, está empenhada em disponibilizar o imunizante da vacina sem lucro para os países em desenvolvimento .

COMO ESSA VACINA É MAIS BARATA QUE AS OUTRAS E PODE SER ARMAZENADA EM FREEZERS COMUNS, É MAIS FÁCIL DE DISTRIBUIR EM TODO O MUNDO.

Mas ativistas dizem que uma vacina sozinha não será suficiente para abastecer o mundo.

A vacina Pfizer-BioNTech já recebeu aprovação no Reino Unido, que iniciou sua vacinação nesta semana. É provável que essa mesma vacina em breve seja endossada por reguladores nos Estados Unidos e na Europa.

Duas outras vacinas internacionais, da Moderna e Oxford / AstraZeneca, também aguardam aprovação de agências reguladoras de diferentes países.

Ao mesmo tempo, a pesquisa da People’s Vaccine Alliance cita o caso da vacina da empresa chinesa Sinovac, produzida no Brasil pelo Instituto Butantan – e ponto central de uma disputa política entre o governador de São Paulo, João Doria, e o presidente Jair Bolsonaro – por ser a única vacina destinada exclusivamente a países em desenvolvimento (a meio caminho entre os mais ricos e os mais pobres), como a China e o próprio Brasil. Indonésia, Turquia e Chile também planejam usar a vacina Sinovac em suas populações.

Informações do G1

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.