Se você já assistiu a um documentário sobre a vida selvagem, provavelmente está familiarizado com a cena. Bebês de tartarugas marinhas recém-nascidos , lutando para se livrar da areia que escondia o ninho para fazer a trilha traiçoeira até a água, enquanto aves marinhas predadoras esperam para se banquetear com os vulneráveis ​​recém-nascidos. Você torce e vibra enquanto eles alcançam as ondas, tendo passado pela primeira prova de suas novas vidas.

Mas na América Central, isso não é a primeira prova. Muitos ovos de tartarugas marinhas – mais de 90%, em algumas praias – nem chegam a eclodir. Eles são colhidos por caçadores ilegais e traficados para cidades, onde serão consumidos como uma iguaria por um dos predadores mais perigosos da Terra – os humanos.

Uma nova ferramenta pode ajudar a acabar com essa prática que prejudica as espécies vulneráveis. Os pesquisadores esconderam dispositivos GPS em falsos ovos de tartaruga para rastrear a jornada dos ovos, desde de quando é arrebatado pelo caçador, até à mesa e, no primeiro teste da tecnologia, funcionou perfeitamente.

“Nossa pesquisa mostrou que colocar uma isca em um ninho de tartaruga não danificou os embriões incubados e que as iscas funcionam”, disse a bióloga Helen Pheasey, da Universidade de Kent, no Reino Unido.

“Nós mostramos que era possível rastrear ovos retirados ilegalmente da praia até o consumidor final, como mostrado por nosso caminho mais longo, que identificou toda a cadeia de comércio cobrindo 137 quilômetros”

A ideia dos ovos chamariz, batizados de InvestEGGator , foi concebida há alguns anos em resposta ao Desafio Tecnológico de Crimes de Vida Selvagem da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID), para detectar rotas de trânsito de tráfico de vida selvagem.

Os cientistas vêm usando iscas para “espionar” animais há algum tempo – como robôs em forma de pinguim na Antártica , um gorila bebê falso na África , até, sim, ovos . Eles permitem que os cientistas estudem o comportamento animal em seu habitat natural, com a guarda baixa.

Inspirado por programas de crime na TV, a cientista conservacionista Kim Williams-Guillen imaginou que, se a isca fosse convincente o suficiente, eles poderiam fazer o mesmo com traficantes de vida selvagem.

“Em Breaking Bad , a DEA coloca um dispositivo de rastreamento GPS em um tanque de produtos químicos para ver quem os recebe” , disse ela .

“Em um episódio de The Wire , dois policiais plantam um dispositivo de áudio em uma bola de tênis para gravar disfarçadamente um suposto traficante de drogas. Ovos de tartaruga basicamente parecem bolas de pingue-pongue, e queríamos saber para onde eles estavam indo – coloque essas duas ideias juntas e você tem o InvestEGGator. “

Para testar a tecnologia, a equipe colocou 101 iscas realistas em ninhos de tartarugas marinhas em quatro praias da Costa Rica – globos impressos em 3D na forma de ovos de tartaruga, pintados para parecer realistas e equipados com dispositivos GPS, configurados para emitir um sinal uma vez por hora. Geralmente, um ovo por ninho foi implantado, já que os caçadores geralmente levam a ninhada inteira.

Destas iscas, cerca de 25% foram removidas quando a ninhada foi roubada ilegalmente da praia. As iscas restantes foram deixadas; quando os pesquisadores verificaram esses ninhos, os outros ovos eclodiram normalmente, indicando que as iscas não prejudicam os ovos reais.

(Paso Pacifico)

A partir dos ovos roubados, os pesquisadores foram capazes de rastrear cinco ninhadas traficadas – três da vulnerável tartaruga marinha verde oliva (Lepidochelys olivacea) e duas da tartaruga verde ameaçada de extinção (Chelonia mydas).

O objetivo não era encontrar os caçadores ilegais removendo os ovos de seus ninhos, mas acompanhar a cadeia de suprimentos para descobrir onde eles vão parar e como.

“Como o tráfico é um crime mais sério, esses pontos de transferência são muito mais valiosos do ponto de vista da aplicação da lei do que pegar alguém tomando um ninho”, disse Pheasey .

O caminho mais curto que um dos ovos percorreu foi a vizinhança de uma propriedade residencial. Outro foi rastreado cerca de dois quilômetros da praia até um bar local.

A distância mais longa foi de 137 quilômetros – o ovo foi rastreado por dois dias até um cais de carregamento de supermercado no Vale Central da Costa Rica. De lá, ele fez seu caminho para uma casa. Como os ovos de tartaruga marinha não são vendidos em supermercados, mas de porta em porta, os pesquisadores presumiram que o cais de carga era apenas o ponto de passagem entre o traficante e o vendedor.

Até os ovos de isca que não funcionaram conforme planejado começaram a se mostrar úteis. Um ovo ficou offline perto da cidade de Cariari, a 43 quilômetros do ninho. Posteriormente, foram enviadas à equipe fotos do ovo dissecado, além de informações sobre o ponto de venda (próximo ao Parque Nacional Tortuguero) e quantos ovos foram vendidos.

Essas são boas e más notícias. A boa notícia é que a comunidade local está disposta a compartilhar informações sobre o tráfico de ovos de tartaruga. Mas, sua disposição para fazer isso indica que eles não acham grande coisa roubar e comer ovos de tartaruga – o que significa que pará-lo será uma batalha difícil.

Isso não é surpreendente. Os humanos comem ovos de tartarugas marinhas há muito tempo. Mas os humanos são muito mais numerosos do que antes, e as tartarugas marinhas, muito menos. A caça furtiva e o tráfico sem se preocupar com esse fato são, em última análise, insustentáveis.

O que InvestEGGator oferece é esperança de mudança.

“Mas realmente deve ser usado no contexto de uma abordagem de conservação multifacetada que usa a educação”, disse Williams-Guillen, “criando melhores oportunidades econômicas e fiscalização para ajudar a combater a caça ilegal de ovos de tartarugas marinhas”.

A pesquisa foi publicada na Current Biology

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.