Descrições detalhadas do processo de pensamento de Albert Einstein foram descobertas em sua correspondência com seu grande amigo Maurice Solovine, que era um estudante de filosofia. Um dia Solovine sugeriu ler e debater as obras de grandes autores. Einstein concordou entusiasticamente e logo o matemático Conrad Habicht se envolveu no que seria conhecido como a “Academia Olympia”. Muitas vezes, suas reuniões, realizadas no apartamento de Einstein, duravam até as primeiras horas da manhã, quando os três discutiam questões enquanto comiam ovos cozidos, fumavam cachimbos e charutos.

Entre os tópicos que os intrigavam estava o ato de pensar e a crença. Como nós pensamos? Por que acreditamos no que acreditamos? Einstein sabia intuitivamente que o pensamento é especulativo e como crenças e teorias pessoais distorcem o que observamos. Uma vez que ele observou brincando: “Se os fatos não confirmam sua teoria, mude seus fatos”.

Einstein explicou que, psicologicamente, nossas crenças e axiomas repousam sobre nossas experiências. Não existe, entretanto, nenhum caminho lógico da experiência para um axioma, mas apenas uma conexão intuitiva baseada em nossa interpretação da experiência, que está sempre sujeita a revogação. Essas interpretações moldam nossas crenças e percepções que determinam nossas teorias sobre o mundo. Finalmente, nossas teorias determinam o que observamos no mundo e, paradoxalmente, observamos apenas o que confirma nossas teorias, o que fortalece ainda mais nossas crenças e axioma.

Houve uma época em que os antigos astrônomos acreditavam que os céus eram eternos e feitos de éter. Esta teoria tornou impossível para eles observar meteoros como pedras ardentes do espaço exterior. Embora os antigos testemunhassem chuvas de meteoros e encontrassem alguns no chão, não podiam reconhecê-los como meteoros do espaço sideral. Eles procuraram e observaram apenas as coisas que confirmavam sua teoria sobre os céus.

Somos como os antigos astrônomos e buscamos ativamente apenas as informações que confirmam nossas crenças e teorias sobre nós mesmos e o mundo. As pessoas religiosas vêem evidências da obra de Deus em toda parte; enquanto os ateus veem evidências da ausência de Deus em todos os lugares. Os conservadores veem os males do liberalismo em toda parte e os liberais veem os males do conservadorismo em toda parte. Na verdade, você não precisa assistir e ouvir os telejornais e comentaristas das TVs, porque você já sabe qual será a posição deles em qualquer questão política.

Muitos de nós são ensinados que a crença é o resultado do pensamento racional que o informou e então você escolheu acreditar ou não. Mas, na verdade, suas crenças são moldadas por suas interpretações subjetivas de suas experiências. Quando você está pensando em algo, você tem a sensação de que os pensamentos não fazem nada, exceto informá-lo, e então você escolhe fazer algo e faz. Mas, na verdade, a maneira como você pensa e o que você pensa é determinado por suas teorias sobre si mesmo e a vida. O pensamento controla você mais do que você imagina.

Psicólogos, em um experimento, apresentaram o esboço de uma figura de mulher com um objeto na cabeça. Na África Oriental, quase todos os participantes disseram que ela estava equilibrando uma caixa ou uma lata em sua cabeça. Quando o esboço foi mostrado aos nômades, eles descreveram uma família sentada debaixo de uma árvore. Os ocidentais  a o descreveram como sendo uma família dentro de casa e interpretaram o retângulo acima da cabeça da mulher como uma janela através da qual os arbustos podem ser vistos. Diferentes culturas interpretam a imagem de maneira diferente por causa de diferentes tipos de experiências.

Nós interpretamos automaticamente todas as nossas experiências sem perceber. São boas experiências, ruins, o que elas significam etc.? Fazemos isso sem pensar muito, se houver, no que as interpretações significam. Por exemplo, se alguém colidir com você, você se pergunta por quê. O fato dessa pessoa colidir com você é neutro em si mesmo. Não tem significado. É a sua interpretação do golpe que lhe dá significado, e esse significado molda sua percepção da experiência.

Você pode interpretar a colisão como um comportamento rude. Você pode interpretá-la como sendo deliberadamente agressiva, ou você pode sentir como conseqüência do fato de você está distraído. Ou você pode achar que a calçada é mal projetada para a quantidade de tráfego de pedestres, forçando as pessoas a esbarrarem umas nas outras, ou talvez você considere isso como um exemplo de seu próprio descuido. Talvez você possa optar por usar a experiência como um exemplo político de agressão feminista, ou machista, ou pode interpretar o impacto como uma maneira que alguém usou para flertar com você. Sua interpretação da experiência determina sua percepção.

Imagine que um grupo de abelhas curiosas pousasse do lado de fora de uma janela de igreja. Cada abelha olha para o interior através de um painel de vidro diferente. Para uma abelha, o interior da igreja é todo vermelho. Para outro é tudo amarelo, e assim por diante. As abelhas não podem experimentar o interior da igreja diretamente; elas só podem ver isso. Elas nunca podem tocar o interior ou cheirá-lo ou interagir com ele de qualquer maneira. Se as abelhas pudessem falar, acabariam discutindo sobre a cor do interior. Cada abelha aderiu à sua versão, incapaz de compreender que as outras abelhas estavam olhando através de diferentes pedaços de vitrais. É o mesmo com a gente quando acabamos discutindo com alguém sobre uma teoria ou crença. Ambos os indivíduos estão olhando para o assunto através de sua interpretação da experiência em vitrais.

 

Fonte:  livro Thinkertoys: Um manual de técnicas de pensamento criativo – Michael Michalko

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.