Todos, em algum momento ou outro, assumimos o papel de vítimas. No entanto, há pessoas que se tornam vítimas permanentes, sofrem o que poderíamos considerar uma “vitimização crônica”. Essas pessoas se disfarçam de falsas vítimas, consciente ou inconscientemente, para simular agressões inexistentes e, incidentalmente, culpar os outros, libertando-se de toda responsabilidade.

Na realidade, a vitimização crônica não é uma patologia, mas pode levar a um distúrbio paranoico , quando a pessoa insiste em culpar os outros continuamente pelos males que sofre. Além disso, esse modo de enfrentar o mundo, por si só, leva a uma visão pessimista da realidade, que produz desconforto, tanto na pessoa que reclama quanto na pessoa que recebe a culpa.

Em muitos casos, a pessoa que abraça a vitimização crônica acaba alimentando sentimentos muito negativos, como ressentimento e raiva , que levam à vitimização agressiva. É o caso típico daqueles que não se limitam a reclamar, mas que atacam e acusam os outros, mostrando-se intolerantes e continuamente violando seus direitos como pessoas.

– Deformar a realidade. Esses tipos de pessoas acreditam firmemente que a culpa do que acontece com elas é dos outros, nunca é delas. Na verdade, o problema é que eles têm uma visão distorcida da realidade, têm um locus de controle externo, e acredito que ambos os aspectos positivos e negativos que ocorrem em sua vida não depende diretamente de sua própria vontade, mas de circunstâncias externas. Além disso, eles superam os aspectos negativos, desenvolvendo um pessimismo exacerbado que os leva a se concentrar apenas nas coisas negativas que lhes acontecem, ignorando os positivos.

– Elas encontram consolo no lamento. Essas pessoas acreditam que são vítimas dos outros e das circunstâncias, por isso não se sentem culpadas ou responsáveis ​​por qualquer coisa que aconteça a elas. Como resultado, tudo o que resta é arrependimento. De fato, elas geralmente sentem prazer em reclamar porque assim assumem melhor seu papel de “pobres vítimas” e conseguem atrair a atenção dos outros. Essas pessoas não pedem ajuda para resolver seus problemas, apenas se queixam de seus infortúnios na busca desenfreada de compaixão e protagonismo.

– Elas procuram culpados continuamente. Pessoas que assumem o papel de vítimas eternas, desenvolvem uma atitude desconfiada, muitas vezes acreditam que os outros sempre agem de má fé. Por essa razão, eles geralmente têm um desejo quase mórbido de descobrir queixas mesquinhas, sentir-se discriminados ou maltratados, apenas para reafirmar seu papel como vítimas. Assim, eles acabam desenvolvendo uma hipersensibilidade e tornam-se especialistas em formar uma tempestade em um copo de água.


– Elas são incapazes de fazer uma autocrítica sincera. Essas pessoas estão convencidas de que elas não são culpadas por nada, então não há nada para criticar em seus comportamentos. Como a responsabilidade pertence a outros, elas não aceitam críticas construtivas e, muito menos, realizam um exame minucioso de consciência que as leve a mudar de atitude. Para essas pessoas, os erros e defeitos dos outros são intoleráveis, enquanto os delas são uma simples sutileza. Afinal, as vítimas são elas.

Quais são suas estratégias?

Para uma pessoa assumir o papel de vítima, deve haver um culpado. Portanto, você deve desenvolver uma série de estratégias que permitam que a outra pessoa assuma a culpa no assunto. Se não estivermos cientes dessas estratégias, provavelmente entraremos em suas redes e estaremos dispostos a levar toda a culpa nas nossas costas.

1. Retórica vitimista

Basicamente, a retórica dessa pessoa visa desqualificar os argumentos de seu adversário. No entanto, na realidade, não refuta suas declarações com outros argumentos que são mais válidos, mas sim ela cuida para que a outra pessoa assuma, sem perceber, o papel de atacante.

Como se faz? Basta assumir o papel de vítima na discussão, de modo que a outra pessoa seja como alguém autoritário, sem empatia ou mesmo agressiva. Isso é o que se conhece no campo da argumentação como “retórica centrista”, já que a pessoa é responsável por mostrar seu adversário como um extremista, em vez de se preocupar em refutar suas afirmações. Desta forma, qualquer argumento que seu adversário exerça será apenas uma demonstração de sua má fé.

Por exemplo, se uma pessoa ousa contrastar uma afirmação com um fato irrefutável ou com estatísticas de fontes confiáveis, a vítima não responderá com fatos, mas dirá algo como: “Você está sempre me atacando, agora você diz que eu minto” ou “Você está tentando impor seu ponto de vista, por favor, peça desculpas.”

2. Retirada vitimista

Em alguns casos, o discurso da vítima visa evitar a responsabilidade e evitar pedir desculpas ou reconhecer seu erro. Portanto, tentará escapar da situação. Para conseguir isso, sua estratégia consiste em desacreditar o argumento do vencedor, mas sem reconhecer que estava errado.

Como se faz? Mais uma vez, assumir o papel de vítima, brincar com os dados à vontade e manipular a sua conveniência com o objetivo de semear confusão. Basicamente, essa pessoa irá projetar seus erros no outro.

Por exemplo, se uma pessoa responder com um fato comprovado, o que nega sua declaração anterior, a vítima não reconhecerá seu erro. Em qualquer caso, tente fazer uma retirada digna e diga algo como: “Esse fato não nega o que eu disse. Por favor, não crie mais confusão e caos “ou” Você está me culpando por confundir os outros, você não tem educação, é obviamente inútil argumentar com você porque não atende a razões “, quando na verdade quem cria a perplexidade é ela mesma.

3. Manipulação emocional

A manipulação emocional é uma das estratégias preferidas das vítimas crônicas. Quando essa pessoa conhece bem seu interlocutor, ela não hesitará em recorrer à chantagem emocional para colocar o conselho a seu favor e adotar o papel de vítima. Na verdade, essas pessoas são muito habilidosas em reconhecer emoções, então usam qualquer lampejo de dúvida ou culpa a seu favor.

Como eles fazem isso? Eles descobrem o ponto fraco do adversário e exploram a empatia que podem sentir. Desta forma, eles acabam envolvendo-o em sua teia de aranha, de modo que essa pessoa assume toda a responsabilidade e o papel de executor, enquanto eles permanecem confortáveis em seu papel como vítimas e podem continuar a lamentar.

Por exemplo, uma mãe que não quer reconhecer seus erros pode colocar a culpa na criança dizendo coisas como: “Com tudo o que fiz por você, e é assim que você me paga”. No entanto, esse tipo de manipulação também é muito comum nas relações entre parceiros, entre amigos e até mesmo no ambiente de trabalho.

Como enfrentar esse tipo de gente?

O primeiro passo é perceber que estamos diante de uma pessoa que assume o papel de vítima. Então, se trata de resistir ao ataque e não nos deixar enroscar no seu jogo. O mais sensato é dizer que não temos tempo para ouvir suas lamentações, que se você quiser ajuda ou uma solução, teremos prazer em ajudá-lo, mas não estaremos dispostos a perder tempo e energia ouvindo suas reclamações continuamente.

Lembre-se que o mais importante é que essas pessoas não estraguem o seu dia baixando sua dose de negatividade e, acima de tudo, não o façam sentir-se culpado. Não se esqueça que só pode ferir você emocionalmente, aquele a quem você lhe dá poder suficiente.

 

 

Artigo originalmente publicado em rinconpsicologia

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.