Já estamos maravilhados que em 2020 ainda existam as touradas e, em vez disso, haja também quem proponha que esta prática bárbara seja incluída no patrimônio cultural imaterial da humanidade. Felizmente, a UNESCO não aceitou.

Nem é preciso lembrar a crueldade das touradas, espetáculo em que se luta (com armas desiguais) um touro, que existe há séculos e luta para morrer, apesar de as pessoas serem cada vez mais sensíveis ao bem-estar animal.

Durante esses meses de pandemia, a tourada sofreu uma parada abrupta e centenas de touros foram salvos. Nesse ínterim, porém, a Asociación Intergubernamental de la Tauromaquia enviou um pedido à Unesco apelando para a “situação de emergência” que vivia a tourada na Espanha.

O que ele estava propondo? Incluir as touradas no patrimônio imaterial da humanidade, isso permitiria sua salvaguarda. Um pedido absurdo que foi prontamente combatido por algumas associações internacionais reunidas na plataforma La Tortura No Es Cultura ( LTNEC ) e também com a ajuda da hashtag #NoTauromaquiaEnUnesco que se tornou tendência nas redes sociais de Espanha, Portugal, Colômbia, Equador e Peru.

A Mesa da Unesco, que deveria discuti-lo em setembro, decidiu adiar o assunto para a reunião de outubro, onde, entretanto, o tema não fazia parte da pauta e, consequentemente, as touradas não foram incluídas no ‘processos em andamento de 2021’, que serão examinados pelo Comitê em dezembro.

Assim comentou Marta Esteban, presidente da Ltnec:

“Seria incompreensível que enquanto um órgão das Nações Unidas, o Comitê dos Direitos da Criança, urge para proteger os jovens da violência das touradas, outro órgão das Nações Unidas, neste caso a UNESCO, o classifique como um patrimônio imaterial de humanidade a ser transmitido a essas mesmas crianças e jovens e subsidiado com dinheiro público. Nestes tempos difíceis em que vivemos, é fundamental defender as expressões culturais que promovem a vida, não a morte, e que facilitam a coesão da sociedade, e não o confronto entre os cidadãos que é o protagonista do debate sobre as touradas ”.

Na verdade, as touradas nem mesmo foram consideradas entre os possíveis ativos intangíveis protegidos pela UNESCO. E como poderia ser diferente, o sofrimento e a violência não podem, em caso algum, ser considerados patrimônios da humanidade!

A entrada da tourada no catálogo de manifestações culturais protegidas era improvável, visto que em 2014 o Comitê das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança recomendou que os países membros revisassem se suas leis sobre touradas cumpriam a Convenção sobre os Direitos da Criança.

“Seria incompreensível que enquanto um órgão da ONU, o Comitê dos Direitos da Criança, urge para proteger os mais jovens da violência das touradas, outro órgão da ONU, neste caso a UNESCO, o incluiu na lista do patrimônio imaterial da humanidade para ser transmitido a essas mesmas crianças e jovens e subsidiado com dinheiro público “, disse no comunicado Marta Esteban Miñano, presidente da Plataforma Tortura Não É Cultura.

No final da tarde desta segunda-feira, a UNESCO lembrou por meio de seu perfil oficial no Twitter que nenhum Estado membro havia apresentado candidatura formal e que, portanto, “não houve candidatura em estudo”.

Informações de Greenme

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.