Nadia Fink é uma escritora argentina que teve a ideia de escrever uma coleção de histórias sobre mulheres que quebram o estereótipo dos contos de fadas . São histórias feitas para crianças e buscam derrubar idéias sexistas promovidas pelas princesas da Disney, Barbies e outros clichês.

Embora estejamos no século 21, o estereótipo feminino ainda é muito forte . Histórias infantis que estabelecem “princesa” imaginária como uma mulher ideal perpetuam esses estereótipos e os incutem em nossas mentes desde muito cedo.

“Mulheres com um passado e homens com um futuro são as pessoas mais interessantes.” -Chavela Vargas-

Os videogames e muitos filmes importantes de Hollywood transmitem esse estereótipo para as mentes das crianças. Assim, desde a infância somos ensinados a ter uma visão desatualizada dos papéis de gênero.

Mulheres em contos de fadas

Os contos de fadas tradicionais têm uma estrutura narrativa muito semelhante . Todas são grandes histórias de amor, onde o centro do conflito é uma mulher injustamente tratada pelo destino. Todos eles, sem exceção, resolvem o problema por dois fatores: a intervenção mágica de outra mulher, a fada e, finalmente, a salvação graças a um príncipe.

Essas histórias terminam com a elevação do protagonista de ser uma “princesa” dentro de um reino encantado. Esses tipos de gráficos e resoluções são reproduzidos centenas de vezes, com adaptações óbvias em diferentes séries e filmes atuais.

Mas por que essas histórias seriam negativas se, no final, a justiça e a felicidade no amor prevalecessem?

A parte mais problemática dessas histórias é que elas distorcem a essência de muitos valores . Por exemplo, eles associam arbitrariamente bondade com beleza . Uma “princesa” é sempre boa, mas também bonita. Não há princesas feias. Os feios estão conspirando contra ela, basicamente por inveja.

Também inculcam a ideia de que o maior triunfo das mulheres é encontrar o seu príncipe, transmitindo assim um equívoco de amor.

No amor real, a história começa onde os contos de fadas terminam. Nós não vivemos felizes para sempre, mas viver juntos é um dos desafios mais difíceis para o casal. E não há príncipe, mas um homem feito de carne e osso que nem sempre pode satisfazer as expectativas de uma garota que quer idealizá-lo.

Por fim, esses tipos de elaborações fantasiosas levam à frustração e à infelicidade. Embora seja difícil acreditar, muitas pessoas sofrem a vida inteira por não encontrar a mulher, o homem ou o amor ideal , em vez de ficarem felizes com as situações reais que a vida lhes traz.

As Antiprincesas

As duas antiprincesas com que Nadia Fink começou suas coleções são Frida Kahlo e Violeta Parra, duas mulheres que não esperavam que um príncipe as salvasse, nem se salvaram ou ficaram sentadas esperando.

Em suas histórias de amor há contradições, abandono e incompreensões. Há também grandes conquistas e desenvolvimento pessoal independente das vicissitudes do amor romântico. Essas histórias representam um novo tipo de interesse: um interesse no mundo real.

Frida Kahlo não era a típica loira angelical que encontrou o príncipe de seus sonhos. Ela era uma mulher marcada pela doença em tenra idade, que viveu uma história de amor apaixonada e contraditória com um homem que não se assemelhava a “Ken”, namorado eterno da Barbie. O interessante dessa história era a maneira como ela se refletia nas pinturas de Frida: uma verdadeira poesia de imagens.

Violeta Parra, a grande artista chilena, não viveu feliz para sempre. Ela se separou do primeiro marido e a primeira filha que teve com o segundo marido morreu aos dois anos de idade.

Sua famosa canção “Gracias a la vida” foi composta depois de se recuperar de uma tentativa de suicídio. E o belo tema “Volver a los 17” foi escrito para Peter Messone, que era 21 anos mais velho. Ela certamente não era o tipo de mulher que inspiraria uma história da Disney.

Existem muitas antiprincesas da vida real que deixaram uma marca profunda no mundo pela sua recusa em ser e agir como um estereótipo. Mulheres talentosas com grandes personalidades, foram capazes de enfrentar preconceitos e se atreveram a ser livres. Então, podemos certamente dizer: Viva as antiprincesas!

 

Via Exploring your mind

Imagem de Benjamin Lacombe

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.

COMENTÁRIOS