Às vezes, suportamos situações e pessoas prejudiciais por muito tempo, só porque seguimos o ditado tácito de que “você tem que aturar isso quando não tem outra escolha”, como o sapo da nossa história.

E certamente não podemos ignorar que muitos de nós subordinam nosso bem-estar emocional a necessidades que consideramos mais básicas. Também acontece com frequência que não devemos apenas continuar pensando em nosso bem-estar, mas que existem outras pessoas que dependem de alguma forma de nós.

Nós também podemos suportar uma situação limite por um longo tempo por dependência emocional, por um relacionamento destrutivo ou porque nos falta cultura emocional para saber o que é normal e o que não é.

Talvez você suporte situações até que você queime, sem ter notado antes a necessidade de pular a tempo de se salvar. É por isso que queremos que você conheça a síndrome do sapo que não sabia que estava sendo fervida e que foi explicada por Olivier Clerc pela primeira vez.

A síndrome da rã fervida
Coloque um sapo em um recipiente cheio de água e comece a aquecer a água. À medida que a temperatura da água começa a subir, o sapo ajusta sua temperatura corporal de acordo. O sapo continua ajustando sua temperatura corporal com o aumento da temperatura da água.

Apenas quando a água está prestes a atingir o ponto de ebulição, o sapo não pode mais se ajustar. Neste ponto, o sapo decide pular. O sapo tenta pular, mas é incapaz de fazê-lo, já que perdeu toda a sua força ajustando a temperatura do corpo. Muito em breve o sapo morre.

Se permitirmos que as pessoas nos explorem fisicamente, emocionalmente, financeiramente, espiritualmente ou mentalmente, elas continuarão a fazê-lo.
Vamos decidir quando pular! Vamos pular enquanto temos a força.

O que esta metáfora de nós mesmos nos diz
Essa metáfora tem muitos significados para diferentes situações da vida, para nossos relacionamentos, trabalho, personalidade, comportamento de saúde, etc. As pessoas que estão envolvidas num relacionamento que não lhes causa bem-estar ajustam continuamente os seus desejos, opiniões e resignações, de modo a não causar desconforto, acreditam que podem suportá-lo ou que não têm escolha senão fazê-lo.

No entanto, em geral, manter-se assim por muito tempo não leva a nada além de problemas ou situações limitantes. No momento menos esperado, chegaremos a uma situação extrema, não apoiaremos mais e teremos que pular, fugir ou ao menos levantar nossa retirada da situação ou do relacionamento, mas talvez nos machuquemos.

“Às vezes, nossa capacidade de resistência vai muito longe, mas as forças e a ilusão estão gradualmente caindo no esquecimento.”

Uma questão de estresse cotidiano e estresse agudo
Richard Lazarus já apontou os diferentes tipos de enfrentamento do estresse e também que havia dois tipos de estresse: estresse diário e eventos estressantes da vida.

Normalmente nos dizem que situações estressantes da vida, como divórcios, morte de parentes, perda de casa ou trabalho, nos afetam muito, talvez seja assim. Mas ante este tipo de eventos com grande carga aversiva e ameaçadora para nós, preparamos nosso organismo e  “saltamos fora a tempo”

No entanto, são os eventos estressantes diários (ainda mais se eles são prolongados por um longo tempo), com o qual devemos nos preocupar mais. Alguns desses eventos não são diferenciados como negativos por um longo tempo.

Este é o caso de desavença entre casal, pois às vezes recebemos ações positivas, outras negativas, outras suportáveis. Assim, o desconforto é mantido, é ajustado até que a situação se torne insustentável.

A melhor maneira de lidar com esse fato é reconhecê-lo, isto é, não boicotar a nós mesmos, dizendo a nós mesmos que talvez isso seja normal. Se por muito tempo você se sentir mal na mesma situação ou com a mesma pessoa, algo está falhando.

Você deve pular, não se trata de fugir, mas pular, encarar a situação e perguntar quais são as soluções. Lembre-se de que quem segura demais, raramente vem com força no final para tentar mudar a situação. Talvez o dano já esteja feito e internalizado.

Fonte: La Mente es Maravillhosa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.

COMENTÁRIOS